Quebrada Forte é feito de apocalípticos


Nós não começamos esse movimento, mas o perpetuamos, e sabe qual é o problema disso?

Todo seguidor cria seguidores.

Quebrada forte é feito de apocalípticos, gente com tolerância ao risco, gente que apesar de gritar alto e bem forte:

“vai ter ciclovia, na paulista e na periferia”

é mais profundo e não se ilude, sabemos que será impossível o modelo de lá ser replicado cá.

Saindo do Jd. Damasceno você poderá ver grupos de crianças pedalando suas bicicletas, simples e sem luxo rumo a “ciclovia da inajar”, perceberá que uma resistência existe.

Uns pedalam pelas calçadas, outros na rabeira do caminhão, outros ignoram os ônibus e caminhões e seguem no trânsito, eles são fortes, são gigantes, são os apocalípticos.

Ciclovia no Jd. helena — Zona leste

Não pense, ao ver uma mãe com suas crianças a pedalar pela calçada, que elas são frágeis, diferente disso, elas resistem ao mundo que querer lhes tirar a calçada.

Frágeis? Frágeis são os que se vestem com uma tonelada de aço para ter coragem de enfrentar as ruas ou estacionar nas calçadas, nós somos a resistência.

Não ache que esse movimento nasceu e vai morrer ao fim dos 400 km do CicloviaSP, esse movimento, “Quebrada Forte”, estava latente e agora veio para ser o pesadelo do sistema. Não veio negar a utilidade dos 400 km, veio para justificá-lo e querer mais; precisamos compartilhar a via, pois só vagas de estacionamento, não será suficiente.

Ciclovia Praça Santa Luisa de Marillac — Vila Sabrina

Dizem que o seguidor que faz o criador ser maior, esteja certo que muitos virão depois de nós. Nós não somos apenas sementes, somos frutos do meio, trazemos em nós, a carga genética da predisposição pra lutar…

Então muito cuidado ao negar nosso movimento “Quebrada Forte”, assim como você precisa de ar pra respirar nós somos peça essencial nesse tabuleiro.

As ciclovias não se encherão de quem não é apocalíptico, elas trazem os que não são da resistência à pedalar, mas são os apocalípticos que perpetuam sua criação.

Ciclovia na Vila Maria

O apocalíptico não discute se tem alternativa a Teotônio Vilela ou Consolação, Ele vai por ela, Ele não quer saber se a ciclovia da Inajar de Sousa só começa no meio, Ele chega ao centro antes que a Radial Leste o aprisione no bairro.

O Apocalíptico sobrevive aos caos, de barra forte, ceci ou mtb, de bmx, caloi, totem ou gti.

Nós não ouvimos dizer, nós vivemos isso, somos o drama que você lê.

#CicloviaNaPeriferia é com #QuebradaForte

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.