Transporte, Lazer e Esporte pra uma revolução


Trecho inicial do Jockey Clube SP onde foi a partida e chegada da prova em 2015

Lembro que uma amiga, certa vez, perguntou via twitter, qual seria o melhor tênis para que ela praticasse corrida, depois de muitos debates e ela rejeitando as principais marcas do mercado, alguém soltou a seguinte pergunta: “você quer correr ou fazer uma revolução?”

Eu fui ver a Prova Ciclística 9 de Julho, que foi realizada em SP. Eu fui com mais 3 amigos aqui da minha quebrada, ida e volta nós pedalamos por volta de 50km, a prova masculina teve circuito com alguns quilômetros a mais.

Pedalaram 50km ida e volta pra registrar e perceber como era a prova!

Eu fui com meus preconceitos e minhas verdades compradas ou lidas na imprensa. Como ativista, atualmente, no meio da bicicleta, levei comigo os entraves que já enfrentei com esportistas em ciclovias em SP.

Fotografei, filmei, fiz selfie e vibrei com quem disputava a aprova que homenageia uma “revolução” , o que incomoda a muitos inclusive a mim, mas o que eu queria, falar do esporte, do incentivo a mobilidade por bicicleta ou fazer uma revolução?

Odir Zuge e Andre Leme participaram da prova em 2015

O ato de subir em uma bicicleta seja no barro das quebradas ou seja numa ciclovia, é revolucionário, e toda revolução tem em comum o ato de misturar as pessoas e seus sentimentos por um objetivo comum.

Separar esportistas, ciclistas urbanos ou qualquer outra forma de se usar bicicleta só interessa a uma minoria que se satisfaz ao impedir o desenvolvimento de algo que os incomoda.

Corredores no trecho próximo ao Parque Vila Lobos na Zona Oeste

O que devemos aprender com as revoluções e derrotas é que separar Nós, Deles, não ajuda quando temos um objetivo comum.

Essa proliferação do “nós contra eles” se espalhou na sociedade brasileira de maneira muito acentuada, isso tem impedido que pessoas de origens parecidas se reconheçam uns nos outros e assim aumentando o abismo nos relacionamentos humanos.

Bicicleta com quadro de mais de 20 anos do Ciclista Odir Zuge

Na Prova 9 de julho, vi sim bicicletas “mais simples”, mas não pensem que são as vendidas em magazines, afinal, estamos falando em praticar um esporte de alto desempenho.

Já vi pais tirarem da mesa para comprarem “chuteiras” pro menino que tinha habilidade ir fazer uma peneira em clubes. O Sonho por alcançar os estágios mais altos num esporte sempre esteve presente, lógico que existe algo de “místico” quando falamos do ciclismo e seu custo, no Brasil só é simples e fácil jogar futebol, pois mesmo acabando com os campos de várzea a TV ainda vende a cultura com as transmissões diariamente sobre os bastidores e as disputas.

Qualquer comercial de TV incentiva o futebol na rua, agora quando se trata da bicicleta, logo colocam as pessoas num parque.

As mulheres vencedoras, veja e se reconheça!

Uma prova como a 9 de Julho colocada as 7:45 da manhã num mês frio, sem divulgação em massa pelos patrocinadores ou realizadores, faz com que o topo da piramide seja visto como impossível se chegar por quem esteja na sua base.

Já vimos também meninos fazerem testes em times de futebol com chuteira do amigo, outros jogaram com apenas um pé do calçado para que o outro pé fosse usado por um colega. Isso quer dizer que temos que retornar as bases, incentivar os circuito locais, nos centros dos bairros, criar identidade e reduzir esse abismo que se instalou. Não vamos negar que muitos que alcançam esses círculos pouco ajudam para que outros cheguem lá também.

Os Homens vencedores, o Campeão chama-se Joel

Num pais, onde quem usa táxi é classe média alta, e o taxista usa o mesmo automóvel para seu ganha pão e diversão, como podemos exigir um determinado tipo de bicicleta para uma certa competição?

Precisamos começar a se reconhecer nos outros, caso você não consiga fazer isso, sinto muito…. você faz parte daqueles que colaboram pra que a vida de muitas pessoas seja tão ruim, acha que sozinho não vai resolver, é por muito pensarem assim como você que a situação vai de mal a pior, e como sempre você pensa em si só….. Não pense que, por ter conseguido chegar e conquistar o que conquistar alguma coisa que outros deveriam tentar que conseguiriam também.

Assistam o vídeo, permita-se

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.