(Esse texto é pessoal e não tem outra intenção que não externar o que EU estou sentindo, obrigada).

Tudo começou em meados de 2013/2014 quando eu tive uma perda imensurável na minha vida (minha vózinha se foi) e meu mundo caiu, eu já tinha tido indícios de depressão bem antes mas nada muito grave, mas dali em diante eu senti que algo mudou em mim, eu fiquei mais fria, meus pensamentos se embaralhavam em uma velocidade absurda, eu perdia a paciência fácil e me isolava mais frequentemente do que o normal, e estou carregando muitos complexos até hoje… Ter 18 anos não é fácil, não corresponder ao padrão não é fácil, ser tímida e leiga em quase tudo por ter sido uma adolescente retraída não é fácil. Hoje eu estou numa universidade pública e fiz novas amizades, beeeem diferentes das que eu tinha no colégio, e isso é ótimo, conviver com inúmeras personalidades e histórias de vida… Mas mesmo assim, com toda essa mudança, eu me sinto menos “eu”, não sei que rumo é esse que estou tomando, por exemplo… essa semana experimentei meu primeiro cigarro de tabaco, e por incrível que pareça meu pulmão conheceu o THC bem antes da nicotina, lá em 2015… Numa esquina com antigos amigos e aquilo me fez tão bem, a bebida me faz bem, estar entre amigos me faz bem, mas ai eu volto pra casa e me olho no espelho, vejo a verdadeira “eu”, alguém cheia de incertezas, de paranóias e que não deveria cometer o egoísmo de colocar pessoas na sua vida sem antes deixar claro o tipo de alma que habita esse corpo, os acontecimentos do Brasil e do mundo tampouco fazem eu me sentir melhor, eu sofro por pessoas que não conheço, eu choro, eu definho pelas almas que são de algum jeito feridas em qualquer canto. A vibe é muito pesada em casa, na rua, até na faculdade… Não dá pra ignorar a minha sensibilidade as más vibrações… E eu não sei como sair desse poço escuro e úmido que é meu pensamento… E eu considero fazer sentido falar do princípio de tudo no Setembro Amarelo (que tem a intenção de prevenir suicidios) pois pra mim, faz mais sentido prevenir o que antecede o suicidio, as decepções, as brigas, a energia pesada que paira o mundo nesse momento (ontem a Coréia do Norte ameaçou jogar uma bomba nos EUA) e afogada em sentimentos, já nem sei mais quem eu sou…

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.