Compositores goianos: um grito de inspiração

“Eu sou um tanto ambiciosa, tanto quanto o meu dom, mas se eu nasci assim, não nego raça, cor ou som” diz Josielly em sua canção

por Blender Barbosa

Ouve-se sempre que composição musical é apenas letras e partituras. Engana-se quem pensa isso, a composição musical vai muito além. Para muitos, é uma arte que vem dos sentimentos mais remotos da alma ou um grito de expressão. Não é diferente em Goiás, o lado forte musical no estado continua sendo o sertanejo, porém, muitos novos compositores, têm revelado talento para outros estilos e ritmos.

As opiniões sobre o cenário goiano, para os compositores são divergentes. Muitos desses artistas afirmam que o mercado musical é para todos que possuem talento, outros dizem que há falta reconhecimento. “Goiás é berço da música sertaneja, é possível encontrar vários compositores ainda sem reconhecimento. Na maioria dos casos a música e seu intérprete ganham reconhecimento e o compositor quase nunca é lembrado”, revela a compositora e cantora Josielly Rarunny.

“Somos muito alienados a um único gênero musical, o sertanejo”, enfatiza o compositor e professor de violão, Davy Fogaça. Para ele, o compositor em Goiás não tem muito espaço para mostrar outros gêneros musicais além do sertanejo. O compositor e Mc Graciliano Shinoda comenta que o rap no estado não é valorizado, o que prejudica na composição desse estilo musical.

O anonimato ainda é presente na vida de vários compositores, alguns o mantém por opção, outros dizem que ainda não chegou sua hora, como é o caso da estudante de comunicação e cantora sertaneja, Sabrina Monteiro. Ela afirma que começou a compor aos 14 anos, no quarto de sua casa. “Ainda quero ver alguém se emocionar com minha própria letra.”

O quarto de casa, o trajeto pra o trabalho ou faculdade e a escola, geralmente são locais de onde vêm as primeiras inspirações. A funcionária pública federal, Elis Araújo, comenta sobre onde compôs pela primeira vez. “Por passar muito tempo dentro do ônibus, sempre utilizei o período do percurso para estudar ou pensar em coisas da vida e em certa ocasião, surgiu a inspiração para escrever a primeira música”.

Muitos desses compositores, revelam que não é possível viver apenas de música e possuem outros trabalhos para se manter, como é o caso de Elis. Ela diz que atualmente a composição musical é apenas um hobby, mas pretende trabalhar com a música, conciliada a sua atividade principal devido sua estabilidade profissional. “Não vejo dificuldades em ser compositora, acho que o difícil é sustentar uma casa com dinheiro de composição. Existe mercado, mas ele é injusto e extremamente competitivo.”

O Mc Shinoda possui um projeto solo chamado Shinod4 e faz parte de um grupo musical, com nome de Dc Gang. Ele já consegue viver de música e diz que pretende se aposentar com esse trabalho. “A música me motiva a dar um futuro melhor pra minha família, faço isso por eles e também pra passar uma mensagem para as pessoas de que nada na vida é impossível, basta você querer.” O músico ainda diz ser versátil, e compõe estilos como R&B, Hip Hop, Trap e Rap.

A música é influência na vida da cantora Josielly desde criança. Ela conta que vem de uma família de músicos. “A música passou de pai pra filha. Meu pai também é um compositor goiano, José de Araújo, conhecido como Cowboy do Assovio.” A artista diz que em certos momentos de sua carreira foi necessário tratamento psicológico. “Desde que tomei conhecimento da minha capacidade de compor venho buscando um espaço no mercado da música e as várias tentativas em busca de reconhecimento, sem obter sucesso, têm me deixado frustrada.”

A internet é uma importante ferramenta, para esses amantes da música. O YouTube, Facebook e MediaFire, são redes onde eles podem mostrar seu trabalho e divulgar virtualmente, tanto as letras e melodias, quanto as músicas cantadas. Sabrina revela que alguns artistas gravam músicas de compositores sem autorização e enfatiza o registro dos direitos autorais. Mc Shinoda comenta sobre a importância da internet no seu trabalho. “Já tive várias músicas cedidas, geralmente compomos músicas e as colocamos para download grátis.”

O professor de música, Davy Fogaça, escreve há quatro anos e uma das composições mais marcantes ele escreveu para uma ex-namorada.

Josielly revela que fez uma de suas composições ainda na adolescência. Segundo ela, foi escrito para sua mãe, o que não podia ser dito. “Há um lugar chamado fonte de inspiração, lugar que posso apenas sentir. Eu sou um tanto ambiciosa, tanto quanto o meu dom, mas se eu nasci assim, não nego raça, cor ou som.” Ela afirma que essa composição permitiu expressar sua indignação diante de algumas regras impostas.