Cadê o bebê? — Por Angelo Varella

22/08/2016 — Tá com medinho de vaia, 06?

(Ninguém aqui está dizendo que há um golpe ocorrendo no Brasil. Golpe não acontece com votação na Câmara e no Senado. Mas, foi a primeira vez na vida em que pude fazer piada com Judo. Perdoem a inconveniência ideológica)

Que belas Olimpíadas! Tivemos mais ouros do que nunca, mais mulheres e gays do que nunca, e conseguimos provar que o americano era a o babaca da situação. Perfeito! E para isso tudo só precisamos falir o Rio de Janeiro, cometer duas ou trinta gafes estruturais (ciclovias que o digam) e “realocar” alguns mil moradores. Mas, você viu o ouro do Neymar?

Como disse o rapaz 100% Jesus: “Vai tomar no cú, caralho, aqui é Brasil, porra!”

E agora, depois de tanta festa, é aquela hora do ciclo Olímpico que devemos lembrar que o brasileiro, na verdade, não se importa nem um pouco com medalhas. Não, meus queridos. Se o brasileiro se importasse com medalhas, teríamos muito mais gente assistindo às Paraolimpíadas, que em Pequim 2012, ganhou mais ouros do que o Brasil ganhou em medalhas no Rio 2016, com essa torcida toda.

Desafio você a não achar essa imagem foda

E, logicamente, todo esse festival de torcida e vaias (muitas vaias) impressionou os gringos que vieram a um evento de terceiro mundo e foram (ou não) agraciados com berros e gritos eufóricos. O que, honestamente, me faz pensar: se brasileiro apoia até juiz, porque tanto sumiço do nosso querido Michel?

Sim. Até o Primeiro Ministro Japonês topou personalizar o sonho da Nintendo e subir fantasiado de Mário (será que alguém perguntou de armário pra ele?) em plena festa de encerramento e o nosso querido Temer temeu aparecer para não receber vaias? Cadê o espírito esportivo, Presidento? Essa era a hora de mostra para o mundo que os atletas nem foram tão tão vaiados assim.

Achei sensacional

Vocês acham que não, mas eu sei. Ele não quer arriscar. Temer está seguindo os passos de sua ÍDOLA!

Bons de Golpe

Nosso querido Draculino está protegendo o título! É óbvio, ele sabe o quão perto está. Duvidam? Reparem nas semelhanças. Depois de uma série de embates e golpes aplicados, chega a hora da verdade, na disputa final. Logo no início da luta, com execução precisa, um golpe perfeitamente aplicado.

Eu achei que foi Ippon

Muita discussão depois, ambos descobrem que não podem vencer só com aquele movimento. Seria preciso tempo, dedicação extrema e muita, mas muita cautela. As adversárias avançam, usando todas as suas armas e quase conseguem a vitória.

Tá, eu concordo que eu forcei esse quase aí. Admito

Multidões de camisas amarelas apoiam a incansável busca pela vitória dos nossos protagonistas de time azul. Sabendo da evidente vantagem, ambos fogem da luta e usam movimentos que merecem punições, mas tem o tempo a seu favor.

Tá nas regras isso aí? Pior que tá

E com maestria em seus golpes, ambos saem vitoriosos. Rafaela Silva, por ser um exemplo brasileiro. Pobre, negra, lésbica. Treinada à perfeição e glorificada em um momento único que representa o fim de anos de opressão, desafios desumanos e perseguição pela simples falta de oportunidade que essa gigante brasileira teve que enfrentar.

E Temer. O expoente da galera que causa a maior parte dos problemas de pessoas como Rafaela. Ironias do destino, ambos vão pra casa com faixas no pescoço.

Like what you read? Give Cacofonias a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.