LGBT é uma Parada — Por Angelo Varella

05/06/2016 — A gente ainda discutindo isso??

Dia 29 de Maio foi a já muito famosa marcha do Orgulho LGBT, com parada e tudo, e muita, mas muita gente simpatizante e participante do movimento mais colorido do nosso país saíram às ruas neste domingo de Sol. E como gay não é normal, em uma festa aberta de rua com 17 trios elétricos, nenhum beijo forçado foi dado. Lamentável

E não para por aí. Houve ainda garrafada em policial, que pareceu ser mais noticiada do que as 2 milhões de almas purpurinadas na avenida. Paciência. Se tem algo que a comunidade LGBT tem, é paciência. Imagina quantas horas acumuladas em armários, só em São Paulo. Sem contar os milênios anteriores. Em um paralelo comparativo, do quanto eu imagino que é ruim essa situação de não poder ser você mesmo, pense em como seria triste se pastor não pudesse pedir dinheiro. Essências destruídas.

Mas, é bonito de se ver. Em um movimento extremamente politizado, diversos protestos aconteceram. Para maiores informações, Google: Direitos Humanos. E alguma coisa contra igrejas universais. Fora Temer, praticamente unânime. Logicamente, o movimento recebeu as mesmas diversas críticas de gente que acredita que todo mundo deve votar em nome de Deus. O eterno enfrentamento ideológico. De um lado, pessoas horríveis, que tentam destruir a noção de família e toda estrutura de uma sociedade desenvolvida. E do outro lado, os LGBTs. Adorável, se não fossem os linchamentos.

E a gente pensando que a Igreja Católica era o problema. Tá, tudo bem, teve séculos de influência negativa, milhões de mortes no passado, aqueles casos das criancinhas (Spotlight), mas olha que Papa fera que eles tem agora. De toda forma, pelo menos eles não tiveram nada a ver com o Malafaia. Ou com o Bolsonaro. Feliciano. Edir. Macedo. Tudo bancado pelos exemplares “imposto religiosos”, com concurso e tudo.

E a pergunta que eu me fiz, neste dia: Se Jesus, o salvador dos humanos, o homem mais puro que já pisou na face da Terra, voltasse hoje para averiguar a situação da humanidade, ele seria contra ou a favor da Parada LGBT? Bom. Não cabe a mim responder. Afinal, como eu poderia saber da opinião de um homem que defendeu os oprimidos, andava com prostitutas, perdoava pecados e disseminava o amor? (LGBT. Ele provavelmente aprovaria o movimento LGBT, iria na parada, sem problemas, cortaria o cabelo de uma forma engraçada e pintaria o rosto de rosa choque, porque pecado mesmo é fazer o que a Bancada Evangélica vem fazendo pelo Eduardo Cunha) (favor ignorar os parênteses)

Então, em mundo que rapidamente abre seus braços e abraços aos mais diversos tipos de preferência e identidade sexual, até onde vão os direitos da comunidade gay? Até ali, mais ou menos onde negros, mulheres, crianças, idosos, trans em geral e os nobres homens de bem se encontram para progredir. Pelo menos é com essa ideia que eu falo, Go, Gays! Enjoy the party!

*Angelo Varella é bacharel em Ciências Econômicas pela Universidade de Brasília e palhaço amador de internet.
Like what you read? Give Cacofonias a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.