Um lugar para meus textos aleatórios sobre a vida e outras coisitas mais

Há um tempo atrás, 2008 mais precisamente, criei um blog chamado Palavras aos Pixels. Nele escrevia minhas crônicas e contos mas chegou uma época que comecei a falar também sobre minha área de trabalho e aí senti que o blog desandou. Ficou confuso, ficou perdido.

Aí, em 2016, surge aquela vontade de escrever de novo mas queria dar foco no blog. Com a ajuda de bons amigos, o Palavras aos Pixels virou Checklist da Gaia (com domínio próprio e tudo!) e virou um lugar onde dou dicas de filmes, livros, música, etc. Senti que voltou a fazer sentido mas minhas crônicas ficaram escondidas. Vendo outros amigos escrevendo por aqui, pensei comigo: “Por que não deixar meus textos aqui?”. E assim farei. A começar por hoje! Segue a minha primeira crônica, lááááá´de 2008. Espero que goste. ;)

O riso não está em extinção

Foto encontrada no Pinterest

Muitas pessoas irão dizer que o calor humano do povo brasileiro está ficando raro em meio a tantas notícias ruins que aparecem nos jornais. Nem com turistas já são mais legais, lembrando da última e lamentável história do italiano.

Sabemos que existe corrupção, violência e falta de respeito. Que o que às vezes sentimos é o frio do revólver e das pessoas que agem sem sentimento algum.

Sei que não deveria ter começado por aí. Afinal estamos falando de calor humano, né? Mas isso acontece e não devemos fechar os olhos.

Felizmente, isso é exceção. E digo isso com convicção. O povo brasileiro, em sua esmagadora maioria, é caloroso sim. Percebo quando pego o ônibus e ainda vejo pessoas cedendo o lugar para os idosos. Ou alguém ajudando um deficiente físico ou visual na rua.

Também percebo o calor humano estampado nos sorrisos das pessoas que dizem para você bom dia, boa tarde e boa noite. Outro dia mesmo vi um garoto que estava jogando futebol e a sua bola foi parar na rua. Um motociclista parou e avisou aos motoristas para irem devagar e desviar da bola que ele ia pegar. Os carros pararam e esperaram o cara pegar a bola e devolver ao menino que todo contente disse: “Muito obrigado”.

O calor humano brasileiro ainda luta bravamente para lembrar a todos que, apesar de algumas coisas desagradáveis acontecerem, não devemos endurecer. O mais bonito de nosso povo é a nossa solidariedade, fé e alegria. Essas são as características do nosso país. Continuaremos a fazer mais ONGS, passeatas e comitês para exigir do governo o que temos de direito e dar oportunidade a quem achava que já não tinha mais nenhuma.

“Brasil, mostra tua cara”. E tua garra também. Esse sim é o verdadeiro calor humano brasileiro. Cheio de ginga e de esperança. Porque somos brasileiros e não desistimos nunca. Somos brasileiros e não deixaremos de sorrir nunca.