Mr. Jens, meu amigo, meu herói


Meu avô. Mr. Jens como o chamavam (alguns de vocês já devem ter lido coisas minhas sobre ele, perdoem-me se me repito) era uma pessoa especial, dessas que não quer só passar pelo mundo, mas quer viver intensamente, experimentar, ousar, acontecer.

Como empreendedor — e esse será o único link desse texto com o tema, fiquei na verdade com vontade de escrever sobre Mr. Jens — é fundamental que tenhamos algum modelo, alguém que nos guie mentalmente, alguém para se espelhar… e meu avô é esse modelo para mim.

Mr. Jens era um grande aventureiro, aquele tipo de pessoa que se entrega na vida, mergulha de cabeça no que faz e vive intensamente. Uma pessoa que gosta de gente, tem curiosidade pelas pessoas, pelo ser humano e que fez da sua vida uma história verdadeira e única.

Mr Jens visitando Galápagos 1921

Mr. Jens me mostrou que o que se leva dessa vida é a vida que se leva.

Sem exageros na loucura, mas sem exageros na normalidade também.

Ser normal, igual, é muito chato. Mr. Jens me mostrou que os sonhos que se sonha acontecem mesmo se não tivermos dinheiro, poder, riqueza.

Me mostrou que muitas vezes não ganharemos todo o dinheiro que queríamos e que isso é OK e que não impedirá você de ser feliz. Ser feliz é mais importante do que ser rico.

Mr. Jens me mostrou que a convivência com pessoas especiais pode ser muito mais gratificante do que dinheiro no banco ou carrão na garagem.

Mr. Jens me mostrou como coisas simples na vida, como tomar um copinho de cerveja todo dia às 11h da manhã, só para saborear, sorvendo lentamente cada gole, pode ser tão mais saboroso do que um porre.

Mostrou também que quando se precisa de um belo porre, deve-se tomá-lo dignamente. Mr. Jens me mostrou que existe um mundo lá fora, muito além do nosso bairro, do nosso trabalho, do boteco da esquina ou da balada de quinta, esperando para ser descoberto, desvendado e experimentado.

Mostrou também que um bom vizinho pode ser ótimo. Mr. Jens me mostrou que a gente vê o mundo conforme os nossos olhos e que se mudarmos nosso olhar o mundo também muda.

Mr. Jens me mostrou que viver vale a pena, mesmo quando parece que não.

Mr. Jens me mostrou que laços de família são coisas formais, às vezes bons, às vezes ruins.

Mr. Jens me mostrou que não existe sonho impossível, projeto impossível.

Mostrou também que muita coisa não vai dar certo na nossa vida mas que, afinal, isso é normal, tantas outras darão.

Mr. Jens me mostrou que é preciso viver o instante presente e que viver sempre no futuro, no projeto, no condicional, é péssimo. O tempo passa rápido e o tal futuro não chega nunca.

Mr. Jens me mostrou que o mundo é lindo e que quando parece o contrário é porque não estamos vendo direito.

Mostrou também que existe gente do mal e que para essas nada resta. Ignore-as.

Mr. Jens me mostrou o lado da vida de aventura e que viver é em si uma grande aventura.

Mostrou que a felicidade está dentro da gente, não nas coisas ou nas outras pessoas. Mostrou que nossa busca deve ser por realização pessoal, íntima e não pelas coisas que o mundo nos dita, nos impõe. Me fez ver que devemos seguir nossa intuição e não a manada que segue numa direção sem saber porque.

Mr. Jens me ensinou a ser simples, a ver o simples, a dar valor pro simples.

Mr. Jens me mostrou que o sofisticado, elaborado, é delicioso, saboroso, mas que se não pudermos obtê-lo, tudo bem, podemos ser felizes assim mesmo.

E me mostrou que viver intensamente é a única chance de não nos arrependermos quando chegarmos aos 80, 90, e que não existe nada mais triste do que alguém que passou por essa vida e não viveu, como dizia o poeta.

Obrigado Mr. Jens por ter me ajudado a ver o mundo desse jeito especial e otimista.


Pintura feita pelo meu avô usando uma foto de nosso chalet em Itapeva como referência onde aparecem justamente ele e minha avó, Dona Irma.

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Bob Wollheim’s story.