Beba.

Queria ter me preparado para as festas na adolescência do mesmo jeito que me preparo para as festas em família. Sem demora para escolher o que usar, como ir, quanto beber. Sem muita expectativa. Na minha adolescência uma festa muito boa era classificada pelos casais que se formavam, pela quantidade de bêbados vomitando e pelo número de músicas de funk que tocavam. Tudo que, hoje em dia, eu acho uma besteira e troco por uma festa de família, onde eu não preciso agradar ninguém, posso comer bastante ao invés de ficar bêbado para ser legal. Mas posso ficar bêbado se eu quiser.