Auto-trolling como forma de blindagem

Seja em filtros de Instagram ou em status editados nas redes sociais, vivemos em um mundo onde a imagem pessoal é lapidada com tamanho esmero que pouco sobra de sua essência verdadeira. O estímulo à autopromoção é cada vez mais explícito, ao mesmo tempo que a busca pela perfeição se torna entediante e pouco autêntica.

Quando todos estão habituados a apresentar a melhor versão de si e tentar agradar ao maior número de amigos ou seguidores, reconhecer a imperfeição passa a ser valorizado como prova de autenticidade e autoconfiança.

Jennifer Lawrence, uma das estrelas mais carismáticas de Hollywood.

Saber rir de si mesmo é saber que ninguém está acima do ridículo. Nessa lógica, a “auto-trollagem” é uma forma libertadora de desmistificar o jogo de imagens imaculadas que circulam nas timelines da vida.

O monólogo de Marilia Gabriela no esquete do Porta dos Fundos: alguns anos antes, a entrevistadora já havia mostrado saber rir de si mesma no programa “Pânico na TV”.
Selfies imperfeitas: Lorde, no auge de seus 17 anos, publica fotos suas com espinhas. A aparência natural, geralmente apontada pela mídia como defeito, para a cantora é motivo de orgulho. Ela ataca antes de ser atacada.

Auto-trolling for business

Para marcas e corporações, o “Smart Trolling” permite uma postura mais libertária e interessante do que o empoeirado “Olimpo das Marcas Aspiracionais”. A Pepsi foi pioneira nesse pensamento, quando lançou sua “campanha Pode ser?”, em 2010.

Ninguém tem certeza absoluta se os perfis sociais da Dolly são oficiais ou não.

O browser Internet Explorer fez 50 milhões de pessoas se arrepiarem com seu discurso nostálgico dos anos 1990. Quem vai conseguir reclamar do pior navegador do mundo depois de assistir a esse vídeo?

O serviço de streaming de música Spotify incorporou a atitude nonsense e a devoção dos jovens à música como tema da comunicação. Os filmes são sempre em primeira pessoa, e o tom de self-joke serve como um retrato de todos nós.

No Brasil, o estilista “Fernando Cozendey” tem caído no gosto de mulheres como Fernanda Lima, Gaby Amarantos, Céu e Vanessa da Mata. O que chama a atenção no seu trabalho, além da destreza de lidar com um tecido tão complicado como a lycra, são as criações permeadas por um humor escrachado.

Rir de si mesmo é assumir que, em algum momento, você também é motivo de piada para alguém. É rir da própria foto antes de apontar o dedo para o perfil ao lado. É sair do pedestal, descer do salto, revelar fraquezas e, assim, conquistar empatia.

por Eduardo Biz
pontoeletronico.me
One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.