Recomeçando a vida do zero nos EUA aos 30 e tantos anos …

Se você queria ter a experiência de morar nos EUA mas:

  • não casou com americano,
  • não foi expatriado,
  • construiu um carreira profissional no Brasil mas está cansado da violência urbana,
  • está se mudando com sua família para os EUA,
  • ou tem curiosidade sobre a vida americana,

Você pode se interessar pelo Brasileirando.eua!!

Aqui vamos falar sobre nossas experiências, curiosidades, dificuldades e desafios que passamos na Califórnia.

Nesse primeiro post vou compartilhar fatos que contribuíram para nossa decisão de arriscar uma nova vida no exterior, deixando para traz uma carreira de sucesso construída com muito sacrifício no Brasil.

O primeiro fator que cito foi termos nos mudado de Fortaleza para o Rio de Janeiro com um bebê de 4 meses. Saímos da nossa zona de conforto, pois estávamos longe da nossa rede de contatos e também do suporte da família. No Rio éramos só o casal e tínhamos que contar um com o outro para tudo.

Buscamos fortalecimento um no outro diante de fatos inesperados. Depois de 2 anos morando no Rio, por coincidência, houve mudanças tanto no meu trabalho como do dele. Uma reestruturação na minha empresa me fez ir trabalhar na sede da corporação, quase 2 horas distante da minha casa. O meu marido, por sua vez, passou por um processo de aquisição da empresa que ele estava e o transferiram para São Paulo. Ficamos nessa distância por algum tempo, mas depois revimos nossos planos e nos mudamos para São Paulo.

Consegui me recolocar no mercado paulista e em pouco tempo estávamos novamente resolvidos profissionalmente. Éramos bem remunerados e nossa renda familiar era acima da média brasileira. Mas o custo disso tudo estava ficando muito alto e cada vez mais nos sentíamos cansados física e mentalmente por causa do estresse do trabalho, do trânsito e do medo da violência urbana.

Acho que quando temos filhos, nossas prioridades mudam bastante. No fundo o que queríamos ter mais tempo juntos, pegá-lo na escola, conversar com a professora na final do dia, passear pelos parques… Infelizmente não estávamos conseguindo fazer isso em SP do jeito que queríamos.

E por que não morar nos EUA? Afinal, já fizemos intercâmbio de estudos lá, viajamos diversas vezes para diferentes cidades americanas e conhecíamos a cultura deles.

Meu marido se inscreve e é aceito no mestrado em Direito (LLM) na Universidade da California. Providenciamos toda documentação, nos desfizemos de algumas coisas, saímos do trabalho e juntamos as economias que tínhamos para nos sustentarmos nos EUA.

Fomos morar em Davis, pequena cidade universitária no norte da Califórnia. Alugamos um pequeno apartamento no próprio campus, não tínhamos carro e usamos bicicleta para nos deslocar para todo lugar. Aprendi a cozinhar e passei a cuidar da casa e do meu filho. Fui trabalhar como voluntária na escola dele para poder ajudá-lo na adaptação com a cultura e língua.

Costumo dizer que nunca fomos tão lisos e tão felizes ao mesmo tempo!!! Nossa adaptação foi mais fácil do que esperamos, pois sabíamos dos sacrifícios que teríamos que fazer para realizar nossos objetivos.

Meu marido concluiu o mestrado e conseguiu emprego como advogado numa empresa americana que tem negócios na América Latina. Tivemos que nos mudar mais uma vez e agora moramos em Los Angeles. Meu filho está bem adaptado e aos 6 anos é bilíngue (fluente em português e inglês). Eles estuda numa excelente escola pública e está no Kindergarten (alfabetização).

Sua opinião é benvinda!

Deixe aqui seu comentário.

brasileirando.eua@gmail.com

Siga-nos no Instagram: www.instagram.com/brasileirando.eua

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.