Grises

O sol já se deitava à oeste e o firmamento estralava fogo contra-pondo o preto e azul que as estrelas traziam. E nós sentamos nesse boteco que eu sempre passo em frente e nunca tive coragem de parar. Faltava alguém. E aquela luz ficava maravilhosa batendo em você assim.

Você demorou aceitar porque eu demorava a marcar e isso ficou parecendo falta de interesse. Eu sei. Mas não era. Desculpa. Era só eu. 
Era eu inventando uma desculpa pra não ser feliz depois de ter passado anos atando nós em meus pés e me açoitando com salvas de amores que não eram pra mim. Era só eu preso nos aplausos que eu dava à minha finitude e a prisão que eu criei pra me proteger. Era o meu coração onde tudo já tinha se transformado em fumaça. Pelo menos agora eu consigo ver as cinzas.

Eu cheguei e você já estava lá sentada. Shorts jeans, olhando o tempo e o movimento à sua volta. O tempo também observava a sua beleza e tenho certeza que ele sorria pensando como podia melhorar ainda mais algo que beirava um astro com luz própria.

“Oi tudo bem? Quanto tempo!” — Eu disse. 
Nem tem tanto tempo assim. A gente se viu semana passada. Só que foi rápido né?”

A conversa vai fácil e eu esqueço todas as regras que eu já aprendi sobre algum primeiro encontro. Isso parecia não importar. Eu ria quando você tentava cruzar as penas e, quando o joelho passava em cima do outro, você cutucava a mesa por baixo e a cerveja caía na sua camiseta branca. Você também ria e me chamava de idiota. Isso pode ser só agressivo, mas saindo da sua boca também era passivo.

Os cascos da cerveja e os pedaços de cigarro ficavam no chão. Meu olho se apequenou e eu comecei a te olhar alguns degraus acima do meu alterego. Eu te via como um remanso que chegava a doer o olho. Parada mas sem jaulas, sem prisões. A nossa conversa foi rasa como precisava ser. Eu te via como uma guerreira sem você ter que levantar a espada. Eu te via como mulher sem ter que deixar de ver a garota. Você pegava o copo e mal dava pra ver que você tomava outro gole (e você bebia mais que eu, que fique bem claro).

Nossos lábios se encontraram, mas parece que nós já nos beijávamos a muito tempo. Parece que era só uma consequência do coração que já estava na mesa a muito tempo. Pouco a pouco, as cinzas do meu peito foram sendo sopradas e eu conseguia ver o chão. Se aquilo era pra sempre ou se era só por uma noite, não importava. Te via I N F I N I T A.

Você pede a conta e me chama pra ir pra sua casa. A gente não rejeita as cosias quando a vida está na fase tutorial.

Pra você pode ter sido só um dia
Pra mim, foi uma vida.

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Brenner Monteiro’s story.