DA RURAL PARA VIDA


Arraiá do Amor

Em meados dos anos 1980, Elizabete Cristina Ribeiro era aluna de Biologia da Universidade Rural e Ernani Jardim, de Agronomia. Por morarem nos alojamentos da Universidade, os olhares de ambos já haviam se cruzado. No dia 20 de junho de 1986, durante a famosa festa junina da Praça da Alegria foi o palco para a união do dois como casal.

Elizabete Cristina e Ernani Jardim

No espaço entre o bandejão e a sala de estudos o casal começou a namorar. “Muita coisa aconteceu desde aquele dia. Passamos muitas alegrias e dificuldades, moramos e trabalhamos em muitos lugares, sempre juntos. O mundo dá voltas! Há alguns anos meu marido passou num concurso da Embrapa e estamos morando no bairro Ecologia. Eu também dei aula na Rural de 2015 -2016, como professora substituta”, comenta Elizabete.
Em 2016, o casal completou 30 anos juntos e, para comemorar, decidiram oficializar a relação no cartório. Ainda teve a festa de casamento, organizada pela filha do casal. A celebração aconteceu no berço deste amor, a Rural. Eles optaram por fazer, na Universidade, uma festa junina de casamento e convocaram os amigos, que apoiaram a ideia. Como os cônjuges não tem religião oficial, a reitora em exercício na época, Ana Dantas, foi convidada celebrar a cerimônia.

“Foi maravilhoso! Conseguimos reunir pessoas daquela época, alguns vemos com alguma frequencia, outras nem tanto e ainda aquelas que não víamos há quase 30 anos! As meninas que moravam comigo no alojamento e seus respectivos maridos e que eram namorados na época também compareceram”, relembra Elizabete.

Até a Eternidade

18 anos, Helma Ventura e Olavo Gomes se conheceram na Rural, se apaixonaram, casaram e continuam juntos até hoje. Ela passou para UFRRJ em 1999 e ingressou no curso de Biologia. No semestre seguinte, sua amiga de infância Aline iniciou a graduação em Ciências Agrícolas. As amigas marcaram de almoçar juntas na universidade, mas Helma nem imagina o que estava por vir.

Helma Ventura e Olavo Gomes

A amiga não estava sozinha e sim acompanhada por um colega de classe chamado Olavo. Foi assim que eles se conheceram, em pleno bandeijão. Os dois se tornaram próximos e conversavam sempre. 
Até que em 15 de outubro, dia dos professores — data em que as aulas são suspensas — Helma e Olavo combinaram de ir ao cinema juntos e o primeiro beijo aconteceu. Dado o pontapé inicial, os dois não se desgrudaram mais. Passaram a morar juntos e a dividir as responsabilidades da vida a dois.

“Eu fiz mestrado e doutorado. O Olavo sempre me incentivou e me apoiou, me acompanhava em alguns congressos, inclusive internacionais. E isso foi muito bom para que ele conhecesse meus amigos de trabalho, que se tornaram amigos dele também”, conta Helma.

Em 2010, ela passou num concurso público e foi convocada para atuar em Brasília. Olavo não pestanejou em acompanhar a amada nesse desafio. Já na capital brasileira, os dois resolveram oficializar a relação e se casaram. Hoje, continuam juntos e na mesma sintonia de anos atrás.


Muito mais que uma noite

A Rural possui fama pelas suas festas e choppadas. Mas em meio a diversão, bebidas e danças, o amor também pode se manifestar. É o caso de Luiz Fellipe Ferrão e Amanda Martins, ex alunos de Economia, casados há dois anos. Eles se conheceram no segundo semestre de 2008 na integração do curso. Porém, por mais que tivessem muitos amigos em comum, não eram próximos.

Luiz Fellipe Ferrão e Amanda Martins

Até que, um ano e meio depois, os dois foram a uma festa em que os homens vão vestidos de mulher e vice-versa. Luiz acabou indo na república que Amanda morava para buscar roupas de algumas amigas. Foi então que os dois começaram a conversar. Durante a festa, não houve saída e o primeiro beijo aconteceu. Mas eles achavam que seria só por uma noite. Estavam enganados. A sintonia foi crescendo, eles resolveram namorar e depois a morar juntos. Amanda se mudou para a república do namorado e os dois já começaram a planejar como seria dali para frente. 
Seis anos depois de se conhecerem na Rural, os dois se casaram, e hoje, vivem felizes na companhia do Scooby, cachorro adotado do casal. 
Na primeira vez que Amanda foi conhecer a família do amado, o avô de Luiz apontou para uma casa e disse que o casal moraria ali. Na época, eles acharam bobeira, mas o destino mostrou que o avô estava certo. Quer saber mais sobre essa história? O casal nos contou pelo áudio abaixo:


Quando o amor dá frutos

Lis Sperandio se formou em Engenharia Florestal e Raoni Cardoso em Geologia. Os amigos em comum e as afinidades existentes entre os cursos tornaram da Rural o ambiente fértil para o amor florescer.

“Por morar com o pessoal de geologia e pelas festas dos dois cursos serem bem parecidas e termos amigos em comum, nos tornamos amigos em 2010”, conta Lis.

Em 2011, os até então amigos começaram a namorar. Outra barreira, então, parecia atrapalhar o casal: a distância. Lis é natural de Minas Gerais e Raoni, de Niterói. Ele se formou em 2012, mas o casal optou por continuar a namorar. E o relacionamento prosperou. No fim da graduação, Lis engravidou e o casal oficializou a união em 2013. Devido ao matrimônio, Lis se mudou para Niterói, onde vive ao lado do esposo até hoje.
A filha deles tem, atualmente, quatro anos e é a extensão do amor do casal. Eles mantem uma tradição de visitar a UFRRJ, ao menos, uma vez a cada período. O casal tem o apoio dos amigos, um reflexo do amor do casamento.

“As pessoas reagiram muito bem, temos muito a ver pelo estilo de vida e dos amigos. A geologia sempre se deu muito bem com a engenharia florestal e continua até hoje”, conclui.
Like what you read? Give Brenno Farias Carvalho a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.