TODA FORMA DE AMOR


“Consideramos justa toda forma de amor”.

A UFRRJ sempre foi um ambiente compatível com os versos da canção de Lulu Santos pela sua pluralidade e empatia. A universidade abraça qualquer tipo de relacionamento e orientação sexual e permite que as pessoas sejam livres, encontrem seus desejos e se expressem da maneira que julgam corretas. 
O convívio entre as partes só é pacífico porque é baseado no respeito pela escolha do outro. Por isso, gays, lésbicas, héteros, transexuais e assexuados compartilham do mesmo ambiente e podem se manifestar como quiserem. 
A sociedade em geral ainda não possui esse senso empático. No entanto, muitos casais homossexuais que se formaram na Rural, encontraram um refúgio na universidade para serem quem realmente são, sem tabus, preconceito ou falta de aceitação.

Ramon Bastos e Rennan Alves

Ramon Bastos e Rennan Alves são um exemplo desse tipo de amor ruralino. Os dois se conheceram no primeiro semestre de 2015, quando iniciaram a graduação em Letras. Como na turma haviam poucos meninos, eles começaram a conversar e perceberam que tinham gostos em comum. Logo, se tornaram amigos, mas queriam algo a mais.

“Quando chegou maio, percebi que estava afim do Rennan. Ele já tinha falado que já estava afim de mim, pouco depois da gente se conhecer. Mas, na época, eu não gostava dele. Depois de um tempo, percebi que também queria. Então, decidimos ficar, sem nada sério. Só que isso não aconteceu. No dia 2 de julho de 2015, ele me pediu em namoro e eu aceitei. Estamos juntos até hoje”, contou Ramon.

O casal cursa o mesmo período e faz muitas disciplinas juntos. Ramon conta que a convivência diária traz benefícios e também desafios. Ouça o relato do aluno a seguir:

Like what you read? Give Brenno Farias Carvalho a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.