Isaquias é o cara do Rio 2016

Baiano Isaquias Queiroz entra para história ao levar três medalhas na mesmo edição de Jogos Olímpicos

Foto: Roberto Castro/ME

Isaquias Queiroz é um monstro. Conquistar três medalhas olímpicas não é para qualquer um. O baiano de Ubaitaba volta para casa como o principal atleta brasileiro nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro e o único na história com três pódios.

O primeiro pódio foi na terça-feira (16.08). Ele levou a prata na canoagem velocidade C1 1.000 metros. Depois, subiu ao pódio novamente para colocar no peito a medalha de bronze na C1 200 metros. A última medalha foi neste sábado (20), ao lado de Erlon Souza na prova C2 1.000 m.

Isaquias batalha no esporte faz tempo. Em 2010, ele foi o representante brasileiro nos Jogos Olímpicos da Juventude. Na época, ele já era destaque nas competições júnior.

Os resultados internacionais começaram aparecer quando ele passou a treinar com o técnico Jesús Morlan. Ele treina a seleção brasileira desde abril de 2013. Três anos depois, vamos o retorno do investimento.

– Em 2012 eu tinha sumido do mapa da canoagem. Nem sei se estava pensando mais na Olimpíada de 2016, mas, em 2013, o COB fez uma contratação muito importante. Vocês podem ver que depois da contratação do Jesús Morlan, os resultados do Brasil na canoagem melhoraram muito. Na primeira temporada, nós fomos para o Mundial e finalmente conseguimos medalhas de ouro, prata e bronze. Podem falar que eu tenho talento, isso e aquilo, mas sem um bom cara para lapidar o diamante você não chega ao ponto certo para ser reconhecido. Sem ele, eu não teria ganhado essa medalha. O cara tem cabeça, sabe o que faz. Muita gente disse que não estava certo eu remar essa prova no Mundial do ano passado, ficaram em dúvida. Ele sabe, tem cabeça, e agora já tem seis medalhas em Olimpíadas. Ele não é qualquer treinador, ele sabe treinar e cuidar do atleta. É um amigo e é como um pai pra mim — contou Isaquias depois da prova do C1 1.000m.