YOu  shall not pass

Locking myself out of Facebook

Tonight, I locked myself out of my own Facebook account. Here’s how it went:

  • Yesterday before I went to bed, pretty much out of curiosity, I turned on 2-factor authentication in my Facebook settings. My theory was that by causing me to find my phone and enter a code, I’d think really hard about how important visting Facebook at that moment really was to me.
  • This morning, I logged in to Facebook, using the code sent to me on my phone. Then I logged out. The same this afternoon, and later this evening. It was rather refreshing to not have the constant temptation to pull up Facebook — knowing that I’d have to fondle with the hassle of entering the SMS code every time I tried to log-in seemed to be working.
  • Then, this evening, I tried logging in again. I never got the code. I tried again, no dice. After poking around a little bit, I determined that Facebook had sent too many text messages and locked my account for security purposes.

I sat in shock for a moment. I tried again a few minutes later. Then a few hours later. Nope.

I hadn’t figured this would happen —when you log in from a new device, you’re given an option to add that browser to your “Trusted Browser” list so you don’t have to go through the hassle of entering a code again. Because my purposes were not security, I checked the “No” checkbox every time. And I’m really glad I did.


On one hand, I really value the connections Facebook has brought me. I’m now real friends with real people I met through Facebook. But on the other I’ve realized that in order to keep building I need to stay focused — and not on my virtual facsimiles of friends. Facebook was designed for addiction — after all, they don’t make money if people don’t use it, so it’s been a long struggle to figure out the best way to curb usage: I can’t disable my account — it’s used in a lot of places to log-in to stuff, I’m a member of some Facebook Groups that I really value, and I manage Facebook Pages and sometimes build Facebook Apps. So I’m stuck. Well, was stuck. Until I locked myself out of my own Facebook account. Now I’m stuck wondering when I’ll be able to log-in to Facebook again (I assume sometime tomorrow, but I’m not sure I really care.)


Moving forward, I think it’s important that we build more social tools that integrate with our lifestyles and not against them or “in addition to” them. I don’t want another social network. But I want the data and information and interaction I get from sites like Facebook and Twitter, without the constant barrage of interruptions.

Of course, as a millennial, I’ve never really lived in a world without [Twitter, Facebook, YouTube, etc]. And sometimes I really wish I could get away from it all. But I’ve built so much of life around “things that happen online” that I’m not sure I could handle it. These social networks are wonderful — I’m not sure I would enjoy living in a world without them as much as I enjoy living in a world with them — but they should augment our real-world lives, not attempt to intrude on or replace them. And, maybe, just maybe, telling us to take a break and join the real world once and a while could be a feature, not a bug.

Next Story — Technology as Theory
Currently Reading - Technology as Theory

Technology as Theory

Or, why Science Isn’t As Fucking Awesome as we think it is

The most important paper I’ve read in my undergraduate career was Donna Haraway’s “Situated Knowledges: The Science Question in Feminism and the Privilege of Partial Perspective.” This paper has become an important part of my intellectual work for a number of reasons: it provides a clean solution to “what we might mean by the curious and inescapable term ‘objectivity,’” while at the same time acknowledging and combatting the dangerous and combative rhetoric so often found between science-lovers and science-haters. It’s style is easy and fun, in contrast to the boring stuff I’m used to encountering. More symbolically, however, it hit me at a time when I was just coming to terms with the fact that there might be more than one kind or source of objective truth — something I hadn’t allowed myself to fully comprehend prior to encountering that piece and the related pieces I would soon encounter.

I was thinking about this paper again when I ran across a tweet from venture capitalist/M’tech bro hero Paul Graham:

It’s very tempting to want to get out of this argument by clinging to pragmatism. This is a view I’m sympathetic to, and, even after many years of investigation, still sometimes cling to. The world just is, isn’t it? Spending years working together a project of ontology — explaining how something (usually the world) comes into being — is a boring and petty waste of time when I’m pretty certainly that at the very least cogito ergo sum; I think, therefore I am. And, to be fair, many of the claims philosophy were constructed by bored white guys so concerned that they be right that they cling to esoteric, bloated, and abstract language in a way that is interesting to philosophers but is far too obtuse for anyone else. So it’s easy to reject it out-of-hand as too esoteric or too unpragmatic. This is a simple-minded move, however, because playing the pragmatic card immediately forces us to consider the world as not near as complex, interesting, or full of deviant possibilities as it could possibly be.

That’s dangerous to us as technologists — we are constantly in a battle to attempt to reimagine the world and to solve all of its complex problems in interesting, beautiful, and wonderful ways. Rejecting this kind of philosophical work as unpragmatic — though it may be entirely too dense and esoteric — is immediately contrary to our mission: making the world a smarter, better, place. To do that kind of work we must begin to acknowledge and appreciate the complexities of the world: if we reduce our worldview to a single, static, lens, we miss out on the wonderful opportunities afforded by accepting the views of many communities of knowledge.

More generally, this kind of thinking goes against and misrepresents our job as technologists — or, as some would call us, applied scientists. There’s a lot a debate over what a technologist even is — but if we are to hold to the “applied science” definition, it becomes incredibly crucial that we fully understand and appreciate science itself. To be fair to science, within science itself, there’s never been a claim to absolution. Scientists work on proving or disproving theory in a repeatable and objective way. The idea is that if you repeat your experiments enough and if you come to the same conclusion every time, maybe then you’ve got your hands on some truth. The problem with this — and where we must turn to philosophy — is that science itself can’t claim that simply because you’ve done something a lot of times in a lot of places doesn’t mean you’ve got yourself a truth. There’s no link that innately makes science the One True Absolute Way of Knowing.

Science itself, of course, is very new. Some critics — specifically, feminist and Marxist critics — want to say that science is actually a direct result of a turn to patriarchal capitalism that has violently and through force destroyed others ways of knowing. You see, in order to science, you must assume that the world is simply all there is, that it is objective, that it can be manipulated by mankind in fruitful ways, and that it is atomic and predictable. These are cozy assumptions that make our work as technologists a ton easier. A lot of post-Marxist thought is dedicated to disputing these claims by investigating the ways in which capitalism forces us to reduce the world to atomic, repeatable, knowable bits, stripping it of complexity. Though I sympathize, I have to admit I find these claims a bit far-fetched. That being said, however, they do point to something important: science itself is constructed, and it is merely a method that attempts to point at that objective truth. Whether it gets there or not is not science’s concern.

Thus we must treat every piece of technology we create as a theory — as but one way of understanding and interacting with the world. It is not the only way. Saying anything is the best anything requires we rely on quite rocky and disputable definition of what we can consider best. We must reposition our work as technologists as only the work of theorists at play. The good news is that — far from esoteric — this becomes a rather productive approach to truth, too. It allows us to envision the ways in which we might understand or interact with the world in ways that allow us to explore and build our world in different and intriguing ways. These possibilities are not merely tangential or accidental. Simply by changing our social location or embracing a new community of knowledge we can begin to learn how to create interesting technologies in different ways that serve different purposes. I think those possibilities are incredibly awesome, and not something we think about often enough in our consumer tech-obsessed tech bubble.

But this process begins by us rejecting the notion that truth is absolute, that is is objective, and that our approach to truth is the only approach to truth. There are many ways we as technologists can embark on a project like this: reading books, going back to school, learning languages, or moving to a foreign country (if you want to join me in Mexico City, holler at me here. )

Ironically, of course, this all means that Paul Graham may have been accidentally right, after all. We cannot accept the orthodoxy given to us as technologists. We whisper to ourselves that we must learn to think different in order to do our work, yet cling to traditional ideas of truth and objectivity. Isn’t it time we started learning what “think different” really means?

Next Story — Lessig, Lost
Currently Reading - Lessig, Lost

Lessig, Lost

The U.S. Democratic party is currently acting pretty undemocratically.

On September 26, 2014, thousands of Hong Kongers began took to the streets of Central in the now-infamous “Umbrella Movement.” This moment was important because Hong Kongers — a unique culture the product of the British politeness and an Asian work ethic and sense of complacency (“the nail that sticks out must get hammered down”) do not rebel. They do not yell. They do not protest.

https://commons.wikimedia.org/wiki/File:Hong_Kong_Umbrella_Revolution_-umbrellarevolution_-UmbrellaMovement_(15292823874).jpg

Yet, for 80 days or so, they did. They took to the streets. They sat in. They disobeyed. Hong Kongers, for the first time in a very long time, were angry. The culprit? The Chinese National People’s Congress.

Instead of returning the promise of a free election that was made during the handoff in 1997 (and codified in Basic Law, the fundamental legal document of post-British Hong Kong) the Chinese government told Hong Kong that they could have a “free election” — but only if Beijing could select the candidates. The problem is obvious: if the Chinese government can select the candidates, they can select candidates that are friendly to Beijing causes — thus, effectively, nullifying the entire purpose of a free election “in accordance with democratic procedures.”

That corruption is not unique to China. The very same problem is happening right now. In America. And — for once — it’s actually not the Republican Party’s fault.


The chair of the Democratic Nation Committee is Representative Debbie Wasserman Schultz from Florida. Wasserman Schultz is ultimately responsible for, among many other things, welcoming candidates into the race, deciding how many debates to hold and the rules that decide who gets to participate in those debates. Her last role? Co-chair of Hilary Clinton’s last campaign for presidency.

The conflict of interest is obvious and yet is currently almost completely ignored. Lest one think that her loyalties do not affect her role, there is one serious candidate — who, while polls indicate is serious and is polling at the requisite levels — is being denied access to the debates that are at the core of our presidential nomination process.

His name is Lawrence Lessig. And though the DNC refuses to admit it, he is running for president as a Democrat.

In polls where his name is included he is polling high enough. That much is clear. But, according to DNC rules, those polls don’t count. Only certain polls count — and Lessig isn’t polling high enough on those polls — not because he is polling too low, but because his name is not even an option.

Why? We actually don’t know, but we suspect it is because Lessig has yet to be welcomed to the presidential race by his own party — the move that would force the official polls to change.

One might not believe in Lessig, but he is a candidate, and certainly not the craziest one running in this race. Whether you believe he stands a solid chance of becoming president or not, he absolutely does stand a solid chance of redirecting the debate to what is perhaps the most fundamental issue facing our nation today — campaign finance reform.

Lessig has the opportunity to call bullshit across both sides of the aisle — after all, nothing can be done in American politics without first fixing campaign finance — most Americans actually believe this, and yet most are resigned to the fact that it won’t happen. Lessig thinks he can change that.

But shifting that conversation would be bad for the Democratic Party. It would be bad for Clinton and Sanders. So the DNC — led by a Clinton advisor, aide, and personal friend is ignoring Lessig as much as they can. Just like the CCP, she’s already created the list of names from which we must choose — and she thinks she can call that democracy.

You may support Sanders. You may support Clinton. You may even be like me, and kind of think that Paul might be kind of OK and a nice change.

But we cannot resign ourselves to allowing the DNC to pick the winners before the race has been run. That kind of corruption is the kind of corruption that gets us angry when we see it happening to others — that is the kind of corruption we have started expensive and unnecessary wars over. That is the kind of corruption that forced us to dump tea into the Atlantic Ocean. That is the kind of corruption that forced millions of people on to streets around the world on many occasions.

For once, however, we do not have the high ground. For once, we are just as corrupt as the rest. Sadly, the Hong Konger’s lost their battle. Fortunately for us, we still have a chance — but only if we #LetLessigDebate.

Next Story — Bel Pesce e o empreendedorismo de palco: porque a Menina do Vale não vale tanto assim
Currently Reading - Bel Pesce e o empreendedorismo de palco: porque a Menina do Vale não vale tanto assim

Bel Pesce e o empreendedorismo de palco: porque a Menina do Vale não vale tanto assim

Quando fiz meu vídeo sobre o hilariante fiasco da campanha de crowdfunding da “hamburgueria” Zebeleo (sim, ainda tenho um implicância quase irracional com esse termo desnecessariamente gourmetizado), fui duramente criticado por reduzir a tal Bel Pesce a “um desses playboys aí” com o que muitos julgaram ser um ar de desmerecimento.

O vídeo da presepada dos três foi tirado ao ar, mas a internet jamais nos priva dessas coisas. Aqui está o reupload:

Eu jamais tinha ouvido falar na moça, pra surpresa de muitos, e minha suposição é que ela era apenas mais um rosto entre essa turminha de hipstersmillenials descoladinhos e cosmopolitas que orbitam o mundo marketeiro brasileiro enquanto repetem jargões da propaganda. Você sabe, aquela galera que está sempre inovando o mindset 2.0 do paradigma com sinergias do brand pra agregar ao engajamento do upcycling de um job e coisa assim.

Ledo engano. Fui informado que, em vez disso, a garota é uma wunderkind brasileira sem paralelos. Formada pelo célebre MIT, a menina passou por pelas mais consagradas instituições do mundo da tecnologia — Microsoft e Google –, e até meteu o dedo no sistema bancário. Não parando por aí, ela também fundou várias empresas (uma delas que, seguindo a cartilha de sucesso no Vale do Silício, foi posteriormente vendida por milhões).

E após todo esse sucesso que não deixa a desejar perante as biografias dos grandes luminários da tecnologia como Bill Gates, Steve Jobs ou Elon Musk, Bel Pesce voltou ao Brasil pra injetar uma necessária dose de empreendedorismo na nossa combalida economia.

Em outras palavras: eu sou um perdedor imbecil invejoso e a garota é um prodígio promissor que trouxe reconhecimento e o espírito empreendedor ao Brasil.

Da mesma forma que minha falta de respeito com os respeitáveis louros da garota provocou incômodo em muitos, houve um outro tipo de chateação no vetor oposto — alguns inscritos se revoltaram com a oportunidade que eu perdi de expor a moça que, de acordo com eles, é uma charlatã do emergente (e lucrativo) mundo do chamado “empreendedorismo de palco”. A mulher é uma fraude, insistiam alguns, e quando ouviram seu nome saindo de minha boca, eles esperavam que o foco do meu vídeo seria desmantelar a fachada de sucesso que a garota montou à base de palestras de auto-ajuda vazia salpicada com clichês requentados do tipo “acredite no seu sonho” e “cada derrota é uma lição aprendida”.

Esses detratores fizeram a moça soar como um Robert Kiyosaki de saias, isso é: um suposto empreendedor que é referenciado e reverenciado exclusivamente por gente iludida com promessas de riqueza e glória através de esquemas furados. Da mesma forma como o Kiyosaki é um profeta da galera das pirâmides financeiras, a Pesce seria da turminha com gana de “empreender”.

Incerto de qual dessas versões de Bel Pesce seria mais fiel à realidade (e já antecipando que a verdade estaria mais ou menos na intersecção das duas, o que é geralmente o caso), fiz o que fui ensinado a fazer dois mil anos atrás nas minhas aulas de Metodologia Científica na UFMA — observei sistematicamente, verifiquei a veracidade dos fatos propostos, e elaborei uma hipótese passiva da revisão por pares.

E a hipótese em que cheguei, lastreada nos fatos que discutirei nesse texto, é a terceira etapa do processo. Sejam meus pares e digam-me aí vocês o que pensam.

Então. Pra entender melhor a biografia da moça, fiz o mesmo que faço quando a solução de um puzzle num videogame me escapa: recorri ao Google.

Fui levado ao seu site em inglês, onde é declarado que:

She studied at the Massachusetts Institute of Technology (MIT), where she got Majors in Electrical Engineering & Computer Science and Management Science, and got Minors in Economics and Mathematics.

Eu franzi a testa. É uma forma particularmente curiosa falar qual a sua formação acadêmica dizendo que tem “majors em X” e “minors em Y”, e pra entender porque, preciso explicar como funciona a educação superior gringa.

Nos EUA/Canadá, o processo de formação acadêmica permite que as disciplinas eletivas (ou seja, aquelas que não são diretamente fundamentais para o seu diploma) se agreguem de forma que você pode ser dito um mini-especialista num determinado assunto que foge da sua área principal, mas é também do seu interesse. Por exemplo: tenho um amigo que é formado em Biologia (ou seja, esse é o seu “major”; ele é biólogo, essa é a área de enfoque da sua carreira acadêmica e seu título), com um “minor” em Psicologia. Ele não é um psicólogo e nem pode se meter a diagosticar ninguém; ele tem apenas conhecimento superficial dos fundamentos da psicologia.

Que fique claro: o objetivo do minor é puramente saciar um interesse leve duma disciplina. Academicamente falando, é pouca coisa acima de ler artigos na Wikipédia sobre um assunto. Não é vantagem que se conte.

Além disso, dentro da cultura norte-americana, a linguagem do “tenho um major em X” é típica de alguém que cursou algo, não completou, mas quer ainda usar este fato para imbuir-se de autoridade acadêmica num determinado assunto, levando o interlocutor a concluir que está falando com um especialista formado naquela area.

Seria como eu querer usar o fato de que “cursei Física!” pra soar erudito e detentor da razão num assunto científico, omitindo o fato de que não me formei e que foi há tanto tempo atrás que não lembro mais de quase nada do curso.

Isso talvez se deva, naturalmente, a uma certa de falta de familiaridade da garota com a cultura e a língua (ou não, já que ela morou lá por sete anos), mas me deixou com várias pulgas atrás da orelha. A sintaxe mais comum seria dizer algo como “I have a degree in X”; informar major e minor é desnecessário.

…exceto, é claro, caso você queira pintar-se como um super-especialista que domina inúmeros campos diferentes. Ao longo da minha “investigação”, descobri que parece recorrente o hábito da empreendedora de exagerar seus feitos usando palavreado vago.

A impressão que acabei tendo da Bel Pesce é, talvez mais do que os “Electrical Engineering & Computer Science and Management Science, Economics and Mathematics” que seu site enumera, a área em que ela é realmente expert é aumentar seu capital social aparente inflando seus feitos através de uma linguagem cirurgicamente específica que, embora evite entrar descaradamente na mentira, tem um claro design de induzir o interlocutor ao engano em relação às suas realizações.

Sabe o cara que descreve seu trabalho de caixa no McDonalds como “analista responsável pelo fluxo de capital operacional de uma grande empresa multinacional”? É nesse território em que estamos, e eu acho que posso provar isso de forma inegável.

Foi por isso que a moça parecia ter diplomas de Schrodinger — o número de canudos dela sempre variava entre 4 e 6 dependendo de quem estava escrevendo a matéria em português, um sintoma perceptível da dificuldade brasileira em compreender o que diabo seriam os “majors” e “minors”. “Bota aí que ela tem seis ‘diplomas’ mesmo, porra”, consigo ouvir mentalmente o redator preguiçoso ordenando alguém a simplificar a coisa.

E se a Bel Pesce se incomodava em publicarem erroneamente que ela era uma multi-profissional especialista em tudo e um pouco mais, ela não fez grandes esforços pra esclarecer isso.

Esse detalhe de “major/minors” (ao mesmo tempo que parce deliberadamente evitar se identificar como formada) foi justamente o proverbial “onde tem fumaça, tem fogo” que desencadeou meu interesse em verificar as supostas conquistas da moça. Se a moça tivesse dito desde o começo “sou formada em X e Y, ponto”, eu não precisaria ter que escrever 10 parágrafos explicando isso, porque ninguém estaria pensando que a mulher tem um número surreal de formações e usando isso como argumento de que ela não pode estar errada. Como falei, fazer acreditarem que ela é uma profissional com múltiplas áreas de expertise não foi acidente — foi por desígnio.

Olha até a porra da UNICAMP falando que a mulher “se formou simultaneamente em cinco faculdades: engenharia elétrica, ciência da Computação, administração, matemática e economia“.

Em seu site em português, ela diz com todas as letras que se formou em cinco disciplinas. Ela também omite, mas é óbvio, que “Electrical Engineering and Computer Science” é um curso só no MIT,e não dois como ela obviamente tenta fazer parecer.

Diga-se de passagem, através do link aí do OpenCourseWare você pode literalmente assistir todas as aulas, acompanhar todos os exercícios do curso, fazer as provas e tudo. Espantoso!

Voltando às lorotas da Bel. Essa forma estranhamente inflada de descrever sua formação, somado a sites gringos dizendo explicitamente que ela “dropped out of MIT” (ou seja, “largou o MIT”), me faz pensar que nem formada ela é. Não estou dizendo que ela não é — estou dizendo que ela usa linguagem típica de quem não é, e que isso é… estranho. Uma formanda do MIT não deveria precisar desse tipo de palavreado pra inflar seu currículo.

O que ela está tentando esconder…?

[ Adendo ] Ficou mais claro agora que o “dropped out” se refere ao mestrado, e não ao bacharelado. O que não a impediu de listar o mestrado no seu LinkedIn, o que me parece impróprio. Não há nenhuma indicação lá de que o mestrado é incompleto.

[ Adendo 2 ] Surgiu evidência que ela tem, sim, uma formação no MIT. Por que ela achou necessário inflar uma pra cinco, já que uma formação no MIT é por si só um estupendo mérito, é intrigante.

Esse ponto foi a única questão que confundiu alguns leitores, pelo jeito. Vou trocar em miúdos: Em inglês, Bel diz ter X majors e Y minors. Em portugues, ela diz ter X+Y diplomas. Só que major/minor e diploma não é a mesma coisa; alguém (com intenção de aumentar seus próprios feitos) pode dizer ter “majored in X” sem necessariamente ter se formado, visto que você declara o major antes de se formar.

Essa incongruência me deixou curioso e foi o pontapé da pesquisa.

Aliás, com uma busca rápida você vê que é comum falar que “majored” em algo sem necessariamente ter se formado.

Tá mais claro? As minúncias do que realmente significa um major e como equivaler isso no contexto acadêmico brasileiro são indiferentes na questão. O ponto de contenção de alguns críticos do post é que pra dizer que “majored” em alguma coisa precisa SIM ser formado (o que é objetivamente errado), mas o que eu estou tentando dizer é que ela estava alegando duas coisas fundamentalmente irreconciliáveis nas duas páginas.

Que é, como eu falei, um prenúncio do resto do currículo dela.

Tá mais claro? O propósito não era “provar” que ela não era formada (isso é literalmente impossível, metodologicamente falando), e sim, explicar de onde surgiu minha desconfiança no resto dos relatos dela.

[ Adendo 3 ] Aí está o link dos formandos de 2010 da MIT Sloan School of Management da qual a Bel alega ter se formado. Ela não aparece na lista.

Conclusão: ela tem UM diploma. Não cinco.

Em seguida, voltei minha atenção à Lemon, uma (finada) empresa de planejamento financeiro que a mídia brasileira reportou que Pesce teria fundado. A página de Economia do UOL diz explicitamente que a brasileira fundou a Lemon, adicionando o floreio poético de que a empresa “nasceu das idéias dela”. A IstoÉ confirma que a autoria da Lemon é de Pesce, dizendo que a moça “montou sua própria empresa”. Nesta outra matéria, o UOL dá crédito de fundadora da empresa à Pesce (além de martelar novamente as supostas 5 formações da garota, num exemplo prático da máxima da “mentira contada mil vezes que se torna verdade”).

A fonte disso, evidentemente, são afirmações da própria Pesce — visto que nada no registro histórico da empresa confirma isso. De acordo com a Wikipédia, o fundador da compania é um empresário chamado Wences Casares.

A propósito, Casares deu em 2012 ao The Next Web esta entevista falando sobre a adição de Bel Pesce ao time. Por que um outro maluco estaria apresentando a suposta fundadora da parada como “uma adição ao time”, eu não sei. Ela não é citada como co-criadora ou nada assim.

Literalmente todas as matérias escritas sobre a Lemon que falam sobre um fundador (que não sejam brasileiras, e portanto usando como fonte a própria Bel) identificam Casares como tal. Aí estão algumas:

http://www.bizjournals.com/phoenix/blog/techflash/2015/08/lifelock-lemon-founder-locked-in-dueling-lawsuits.html

http://www.coindesk.com/lemon-wallet-acquired-lifelock-42-6m/

http://mashable.com/2013/12/12/lifelock-acquires-lemon/#YLeyy1Qj4mqf

http://www.recode.net/2014/3/13/11624538/lemon-digital-wallet-founder-wences-casares-gets-20-million-in

https://aerolab.co/lemon

http://latino.foxnews.com/latino/money/2013/12/20/son-sheep-ranchers-lemon-wallet-co-founder-wences-casares-is-serial/

http://www.forbes.com/sites/brucerogers/2012/08/23/will-wences-casaress-lemon-com-replace-your-wallet/#697a181d43cc

É claro e inegável — A única pessoa alegando que Bel Pesce fundou a Lemon é Bel Pesce. Curiosamente, ela jamais corrigiu os repórteres que atribuiram a empresa a ela (de onde você acha que veio a versão em que ela é a criadora da parada, afinal de contas…?).

Ela trabalhou na empresa, sim, mas exagerou os detalhes de sua atuação, o que é bem similar ao exagero dos quatro ou cinco ou seis diplomas.

Veremos que isso é um padrão no currículo da “empreendedora”.

Antes da Lemon, a Bel já era conhecida como uma história de sucesso por “ter trabalhado no Google, Microsoft, e Deutsche Bank”.

Exceto que ela não “trabalhou no Google, Microsoft e Deutsche Bank” da forma que vem em mente quando lê esse currículo, e essa ilusão é mais uma vez intencional. No seu LinkedIn, ela é atipicamente franca — na verdade, ela fez apenas curtos estágios facilitados por um programa do MIT que envia estudantes pra trabalhar em grandes empresas. A realidade é que não há nada de muito glamuroso nesses estágios — os estudantes geralmente executam afazeres triviais ao redor do escritório e participam em modo “read only” (ou seja, só observando, sem muito input ou autonomia) de alguns projetos paralelos das empresas. Basicamente, pra ver como é que é trabalhar no Vale do Silício.

Diga-se de passagem, o MIT manda aluno a rodo pra ser escraviário em empresa de tecnologia. Não é algo particularmente excepcional ou prestigioso. Vários destes estágios sequer são remunerados.

Somando todo o tempo que ela passou nessas três empresas, dá pouco mais de um ano — 4 meses no Google, 4 no Deutsche Bank, e outros 8 na Microsoft (embora neste vídeo ela diga que só passou 3 meses lá…?). E, novamente, o registro histórico não confirma suas alegações de que ela participou de projetos das empresas.

Por exemplo. No LinkedIn, Pesce diz sobre sua atuação na Microsoft:

[Bel Pesce] was part of a project to develop software that uses a webcam to track users’ actions. The main goal was to create a Multi-Touch interface that would let people interact with computers by only using a webcam and colored objects. The project also included a Software Developer Kit (SDK) that would allow other users to create their own Multi-Touch applications. Bel was part of the day-to-day of the project, documented the SDK, produced a demo to show the power of the SDK, recorded walkthrough videos to teach how to use the SDK.

Só tem um probleminha. Aqui está a lista de coordenadores e desenvolvedores do projeto. Aqui há uma página onde o grupo responsável pelo Touchless presta agradecimentos a membros da comunidade que também os ajudaram. Repare a distinta ausência do nome da Menina do Vale nas duas.

[ ADENDO ] Aparentemente às pressas, o responsável pela página adicionou ONTEM uma referência à Bel:

É estranho que uma página intocada desde 2008 seja atualizada horas pra citar a Bel poucas horas após a publicação desse texto. Não parece ter enganado ninguém, no entanto, se julgarmos pelos comentários da página:

E este é o vídeo da apresentação do SDK do Touchless:

https://www.youtube.com/watch?v=hJuJJOK7MMc&ab_channel=MikeWasserman

A empreendedora brasileira também não se faz presente nessa apresentação. O que é muitíssimo provável é que em sua curta curta passagem na Microsoft, ela fez nada além de auxiliar o grupo em tarefas triviais de escritório — ou seja: coisa de estagiário mesmo.

Isso não a impediu de, aos 24 minutos deste vídeo, se caraterizar como líder/organizadora do projeto. Michael Wasserman, o real idealizador do Touchless, talvez não gostaria de saber que uma autora brasileira de livro de auto-ajuda está tomando crédito por sua invenção.

Quando fala de seus dois meses no Google, Bel diz que…

Developed a tool that help find bottlenecks in the machine translation code. The tool puts together CPU, RAM and disk usage information, along with periodic code profiles.

Mas que “tool” foi essa? Cadê o nome da ferramenta? Por que omiti-lo…? E a documentação? Referência em algum lugar qualquer? Confirmação externa de seu envolvimento com tal ferramenta?

Não existe.

Em sua outra passagem pela Microsoft, ela atribui a si mesma…

Development of software for Smartphones
Fully experienced Program Manager, Developer and Tester roles during the project:
Program Manager: organize the project as a whole — write specifications, negotiate features, drive meetings, research technologies, design project website
Developer: Write clean and efficient code, making use of the newest technologies to improve coding solutions
Tester: Create smart test cases and debug the software

Que software ela desenvolveu pra smartphones? Estagiária program manager? Como assim? Aliás, é curioso que esta prolífica programadora e “fully experienced program manager” não tem uma página no github, ou uma linha de código sequer atribuída a ela. Como alguém frequentou uma das maiores faculdades de tecnologia e se formou em Ciência da Computação sem ter literalmente UMA LINHA DE CÓDIGO PUBLICADA chega a ser fantástico.

Já na Ooyala, uma plataforma de vídeo online que ninguém nunca ouviu falar na vida, ela teria “liderado três times de engenheiros”. Aliás a citação é perniciosamente recorrente:

Eu te desafio aqui e agora a achar QUALQUER menção da moça trabalhando na Ooyala, qualquer documentação, e liderando os tais “três times de engenheiros” que não seja um texto citando isso como seus atributos de palestrante. Vai lá.

Ela só diz que fez e aconteceu, e a mídia acreditou sem pestanejar. Além de aumentar sua contribuição em projetos, essa é a outra marca registrada de Bel Pesce — a estranha ingenuidade que a mídia brasileira tem perante suas alegações facilmente refutáveis.

Além dessas conhecidas empresas em que Bel Pesce teve uma brilhante participação [citation needed], a inovadora também iniciou inúmeras empresas próprias. Quando eu digo “inúmeras” é literalmente porque não consigo enumera-las; quando mais eu pesquisava, mais empresas supostamente criadas pela Bel Pesce apareciam. A garota é uma boneca russa de empreendimento, você abre uma e tem outra empresa dentro.

Por exemplo. Neste artigo, aparentemente escrito por algum tipo de fanboy da garota, aparece a menção do Talenj, uma empresa co-fundada e comandada pela Bel. O site descreve o Talenj como “a company that makes and designs websites”. No Twitter, ela diz que a proposta da Talenj era “conectar consumidores a marcas por meio de competições“. A UNICAMP descreveu o Talenj como uma empresa que “promove aprendizagem por meio de desafios on lines“.

É quase como se ninguém soubesse que porra afinal é o tal Talenj, né?

Hoje eu farei algo que ninguém da mídia fez: vou te mostrar o que é realmente o Talenj.

É disso aí que a garota é CEO. Ou nem isso, já que de acordo com a política de privacidade da “empresa”, o responsável pelo site é um tal de “Alex”.

Voltando ao LinkedIn da moça, vemos que ela foi responsável pelo “business development” de um tal de Krowder.com. A página é defunta, e até o Wayback Machine tem dificuldade de catar seus elementos. Por que ela estaria clamando atuação com título glamuroso numa “empresa” morta, que ninguém jamais ouviu falar, supostamente num estado onde a Bel Pesce nunca morou?

Acho que podemos imaginar.

Ela é também a CEO e fundadora do WhatIf, um site com design que eu esperaria de um adolescente em 1999 e não de uma graduada em ciência da computação pelo MIT. Novamente — página quebrada, defunta, sem qualquer referência a ela como fundadora, e que muito evidentemente não rendeu um centavo qualquer.

Entre 2007 e 2008, Bel também diz ser a CEO e co-fundadora do “WaterAfrica”, engajada no “Development of a solar-powered piping system that enables better water distribution in Africa“.

Achei duas WaterAfrica na internet inteira. Uma foi fundada em 2006 por alguém chamado Bill Savage, e a outra existe desde 2001. Lembre-se disso da próxima vez que um fanboy da empreendedora disser que a menina “gastou tanto de seu tempo com ONGs beneficentes”, como foi o caso nos comentários do meu vídeo. Talvez ele ache que ela DE FATO fundou tais empresas, quando a realidade é que eram devaneios esparsos de uma garota imaginativa.

Eu paro pra pensar que esse texto seria bem menor e mais fácil de escrever se a Bel não tivesse inventado TANTA história.

Eis a minha hipótese. O mérito real da Bel resume-se a ser aceita e formar-se (?) no MIT. Lá ela tentou entrar na indústria da tecnologia, e aparentemente não obteve muito êxito, porque tudo que ela conseguiu fazer foi estágios curtos e sites mal-acabados sem muito propósito ou sequer usuários. A empresa que ela supostamente fundou foi vendida por US$ 42 milhões e a menina não recebeu um centavo sequer, aparentemente não manteve equidade na empresa, nadica de nada.

Com o visto de estudante expirando e nenhum prospecto trabalhístico concreto que a permitisse estender sua estadia na gringa (em um vídeo que agora não encontro, ela deixa esse detalhe escapar, chegando a brincar que cogitou casar com um americano pra permanecer nos EUA), o jeito foi voltar ao Brasil. Foi aí que ela decidiu reinventar a “Bel Pesce que se formou numa das mais prestigiosas instituições de ensino tecnológico do mundo e que não conseguiu transformar esse diploma em NADA rentável e sequer permanecer nos EUA” pra “Bel Pesce prodígio com cinco formações, quarenta startups de sucesso, posições prestitiosas no Google e na Microsoft, autora de inúmeros produtos e serviços”.

Não importa quão absurda seja a sua lorota — alguém vai cair nela. Tem gente que acredita no Inri Cristo, afinal de contas. Eu não esperava é que a porra do nosso jornalismo nacional (mesmo tão sedento por histórias de brasileiros vencedores) deixasse a peteca cair tão lamentavelmente, repetindo feito papagaio o suposto sucesso da mulher, inquestionavelmente dando respaldo a “empresas” como a Talenj, sem excercer o mínimo de ceticismo responsável, e assim sendo cúmplice em seu processo de finalmente abrir uma empresa de verdade:

Uma empresa que ensina os outros a fundarem as próprias empresas — com cursos ministrados por alguém que nunca fundou uma própria empresa.

Uma ouroboros do empreendimento. Um loop recursivo de “inovação”. E como não falta trouxa nesse mundo, um moto-perpétuo de dinheiro.

Se a história parece inacreditável, se a despeito de todas as provas que você mesmo pode verificar você ainda acha que a mulher DEVE ser tudo que alega ser “porque apareceu na TV, saiu na IstoÉ…”, eu tenho que te informar que você é muito novinho, ou tem memória curta. Não é a primeira vez que um suposto intelectual com mais títulos universitário do que a maioria das pessoas tem bonés foi à TV relatar seus feitos fabulosos, salpicando suas abobrinhas travestidas de sabedoria. Lembram do Omar Khayyám?

Diga-se de passagem, esse negócio de empreendedorismo de palco lembra muito o esoterismo de rituais religiosos. O culto de personalidade em volta dos”líderes” dos quais não se pode falar mal, lendas passadas de boca a boca sobre seus feitos magnânimos, essa histeria de SIGA SEU SONHO REALIZE SEU POTENCIAL… agora tem até videoclipe chifrim semi-gospel declamando as virtudes do estilo de vida empreendedor:

https://www.youtube.com/watch?v=mtu5jiGOAzA

Que negócio brega do caralho. Troque uma ou duas palavras e você pode passar esse vídeo numa reunião de Herbalife ou em culto evangélico.

Esquecemos do Luiz Almeida Marins Filho, outra estrela do circuito de palestras motivacionais, com passagens por liderança de empresas gringas e inúmeras formações (até DOUTOR ele era!) — até o dia em que alguém olhou a fundo e descobriu que boa parte do currículo era aumentado. Já esquecemos do Bernard Madoff, um dos maiores charlatões que o mundo já viu, que abusou de sua influência no mundo finnaceiro pra fraudar investidores por mais de 18 BILHÕES de dólares?

Há uns cinco anos atrás, certamente alguém que tentasse alertar um amigo admirador do Madoff ouviria um “afff mano, ele é bilionário, tá lá em Wall Street e o caralho, apareceu em mil matérias sobre empreendimento, você acha que sabe mais que ele?” Hoje Madoff, que atende por “Prisioneiro #61727–054”, anseia pela data de sua liberação do chilindró: 14 de novembro de 2139 (sério, ele pegou 150 anos de cadeia. Os gringos não passam a mão na cabeça dos 171).

Algumas pessoas obtém reconhecimento (merecido ou não) e usam isso pra vender o ilusório. Parece exatamente ser o caso da Bel Pesce — foi aos EUA, frequentou uma instituição prestigiosa, passou (rapidamente) por várias empresas, apareceu em algumas matérias na gringa, o que a conferiu o verniz da legitimidade, e pronto: mesmo sem jamais ter empreendido na vida, faz pose e fala como especialista.

E pior, vende como especialista. Ela não fala muito sobre isso porque talvez ainda esteja explorando a validade do modelo de negócios, mas aparentemente a Bel planeja em breve iniciar franquias da FazINOVA, sua escolinha de empreendimento/auto-ajuda, prevendo tiers de investimento superior a cem mil reais.

Bel Pesce não tem literalmente conteúdo algum. Esta é a verdade inconveniente. Ela é basicamente um equivalente feminino do Tai “Here in my garage in Beverly Hills” Lopez: tem dinheiro, é supostamente um famoso empreendedor, já falou no TED também… mas todo mundo sabe que o cara é um charlatão do caralho, e ele é zoado abertamente por isso.

Ela tentou enturmar-se no Vale do Silício, mas nem a formação no MIT ajudou. Sem sucesso, voltou ao Brasil enaltecendo os próprios feitos na Meca Tecnológica tipo o Alfaiate Valente que anuncia “matei sete!”, omitindo que foram na verdade sete moscas — e como o protagonista da fábula, uma vez que a patuléia acreditou no homicídio séptuplo, manter a fama foi só uma questão de malandragem.

Seus livros são repletos de anedotas que, a julgar pelo sua característica de falta de compromisso com a verdade, tem o valor histórico das estorinhas do Sítio do Picapau Amarelo. Os conselhos de “empreendimento” não chegam nem a ser rebuscados como os dos outros autores de auto-ajuda venerados por piramideiros e outras amebas intelectuais. Eu te digo pra “acreditar nos seus sonhos” e “continuar perseverando” de graça.

As “empresas” atuais de Pesce citadas em suas biografias são a tal FazINOVA, que como mencionei é um cursinho de auto-ajuda que ela tem aspirações de transformar em franquia; a Enkla, uma editora que só publica livros dela, A “Figurinhas”, uma agência de publicidade que nem site tem, e oBeDream, com um site tão vago e piramidesco que eu te DESAFIO a me explicar do que se trata.

A moça não fez nem metade do que é atribuído a ela, e seus “empreendimentos” são transparentemente um veículo pra reafirmar sua habilidade de empreendedora. Empreendedorismo vindo do nada e servindo pra alimentar o próprio empreendedorismo: há algo quasetermodinamicamente errado com essa equação.

E nem precisei ir pro MIT pra perceber isso.

[ Adendo ] Até “sócia do Bill Gates” constava nas descrições da moça. Fico curioso de quem teria dito isso ao autor desse texto.

(Postei o texto neste tal de Medium porque meu site tá caindo desgraçadamente desde que o publiquei. Isso que dá não ter 5 diplomas do MIT e não saber configurar servidor. Meu site é www.hbdia.com, e estou sempre lá pelo Twitter como @izzynobre)

Next Story — How I Used & Abused My Tesla — What a Tesla looks like after 100,000 Miles, a 48 State Road trip…
Currently Reading - How I Used & Abused My Tesla — What a Tesla looks like after 100,000 Miles, a 48 State Road trip…

How I Used & Abused My Tesla — What a Tesla looks like after 100,000 Miles, a 48 State Road trip, 500 Uber Rides, 20 Rentals & 2 AirBnB sleepovers.

Most $100,000 cars are babied by their owners. Never taken out except on a warm Sunday. Garaged and kept with extremely low mileage. Only driven by the owner, not even allowed to be driven by a spouse, much less a stranger.

Not my poor Tesla.

I’ve worked that thing like a rented freaking mule.

So, you ask, how did the Tesla hold up? What’s it actually look like now? What are the exact operating costs, repair numbers and dollars spent & earned on this car over the 2 years of ownership?

Read on to find out all the gory details…and the photos to prove it.

It all started on August 27th, 2014 when I purchased my Blue Tesla Model S P85. I bought it used with 35,000 miles from a local Phoenix owner for $79,000. It originally sold for well over $100K when new.

Here’s the car when I bought it with the original 21" Turbine wheels:

In just under 2 years, on August 16th 2016, I reached dual milestones: 100,000 Miles and 500 Uber Rides.

100,000 Miles & 500 Uber Rides happened within the same hour on August 16, 2016

As this was the first really expensive car I’ve owned, I needed to find a way to help pay for the car. Naturally, Uber came to mind so I signed up and actually gave the first official Uber ride in Flagstaff AZ when they opened the market on September 17th, 2014. As it turned out, this would be just one of many firsts for this particular Tesla. Here’s the tweet from the Uber rep in Flagstaff:

I ended up getting commercial insurance as I wanted to do UberBlack, the high end service. However, I didn’t actually get activated on Black for another 5 months as there was a waiting list in Phoenix. My first UberBlack ride was worth the wait: It was during the SuperBowl in Phoenix, and it was a ride that cost $305 of which I made $225.

My First UberBlack ride during SuperBowl 49 in Phoenix

During the same SuperBowl week, something crazy happened. My Tesla was getting world wide press.

Why?

Oh, just this little story about how I rented out my Tesla as “The World’s Fastest Hotel” on AirBnb. The story went completely viral as it was on CNN, CBS, ABC World News Tonight, and more blogs than I could count.

And yes, while I turned down several potential renters I did have 2 automotive reporters pay $85 & $385 (after I upped the price hoping to discourage more guests) to sleep in my Tesla as it was parked in my garage.

Awkward? Oh hell yes.

Funny? Certainly.

A real business idea? Ummm, that would be a big fat NO.

That media frenzy is what inspired my next Tesla adventure, the admittedly poorly named “Million Dollar Tesla Trip”. It was a 4.5 month, 27,615 mile journey across all 48 States plus Canada where I video interviewed interesting & inspiring people in the Tesla as we drove across the country. Interviewees ranged from founders of incredible charities, to the former Driver for Martin Luther King, several authors, lots of fellow Tesla owners, and another cross country road tripper who was volunteering with 50 youth organizations in all 50 States. It became the longest continuous road trip in an electric vehicle (unofficially) and I was the first Tesla owner to visit 200 SuperChargers. Read about my Top 11 Tips for Road Tripping in a Tesla.

After completing the massive road trip, I started renting my Tesla out on Turo.com, the “AirBnB for Cars” in October of 2015. Since my job is renting out Vacation Rentals, it wasn’t much of a stretch for me to rent out my Tesla. Turo provides the match-making service as well as insurance, so it’s worth their 25% cut.

Since I ditched my commercial insurance before the trip and wasn’t too excited about the low UberX rates, I didn’t restart driving for Uber till July of this year. I’m able to do UberX, the cheapest service, along with Select which is reserved for nicer cars and is about 2X the price although only about 1 in 15 rides is Select. Once I started though, it’s become somewhat addicting, but the beauty is I can quit or slow down any time.

Uber’s prices are so low, it really doesn’t pay to drive for Uber in an expensive vehicle especially if earning an income is your only goal. Personally, I wouldn’t Uber in any car besides a Tesla. I do it for several reasons: a great excuse to drive more, sharing the Tesla experience, and it’s fun meeting the mostly cool passengers. If you use it smartly, it can be a lot of fun, and slightly profitable.

There is no better way an individual owner can help Tesla achieve its mission “To Accelerate the Advent of Sustainable Transport” than to drive for Uber or Lyft.

One of the ways to Uber with very little time investment is to use Uber’s commute option where it only offers you riders going your same direction. This way you are paid for going where you were going already. Make someone smile while making some lunch money. Not too bad.

Total Cost of Ownership:

Cost of Tesla: $79,000 used with 35,000 miles

Regular Maintenance Cost over 65,000 miles in 24 months:

  • “Annual Service”: $600 (Yes, I’ve only done this once at 49,000 miles. Probably not a bad idea to do another soon)
  • 2 sets of tires: $1700
  • Oil Changes: Hahahahaha
  • Brakes? Nope. The regenerative braking does 95% of the work and recharges my battery at the same time.

Total Maintenance = $2300

Out of Pocket Repairs from 50,000 to 100,000 miles:

  • 12v Battery $400
  • Door Handle Repair $1000
  • Wheel well fasteners $80

Total Repairs = $1500

Total Maintenance + Repairs = $3800. Keep in mind, 65,000 miles is 5 years of “normal” driving at 13,000 a year.

I’d love to hear about any other $100K car go that far (with 50,000 miles out of warranty) and cost less than $4000 ALL IN? Oh, and I’ve probably spent less than $1,000 on electricity as well.

Earnings:

Uber — 500 Rides totaling $6,142.47 in 9 active months = $682 average per month. Less than 1 month was on UberBlack. Most of it was on UberX & Select.

Other Rides: $360

Turo — 20 Rentals totaling $6652.25 in 11 months = $604 average per mo.

AirBnb— 2 Rentals totaling $470

Total Tesla Income =$13,624.72 / 24 months = $567.69 a month average

Tesla Road Trip Savings: My 27,615 mile (the circumference of the Earth is 24,901 miles) 48 State plus Canada road trip cost $8.37. I had to pay for electricity 2 times, the rest was FREE thanks to the Tesla SuperCharger network. There were about 180 SuperChargers when I started the trip. There are now almost 300 in the USA. Gas savings assuming a 25 MPG car using a national average of $2.75 a gallon = $3037.

I also used the “Tesla Hotel” about 20 times out of the 132 nights on the road since the Tesla allows you to run the A/C or heat all night with no issues. With an average hotel cost of $75, this saved me $1500.

Total Road Trip Savings of just over $4500.

Should I have purchased the Extended Warranty?

As 50,000 miles approached, I had to decide wheather or not to purchase the Tesla Extended Warranty for $4000. This would extend the regular warranty to 100,000 miles. My choice? I was confident in the Tesla so I rolled the dice. No warranty for me.

As I hit 100,000 miles, I finally found out if I had made the right decision.

As noted above I spent $1500 out of pocket versus $4000 on the warranty so I made out by $2500.

Tesla also has an 8 year, unlimited mileage warranty for the Drive Train & Battery. This was great, as I did have the drive train replaced at about 65,000 miles and the battery replaced at about 76,000 miles. Tesla service was beyond fantastic in dealing with both issues and I was on my way with zero out of pocket cost.

The moral of the story? The Tesla isn’t a typical prissy $100,000 car. It’s meant to be driven, and driven hard. It’s not just a daily driver, it’s a high performance yet practical and extremely safe car. It’s better than a traditional car in so many categories it’s fall down funny.

So, you want to see the 100,000 mile photos??

Tesla with 100,000 miles and 19" Cyclone wheels — not as sexy as the 21’s but more economical
A few bits of road wear. The Xpel protectant has helped avoid rock chips
Some Road Rash courtesy of the concrete jungle: Manhattan, NYC

In my opinion, the Tesla has held up very well. Most of my Uber riders are very surprised when I tell them the car is almost 4 years old. Yes, there are a few more minor blemishes on the paint, but nothing out of the ordinary for 100,000 miles. I really don’t think you could tell any difference between my car and any other with similar milage even though I’ve given 500 Uber rides and rented the car out 20 times to complete strangers on Turo.

I implore any Tesla owner to throw out any notions of keeping your Tesla to yourself because you are worried you will ruin the car.

Share the hell out of it!

Sign up for Uber or Lyft and give people rides. Trust me, their reactions alone are worth it when they hop in your Tesla. Let others get a taste and they will soon realize what we already know. Let’s help spread the word about these world changing cars. My experience should prove that your car can take all the abuse you can dish out and then some.

Bonus Prediction:

I think even Tesla fans and industry analysts are massively underestimating what Tesla will do in the next few years with the cheaper Model 3 that should be fully autonomous shortly after it’s released. I think Tesla could sell 1 to 2 million units a year by 2020.

Tesla Model 3 starting at $35,000

To clarify, I believe the demand for that volume will be there, but the hard part is being able to ramp up production that fast. Odds say that will be tough to pull off.

However, once people realize they can pay $35,000 for a killer car that can earn them $30,000 in a year by simply pressing a button and telling your car to go pick up passengers for you while you work or sleep — it’s game over.

Wait, a car that makes me money?

Wait, a car that can drive me across the state for free, while I sleep or get work done? It can autopilot me through stop and go traffic, but I can drive it like Mario Andretti on the weekends?

Yes, please.

Not only will this affect car sales, but airlines will see more people shifting to driving vs flying and it will even make not owning a car more practical. This, along with many other ripple effects we are not even thinking about yet.

Bring on the disruption. It’s coming and coming fast. Just like a Tesla.

Sign up to continue reading what matters most to you

Great stories deserve a great audience

Continue reading