#thinkRIGHT A Bright Lisbon Agency no JeniAL

(Já tínhamos publicado um texto sobre o JeniAl, mas agora que o ano vai recomeçar sentimos que era bom fazer uma espécie de throwback)

O que aprendeu uma júnior iniciativa de 2 meses num evento que conjugou as maiores e mais antigas júnior empresas, as júnior iniciativas mais ambiciosas e profissionais com diversas experiências?

Absorver todo o conhecimento

Memorizar todos os nomes, apontar todos os contactos, conhecer todas as júniores, escrever todos os insights, saber o que correu melhor ou pior em cada experiência.

No meio de tanto conhecimento, é tão fácil sentirmo-nos pequenos e grandes, envolvidos e atordoados, tudo ao mesmo tempo. Por um lado, um evento destes proporciona um sentimento de pertença ao Movimento Júnior, deixa-nos confiantes naquilo que somos, no que já fizémos e no que conquistámos. Por outro lado, comparando com os grandes feitos e experiências de outras júniores e de alguns oradores, sentimo-nos os newbies, os mais novos, mais inexperientes, com menos projectos de sucesso concretizados. 
Acima de tudo, saímos do JeniAL com mais informação, com mais amigos, com mais experiências, mas com cada vez mais vontade de trabalhar e de fazer melhor.

“Ter lata”

É preciso ter lata para criar uma júnior empresa, de facto, mas com André Albuquerque, Head of Growth da Uniplaces, reforçámos a ideia da importância de arriscar. Seja para criar a nossa própria empresa, lançar uma campanha disruptiva, fazer uma candidatura fora da caixa para o emprego que sonhamos, ou até mesmo largar tudo e ir conhecer o mundo, “ter lata” faz-nos evoluir, até quando esse risco foi um erro. Errar tem valor, e Rodrigo Castro, da Spark Agency, mostrou-nos isso. Arriscou ao lançar uma empresa, diz que não correu bem, mas que aprendeu muito, viajou pelo mundo, e isso tornou-o a pessoa que é hoje. Mal podemos esperar por errar!

A licenciatura não define quem somos

No mercado de trabalho é preciso criar uma “marca”, e essa marca não pode ser o nome da nossa licenciatura. Há que buscar cada vez mais conhecimento, aproveitar as actividades extracurriculares, e até aprender com a experiência numa júnior empresa. Há que saber bem quem somos e o que queremos alcançar para saber o que queremos melhorar em nós e no mundo. A nossa concorrência a um cargo numa empresa pode tanto ser o atual colega de turma como alguém que tirou uma licenciatura completamente diferente. As capacidades são mais importantes do que o nome do nosso curso para um empregador, e colaborar numa júnior traz várias aprendizagens diferentes a qualquer aluno de qualquer área. Os trabalhos que qualquer júnior empresário realiza podem completar a sua formação e criar novas capacidades.

Uma boa empresa faz mais do que lucro

Uma boa empresa não é só a que vende mais, a que dá melhores salários, a que vende produtos mais eficazes, ou até mesmo a líder de mercado. Um profissional exigente consigo próprio também é exigente com a empresa que o emprega, logo, é da responsabilidade da própria empresa ser mais do que uma fonte de lucro. Deve ter em atenção a sua sustentabilidade, a sua responsabilidade social e as condições que fornece a colaboradores e consumidores. Acima de tudo deve reger-se pelos valores que escolheu para si, em todas as áreas e cargos da empresa. Assim terá melhores colaboradores a trabalhar consigo, um melhor ambiente interno e, por conseguinte, mais sucesso! Porque colaboradores motivados, empreendedores e que “vestem a camisola” vão levar a equipa muito mais longe.

É por tudo isto que a Bright Lisbon Agency se sentiu tão inspirada pelos projetos sociais que algumas júnior empresas apresentaram no JeniAL. Usar as skills que temos por um bem maior é sem dúvida algo que todas as empresas podiam fazer mais. A vontade de devolver à comunidade traria tanto sentimento de realização como um projeto terminado.

Sentimento de pertença

O JeniAL foi mais do que instrutivo — foi inspirador e vai deixar muitas memórias. Só podemos agradecer à excelente organização do evento, da ISCTE Junior Consulting, e à Jade, por nos proporcionarem um fim de semana onde se pôde juntar o movimento, onde podemos partilhar experiências, ajudar e aprender. Saímos do JeniAL a conhecer este mundo júnior mais a fundo e com vontade de conhecer muito mais, dentro e fora dele. Queremos continuar a caminhar para passar a júnior empresa e chegar ao nível de excelência dos grandes exemplos que vimos.

Para isso a entreajuda é fulcral, e muito aprendemos com ela! Para isso agradecemos a todas as júniores presentes, que de uma forma ou de outra nos fizeram adquirir novos conhecimentos, nos fizeram pensar em novas soluções e nos fizeram focar em novos desafios. Todas elas são grandes exemplos de empenho e dedicação. Deste espírito de grupo e de entreajuda fechámos uma parceria, com a JuniRHumo, que já durante o evento nos deram vários conselhos. Esperamos levar até esta toda a experiência e empenho que temos para dar.

Parte da equipa da Bright que esteve no JeniAL
Concluindo, pequenas ou grandes, novas ou antigas, as diversas júniores completam o movimento Júnior e constroem um espírito de união, empenho e vontade de fazer melhor, mais forte do que esperávamos. Venham mais reuniões, mais aprendizagens, mais amizades! A Bright está pronta para crescer e fazer crescer.

Texto de: Maria Inês Coimbra