A gente vai ser tão maior

Primeiro, somos tudo o que nossos pais não queriam. O primo que todo mundo desconfiava. O sobrinho afeminado. O neto pouco apegado.

Na escola, a gente foi o alvo. O bode expiatório das meninas e o bobo da corte dos meninos. O motivo do riso de professores e funcionários.

No trabalho, a gente se escondeu e se trancou no primeiro armário. Sempre preferiu ficar calado.

Na igreja, a gente foi a maldição. A maçã podre que caiu na perdição. Cada padre e pastor já nos proferiu um sermão.

Na rua, a gente já levou pedrada e empurrão. Lá fora, todos os indicadores já nos denunciaram. Todas as bocas já nos xingaram.

A gente já viu cada um de nós na sarjeta, perseguido, assassinado. 
Ainda assim, nenhum armário conseguiu nos segurar.

Nenhum juiz vai. Nenhum pastor vai. Nenhum deputado vai. Nenhum presidente vai.

E se for para perder algum pedaço da criança viada que há em cada um de nós, talvez a gente não mereça o céu.