A Madrugada

Na madruga, meu pensamentos te buscam… Eles devem te atormentar, tirar seu sono… Onde quer que você esteja no universo, com certeza você deve ouvir ou sentir: estou pensando em você….

Sua falta é uma crise de abstinência como da pior droga… É como se o ar não fosse suficiente, como se a comida mais saborosa não tivesse mais gosto e a água mais mineral não matasse a sede.

Preciso te arrancar um sorriso fácil pra lembrar porque eu sofro…

Preciso te fazer rir para apagar da minha memória todas as feiúras e malvadezas do mundo que me afligem…

Preciso conversar com você através do olhar, pra numa fração de segundo te dizer em uma mirada o que não seria capaz de falar em uma vida inteira…

Preciso do seu olhar intenso para me aliviar o peso das minhas inquietudes…

Preciso da doçura da sua voz para lembrar que existe apenas um Artista capaz de criar melodia tão perfeita, e que faz vibrar todas as minhas fibras…

Preciso do seu carinho, um leve toque em minha mão, para esquecer que existe culpa, que existe certo ou errado…

Me atormenta saber que isso não passa de uma ilusão de um acaso, de um desejo desesperado. Seus olhares, seus toques, suas palavras e seus sorrisos não são pra mim… São apenas uma lembrança torturante que a vida me impõe para lembrar que nem o destino e o tempo quiseram que você fosse minha.

Na escuridão infinita e no silêncio sepulcral da noite, eu continuo te buscando… Não consigo parar. A escuridão da madrugada tomou conta dos pensamentos, e faz dos meus sonhos preto e branco. É a maldição dos poeta, que a cada palavra e a cada letra derramam um mundo de sentimentos…

No frio da madrugada escura de silêncio ensurdecedor, eu preciso sofrer por você.

Este sofrimento é a única coisa concreta neste mundo de ilusões… É a única sensação real, e quase tão intensa que pode ser tocada, mas acima de tudo, é ele que me lembra desse amor infindo.

Esse sofrimento é a única prova real deste amor impossível que transforma essa madrugada escura e solitária em uma existência cada vez mais longa sem você.

-J.J.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.