Eu me lembro da primeira vez que disseram que eu estava sendo chato, quando isso era a ultima coisa que eu queria.
Senti o ar parando em mim, numa respiração curta e interrompida.

Sei que se pudesse olhar de fora, veria um brilho sendo arrancado do meu olho, junto com um pouco da cor das minhas bochechas.
A forma como a minha garganta trancou foi de bom uso, porque sei que não conseguiria falar nada que valesse a pena

Meus olhos não saíram do chão naquele dia.
E eu tinha só 14 anos.

Tenho 22 agora, e sei que não é muito, mas já entendo de coisas que uma criança não conseguia entender sobre as pessoas ao meu redor e como lidar com elas.
Tenho 22 agora, mas ainda sinto esse brilho indo embora quando percebo que falei dos meus interesses, muitas vezes desinteressantes, por “tempo demais”.
E agora é tarde… Desculpas são desajeitadas demais.
Maldito labirinto do querer agradar.

Mas quero que tu saibas que tuas palavras merecem ser ouvidas
Por três minutos, quinze minutos, duas horas.
Ou, quem sabe, até elas acabarem.
Mas também quero que tu saibas que haverão pessoas que irão se perder na tua graça, e não vão saber lidar com teu jeito, tua cabeça, ou como tu fala pensando com o teu coração.
E a maioria não consegue lidar com os outros porque ainda não aprendeu a lidar consigo mesmo. Certeza.
Mas você nunca será, e nem nunca foi “demais”.
Pra mim, garanto, tuas palavras não cansam.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.