Ainda nua do banho me enrolei na toalha e sentei no chão do quarto no espacinho que fica entre minha cama e o criado mudo, minhas juntas duras como pedra, precisava chorar mas não descia uma lágrima sequer..

eu só travei.

travei de novo.

O meu corpo gelado e o cabelo preso num rabo de cavalo minúsculo

depois do novo corte me sentia pesada como se carregasse um peso gigantesco em minhas costas curvadas pra frente e doía tanto.. doía demais..

Fiquei ali me perguntando quanto tempo demora pra se curar um coração partido? Não obtive nenhuma resposta agradável.. a verdade é que nunca curamos um coração partido, nada que se parte é de fato consertado.. fica tudo ali.

Se você quebra um jarro de flores e ainda assim insiste em tentar cola-lo, pode até ser que ele aguente novamente o peso da água limpa e das flores mas a marca trincada continuará lá intacta, permanente, eterna..

o mesmo acontece com o para-brisa do seu carro que foi trincado por uma pedrinha numa estrada de chão, com um copo que bateu na ponta da pia enquanto você lavava a louça do almoço, com o corte da gilette que você passou na perna...

Meus medos voltaram e estão me cobrindo de novo, cheia de incertezas, de duvidas e perguntas sem respostas.

Sou colecionadora de cortes mal cicatrizados.

Like what you read? Give Bruna Cardoso a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.