Quero ser árvore

Galho de um feijão-guandú com flor. Foto: Bruna de Oliveira | Campina do Monte Alegre/SP

Se por um dia eu pudesse mudar minha forma de ser, escolheria ser uma árvore. Mesmo, não importando ser um arbustinho ou uma arvorezona, ser planta já significaria muita coisa.

Significa estar integrada com os demais seres de uma forma pouco conhecida por nós, humanidade. Significa, não somente integrar, mas beneficiar a todos os seres pertencentes a teia da vida do início da raiz ao final de uma grande copa verde. Significa não distinguir entre a bactéria e o quati; entre o bem-te-vi e o guará; entre um cipó ou um cogumelo. Todos tem abrigo, casa, proteção. Todos tem acolhida, alimento, lugar comum.

Pensar em alimento é pensar em nutrir-se a si e aos outros, manter a vida… tanto a sua como a de outros; tanto a sua quanto a do mundo. Engana-se quem pensa que ser árvore é estagnação: há muito movimento no fluxo de uma seiva, nas transformações bioquímicas da fotossíntese, no balançar das folhas ao vento.

Ser árvore é protagonizar os ciclos da ecologia onde a interdependência de relações, fluxos e instintos permite a constante geração de flores, frutos, sementes. Gerar… que incrível capacidade de uma árvore de gerar sendo, de parir vivendo, de expandir existindo! Que incrível potência de ser, ao mesmo tempo, uma e ser milhares que se espalham pelo vento, com insetos, pássaros e quanto mais polinizadores existirem que percebem a grandeza e complexidade desse ser a tal ponto que se colocam a disposição para contribuir nessa propagação.

Semente que fecunda a terra, semente liberada generosamente para a perpetuação de mais seres generosos que seguirão sendo esteio, sustento. Mesmo ao tombar, não perde seu propósito de abençoar pois devolve sua essência ao solo oportunizando novas conexões, novos caminhos e diferentes processos por suas partes invisíveis.

Uma árvore é e sendo reverbera, sempre em sincronia, sempre em harmonia com um sistema que nem sempre é recíproco, nem sempre é amigo, nem sempre lhe faz bem. Amor em ser, ser em amor, uma árvore é e eu queria ser uma.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.