Poema de uma tarde fria.

Tropeço no seu passado.

Lembro do nosso presente…

O que temos de diferente?

Corro até a saída de emergência. Mea-culpa, desculpa!

Uma vez que a porta se fecha, flash back’s se abrem. Para sempre(?)

***********************************************************

Me sinto um pouco equilibrista, tentando manter tudo no lugar.

— Assim está bom.

(Não posso cair dessa corda).

Mas…como me segurar? Você sabe como é voltar no (seu) tempo?

Olho para baixo, não cheguei até aqui pra despencar assim…

Cambaleante te avisto de longe, como sempre me apoiando, me estendendo a mão.

Você quer que eu me mantenha firme,sem olhar pra baixo e sem olhar para trás.

Pra trás de você.

Fecho os olhos, respiro fundo e vou.

Voo pra você.

(Mais uma vez).

************************************************************

O tropeço não é o fim.

Mas e o fim, é/foi um tropeço?

Em que somos diferentes?

***********************************************************

Faz 11° graus em Ribeirão. Claramente…