Inacabado

Um poema nunca termina.
Sempre falta uma sílaba, 
aquele tom e aquela rima.

Uma vírgula que poderia ser ponto,
um ponto que poderia ser ponto e vírgula,
uma reticência que poderia ser dois pontos.

Um verbo a ser conjugado,
um para quebrar a linha,
outro para ser retirado…

Não adianta,
todo poema é

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Bruna Modesto’s story.