E eu que era emo?

(Abril, 2017)

E eu que era EMO? 
Apareceu um evento desse no meu feed. Nem sei do que se trata, mas achei legal pra caramba. 
Acho que estou nessa fase dos 20 e poucos que a gente já está, como se diz popularmente, cagando para o que acham de você. 
Poxa, que massa é esse sentimento de olhar para os seus “problemas” de escola e ver que não eram tão problemas assim. Até eu que não era emo queria ter sido agora. Que dahora era ser emo, assistir MTV, colar pôster na parede do quarto. 
Que coisa mais linda também é você assumir que gosta de música brega, né? Vi agora um menino novinho que postou um vídeo cantando Fagner. Hino é hino. Tô cagando pra vocês. 
Se ainda existisse Orkut, eu participaria de uma comunidade “Eu Gosto de Fagner, E Daí?” com certeza. 
Bom é ser o que se é. Contar quantas piadas ruins quiser. Cantar música italiana, High School Musical ou “o funk que Deus fez para você” nos corredores da faculdade. 
Ser adulto é pesado demais para não assumir que gosta de modão. 
Devia ter um direito constitucional que garantisse que a geração dos anos 90 pudesse assistir à Malhação de 2004 no Viva. 
Aí caramba! A vida seria mais leve se a gente desse mais valor para essas coisas! Talvez só saudosismo e nostalgia, mas e daí também né?

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Bruna Scopel’s story.