Que em 2016 a gente perceba que a nossa guerra não é:


  • Nós x Eles
  • Direita x esquerda
  • Israel x Palestina
  • Ocidente x Oriente
  • Azul x Vermelho
  • Situação x Oposição
  • Ateu x Cristão
  • Homem x Mulher
  • Esposa x Marido
  • Pai x Filho
  • Reformado x Pentecostal
  • Funkeiro x Roqueiro
  • Argentino x Brasileiro
  • Bolacha x Biscoito
  • Palmeirense x Corintiano
  • Grego x Troiano
  • Evolucionista x Criacionista
  • Humano x Humano

Que em 2016, a gente perceba finalmente que a nossa guerra é contra nós mesmos: nossos instintos e desejos, que de tão egoístas, ferem a todos para beneficiar a nós mesmos.

Que possamos perceber que a guerra é contra a nossa inércia, a nossa murmuração, nosso trazeiro no sofá e olhos na televisão, pouco fazendo e muito reclamando da situação.

Que possamos perceber que a guerra é contra aquela força que nenhuma teoria de Einstein explica, aquela força que nos impede de estender a mão, de arregaçar as mangas.

Que possamos entender que a guerra é contra o nosso espelho, que alimenta nossa vaidade e nos faz pensar que somos melhores que todos, e mais merecedores de tudo.

Que possamos entender que a guerra é contra a nossa falta de compreensão, doação, compaixão.

Que possamos entender que a guerra é contra nosso vício, que alimenta nossa carne e deteriora nosso espírito.

Enfim, no fim a guerra e entre você x você mesmo.

Então, para 2016 meu desejo é que você entre em guerra contra si mesmo, e morra. E então, que você possa nascer de novo.

Porque nascer de novo é a única chance. “Terás que renascer.”