Pixinguinha e os 100 anos de Carinhoso

Alfredo da Rocha Vianna Júnior, conhecido como Pixinguinha, gravou uma das canções mais importantes da música brasileira entre o 1916 e 1917 (como não existe registro, alguns historiadores divergem quanto a data) quando tinha apenas 18 anos. O garoto sempre foi considerado um prodígio, tocando cavaquinho desde os dez anos de idade e, com 14 anos, já era um exímio flautista que executava lindas harmonias todas as noites em uma casa de chope na Lapa, Rio de Janeiro, chamada A Concha.

Carinhoso é um choro que foge da forma tradicional. Normalmente, um choro é composto de três partes, cada uma com seu próprio tom musical. A canção é feita com apenas duas e, por medo de críticas negativas devido a essa mudança, Pixinguinha guardou a música até 1928. A música foi gravada com seu grupo da época, a Orquestra Típica Pixinguinha-Donga, na versão totalmente instrumental que você pode ouvir aqui embaixo:

Na época, alguns críticos não aceitaram a mudança do estilo de choro e mistura mais jazzística, como relatado na revista Phonoarte (nº 11, de 15/01/1929):

“Parece que o nosso popular compositor anda sendo influenciado pelos ritmos e melodias do jazz. É o que temos notado, desde algum tempo e mais uma vez neste seu choro, cuja introdução é um verdadeiro foxtrot e que, no seu decorrer, apresenta combinações de música popular yankee. Não nos agradou”.

Dessa forma, a canção acabou não ganhando muita popularidade e ficou encostada por quase dez anos. Somente em 1937 é que a música ganha os famosos versos “Meu coração/não sei por quê/Bate feliz quando te vê/E os meus olhos ficam sorrindo/E pelas ruas vão te seguindo,/Mas mesmo assim foges de mim” pelo colega e compositor João de Barro, o Braguinha.

E é com essa interpretação do “Cantor das Multidões”, Orlando Silva, que a música ficou eternizada no cancioneiro popular. É impossível não se arrepiar com o vozeirão do cantor e flauta do grande Pixinguinha:

De Elis Regina a Elizeth Cardoso, de Marcelo Camelo a Paulinho da Viola com Marisa Monte, Carinhoso possui dezenas de versões que mantêm viva a felicidade, amor e admiração que só um apaixonado de verdade poderia sentir.

PS: este é um vídeo bem legal em que Orlando Silva mostra a história da letra de Carinhoso e faz uma belíssima interpretação da música.