Por onde anda o Techno Viking?

E foi num dia desses que me perguntei: “Ué, cadê aquele viking parrudão que causou nas ruas da lemanha?”

O caso de fato já rolou faz uns 15 anos, nos anos 2000 pra ser mais exato. Por lá, tava rolando uma tal de Fuckparade e por mais ou menos quatro minutos, o grandalhão musculoso “protegeu os oprimidos”, “desdenhou um flyer qualquer” e “arrebentou no freestyle — ou algo do tipo — nas ruas”.

O vídeo só foi parar no youtube em 2005, foi bombar em 2007 e neste meio tempo, rolou processos com direito de imagem, onde o próprio “anônimo famoso” Techno Viking alegou que o autor do vídeo em questão, Matthias Frittish, infringia os seus direitos pessoais.

Mas agora fica a questão: Quem é Techno Viking?

Para responder, podemos chegar a Berlim e bater nas portas de Gunther Ackerman. O cara trabalha com Biologia e poxa, nos dias de hoje… Tá com um visu tão normal, mas tão normal, saindo do style lumberjack dois anos após o vídeo.

Gunther hoje e curtindo o próprio meme

E pesquisando um pouquinho mais a fundo, achei uma pergunta em referência aos seus movimentos, pois né, de onde veio toda aquela inspiração Odiniana. O cara manda uma dessa:

“Eu apenas estava seguindo o fluxo. Me lembro de ranger os dentes até uma semana depois do festival. Eu estava dentro da vibe; Tipo LEGO”.

Bom, o cara tinha lá seus 26 anos, frequentava a universidade e conseguia uma grana a partir de uma bolsa de pesquisa em sua área. Hoje, já diminuiu a marcha, soltou o machado e é mais um desses casos de “anônimos famosos” que perpetuam nossa amada e odiada internet.

Crowdvikingfunding

Lembra quando falei do cara que filmou o grandalhão sem camisa aí? Então, o tal Matthias está com um projeto de crowdfunding para documentar estes quinze anos de meme.

O interessante deste projeto é que, além de abordar sobre toda a problemática e da sua propagação nas interwebs, também teremos uma discussão quanto a: Direitos de Imagem, Apropriação Coletiva, Conteúdo Transformativo, conceitos do transmedia e muito mais!

Sobre os temas abordados no documentário de Matthias Fritsch

A Wired publicou uma nota sobre a produção do documentário bem interessante por AQUI e dá pra sacar que a história de Techno Viking tem muito pano pra manga. Antes de terminar o texto aqui, não vou deixar de postar a capa referência de Bernard Cornwell — Terra em Chamas.