Superando a depressão — Dia 7

Hoje faz uma semana desde que eu decidi falar abertamente sobre o que está rolando, tentar quebrar o tabu que existe sobre a depressão, fazer com que as pessoas entendam que não é uma frescura. É só uma alteração química no cérebro que causa uma doença que causa sofrimento e que pode ser muito grave.

Há uma semana eu tive meu último colapso. De lá para cá, tive dias ruins e dias que eu não deixei ficarem ruins. É isso que acontece: em alguns dias você consegue vencer a luta contra contra a sua cabeça. Acho que aos poucos estou conseguindo dominar essa arte.

Muita gente fala sobre “zona de conforto”. Talvez este seja o momento mais desconfortável da minha vida. É uma briga de 24 horas por dia contra você mesmo. Você não pode deixar a falta de serotonina te dominar e te jogar para mais para baixo que você já está.

Hoje vi de novo o filme Rocky Balboa (Eu amo os filmes do Rocky) e existe um momento que o Stallone fala:
“Nem você nem ninguém
Baterá tão forte quanto a vida
Mas não importa o quão forte você consegue bater
Mas quanto você aguenta apanhar e seguir em frente
Quanto você consegue aguentar para seguir em frente”

Quem me conhece sabe que eu não gosto muito de frases e textos motivacionais. Na real, acho muito brega. Mas acho que essa vai bem para o momento.

O que incomoda mesmo é a paralisia. Eu gostaria de estar fazendo muito mais coisas úteis do que estou fazendo. Gostaria de criar, planejar e tocar novos projetos. Gostaria de superar essa fobia social que me impede de conversar com mais pessoas, convidar alguém para fazer algo. Mas não me sinto seguro para isso. Não existe autoestima.

Mas quem sabe eu esteja dando dois passos para trás para dar um salto à frente?!

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.