Bitcoin em Angola?

Bruno Freitas
Dec 4, 2018 · 13 min read

Mas Bitcoin daqui, Bitcoin dali… mas Bitcoin é o quê então? E eu que vivo em Angola vou fazer o quê com isso?

Woié pessoal, sejam bem vindos a este post, eu sou o Bruno Freitas e hoje vamos falar de Bitcoin, e as suas vantagens para o contexto Angolano. Antes de começar quero dizer que este post não é muito técnico, ou seja, é mesmo para aquelas pessoas que não entendem nada disso e querem saber superficialmente o que é Bitcoin e como é que pode ser usado em Angola, então os conceitos foram muito simplificados. Agora, nas notícias vemos toda hora que “Ah porque o preço do Bitcoin subiu, ah porque é uma bolha, ah porque só os bandidos é que usam”, mas isso é então é o quê? Eu como Angolano posso fazer o quê com isso?

Introdução

Atenção pessoal, quero dizer que tudo que está a ser dito neste post é apenas a minha opinião, minha visão e percepção sobre estes tópicos. Eu não represento nenhuma instituição ou entidade legal. Façam os vossos investimentos por vossa própria conta e risco.

Bom Bitcoin é um sistema que permite fazer pagamentos entre 2 pessoas usando a internet. Yah eu sei, já existem muitos sistemas que fazem isso tipo paypal por exemplo… Mas o Bitcoin é diferente porque não tem nenhuma empresa ou instituição que controla o sistema. O inventor do Bitcoin (que ninguém sabe quem é exactamente, só se sabe que é um tal de Satoshi Nakamoto) criou o sistema como sendo uma alternativa ao modelo financeiro actual, e diz-se que ele foi inspirado pela crise mundial de 2008, em que determinados países controlavam a economia mundial, e que quando esses países entraram em crise o mundo também entrou em crise. Depois do Bitcoin ter sido criado, o tal de Satoshi Nakamoto partilhou com o mundo toda a documentação e o código do sistema (de borla mesmo). Qualquer pessoa pode aceder essa documentação e qualquer pessoa pode usar o sistema, independentemente do país, região, continente, estado social ou situação financeira. Em 2009 o sistema foi lançado na Internet e a comunidade começou a utilizar. No princípio era uma coisa só para quem estava dentro do assunto, os engenheiros curiosos, os estudantes universitários, os programadores, enfim, e era utilizado para trocas de serviços entre 2 pessoas.

Funcionamento

Para o sistema do Bitcoin funcionar é necessário existirem vários computadores ligados entre sí pela internet com o “programa do Bitcoin” instalado. Esse programa é responsável por validar todas as transferências que são feitas e por manter um registo de todas as transferências. Por exemplo, no dia X o Bruno enviou 50 AOA para a Maria, no dia Y a Maria enviou 50 AOA para o João, e etc. Todos os computadores tem o programa do Bitcoin instalado, tem o mesmo registo de transferências. Para fazer uma transferência usa-se uma aplicação que normalmente se instala no telefone, chamada de carteira digital. Essa carteira digital tem um endereço que é tipo um número de conta. Para se poder “usar” essa carteira digital, é necessário ter um código que só o dono é que pode ter. Usando a criptografia e o código do dono da carteira, é criada uma assinatura digital que irá comprovar que o dono da carteira é realmente o dono do dinheiro. Então, vamos supor que a pessoa A queira fazer uma transferência para a pessoa B. A pessoa A pega no telefone, usa o seu código para abrir a carteira digital, põe o endereço da pessoa B, põe o valor que quer transferir para a pessoa B e clica em enviar transferência. Essa transferência vai ser enviada pela internet e vai ser recebida por um dos computadores que tem o programa do Bitcoin instalado. Vamos chamar esse computador que recebeu essa transferência de Computador 1. O programa do Bitcoin do Computador 1 vai validar a transferência. Validação consiste em verificar se a pessoa A não está a tentar enviar mais dinheiro do que tem para a pessoa B ou verificar se a assinatura digital da pessoa A é válida. Se estiver tudo bem com essa transferência, o programa do Bitcoin do Computador 1 vai incluir essa transferência no seu registo de transferências, vai enviar essa mesma transferência para todos os outros computadores ligados a ele e que tem o programa do Bitcoin instalado, e esses outros computadores vão fazer a mesma coisa até que todos os computadores com o programa do Bitcoin instalado tenham as mesmas transferências nos seus registos. Isso vai fazer com que todos os computadores tenham a mesma informação no seu registo de transferências. Essa rede de computadores que faz com que os registros de transferências dos computadores sejam sempre todos iguais chama-se Blockchain. O nome Blockchain significa cadeia de blocos e foi dado este nome porque as transferências são agrupadas em blocos e os blocos são sempre sequenciais. Os indivíduos que tem o programa do bitcoin instalado nos seus computadores são chamados de mineiros ou “miners” em inglês. Os mineiros estão espalhados por todo mundo (incluindo Angola) e são remunerados pelo próprio programa do bitcoin como forma de incentivo pelo facto de disponibilizarem os seus recursos (capacidade computacional dos computadores e energia elétrica) para suportar a rede do Bitcoin.

Bitcoin é considerada uma cripto-moeda pelo facto de utilizar a criptografia como forma de garantir a autenticidade dos indivíduos envolvidos em uma transferência. Existem mais de 1.000 criptomoedas mas a Bitcoin é a mais utilizada actualmente. É gerado um novo bloco de transferências a cada 10 minutos. Uma transferência leva de 10 a 30 minutos a ser feita com taxas mais baixas do que as outras soluções que andam pela internet. São injetados cada vez menos bitcoins na rede e quem garante essas regras é o programa do Bitcoin.

Pontos fortes e pontos a melhorar

Existem alguns pontos que diferenciam o Bitcoin do sistema financeiro convencional. E quando digo sistema financeiro convencional refiro-me à VISA, MASTERCARD e etc.

Pontos Fortes:

  • Podem ser transferidos Bitcoins de uma pessoa A para outra B, com taxas abaixo de 1 USD independentemente da localização física da pessoa B.
  • O sistema do Bitcoin funciona porque existem milhares de computadores ligados à internet que têm o programa do Bitcoin a correr. Por causa disso, o Bitcoin funciona de forma descentralizada, ou seja, para desligar o sistema do Bitcoin seria necessário desligar todos os computadores que têm o programa do Bitcoin, o que é teoricamente impossível. Isso seria o equivalente a desligar a internet.
  • Por ser um sistema programado e descentralizado, não existe a necessidade de confiar numa unidade central para validar as transferências.
  • No contexto Angolano, o Bitcoin pode ser utilizado para pagar produtos ou serviços que são vendidos fora do país, como se fossem divisas.
  • O Bitcoin permite fazer um rastreamento de todas as transferências feitas. Sites como www.blockchain.info por exemplo foram criados só para isso.
  • Ao contrário do que se vê nas notícias, o sistema financeiro do Bitcoin em si, nunca foi hackeado. O que aparece nas notícias, são as casas de câmbio que não têm métodos de segurança suficientes para proteger os seus utilizadores. Existem vários métodos para obter Bitcoins que não incluem as casas de câmbio. Mais adiante vou dar, mais detalhes sobre as casas de câmbio e dicas de segurança. Eu aconselho sempre a todo mundo a pesquisar antes de utilizar Bitcoins porque existem muitos oportunistas na Internet que se aproveitam da inocência das outras pessoas. No final, Bitcoin é só uma ferramenta e quem define a utilidade desta ferramenta, são as pessoas que a utilizam.
  • O sistema do Bitcoin em si, não proporciona uma forma de converter Bitcoins em moedas convencionais e quem determina o preço de um Bitcoin em uma moeda convencional são as casas de câmbio. As casas de câmbio utilizam as leis da procura e oferta para determinarem o preço. Quando a procura aumenta o preço sobe. Quando a procura diminui o preço baixa.

Pontos a melhorar:

  • Como o Bitcoin é só uma ferramenta e quem define a utilidade de uma ferramenta são as pessoas que a utilizam, é conveniente que haja alguma regulamentação para evitar que as pessoas de má fé utilizem esta ferramenta para prejudicar os outros. Alguns países do mundo estão a trabalhar arduamente para classificar e regulamentar o uso de Bitcoins. De forma geral as empresas que usam Bitcoins como forma de pagamento utilizam alguns mecanismos para registrar as pessoas que usam os seus sistemas. Sistemas como o AML (Anti Money Laundering — Anti Lavagem de Dinheiro) e KYC (Know Your Customer — Conheça o seu cliente) são muito usados nas instituições que utilizam Bitcoins como método de pagamento. Nos países como os USA por exemplo, os profissionais ligados a esta tecnologia trabalham com o governo para ajudar a regulamentar a utilização de Bitcoins e outras criptomoedas.
  • Actualmente o número máximo de transações por segundo é muito baixo (de 3.3 a 7 TPS). Com o aumento da utilização isto poderá tornar-se um problema no futuro. Para corrigir esta situação estão ser desenvolvidas soluções para este problema. Afinal, o Bitcoin é um programa e os programas podem ser actualizados para proporcionar melhorias às pessoas que utilizam.

Como adquirir Bitcoins em Angola

Existem várias opções para adquirir Bitcoins em Angola, mas antes de tudo é necessário termos a nossa carteira digital. Existem carteiras digitais em que o utilizador fica com as suas chaves privadas e existem outras em que o utilizador não fica com as suas chaves privadas. As chaves privadas de uma carteira digital é que permitem que o dinheiro seja movimentado, ou seja, se as chaves privadas estiverem em posse do utilizador os fundos podem ser movimentados a qualquer altura. A desvantagem é que se algum dia o utilizador perder as suas chaves privadas, perde para sempre a possibilidade de movimentar o dinheiro. Agora, quanto às carteiras digitais em que o utilizador não fica com as chaves privadas, estas são mais fáceis de configurar, o utilizador não necessita de se preocupar em guardar as chaves privadas e pode ter acesso aos seus fundos utilizando um username e password. Em contrapartida caso haja algum ataque ao site/empresa responsável por essa carteira, o dinheiro será perdido. De forma geral segundo as pesquisas feitas na internet, aconselha-se a deixar grandes quantias de dinheiro em uma carteira digital em que se tenha as chaves privadas. Se o plano do utilizador for guardar os Bitcoins por muito tempo, também é bom que seja numa carteira em que seja possível guardar as chaves privadas. Agora, para adquirir Bitcoins ou para fazer transações pode-se utilizar temporariamente as carteiras em que não temos acesso às chaves privadas. Dizendo de forma mais simples, com as chaves privadas o dinheiro é meu e está comigo. Sem as chaves privadas o dinheiro está a ser gerido pela pessoa ou instituição que tem as chaves privadas.

Exemplos de carteiras digitais:

Online

  • Blockchain.info (no private keys)
  • Coinbase (no private keys)

Desktop

  • Jaxx (private keys)
  • Exodus (private keys)

Mobile

  • Copay (private keys)
  • Mycelium (private keys)

Para mais detalhes podem visitar este site e encontrar mais opções de carteiras digitais.

Depois de termos a nossa carteira digital, para obter Bitcoins podemos:

  • Comprar
  • Trabalhar por Bitcoins
  • Vender produtos por Bitcoins
  • Minerar

Comprar Bitcoins

A forma mais fácil de comprar Bitcoins (em Angola) é utilizando o site www.localbitcoins.com. A primeira vez que tive Bitcoins na carteira foi através deste site. Na verdade eles são mediadores e o processo é bastante simples. Abre-se uma conta no site, procura-se por um vendedor de Bitcoins tendo em conta o país, no nosso caso Angola, escolhemos um dos vendedores tendo em conta o preço mais conveniente, colocamos o montante que queremos em Bitcoins e depois seguimos as instruções de pagamento do vendedor. A partir do momento em que iniciarmos a troca, o site irá bloquear os Bitcoins do vendedor e só irá desbloqueá-los quando o vendedor confirmar que o dinheiro foi enviado. Normalmente eu escolho sempre vendedores com 100% de taxa de sucesso. Até hoje nunca tive nenhum problema no neste site e já fiz mais de 3 transações.

Também é possível comprar Bitcoins utilizando o site www.coinmama.com. Nunca utilizei este site mas pelas investigações que fiz, cheguei à conclusão de que é muito bom. Para comprar é necessário enviar informações pessoais como passaporte, morada, fotografia e etc…Eles levam algum tempo a validar as informações enviadas e logo a seguir permitem que o utilizador faça a compra Bitcoins e Ethereum com um cartão de crédito. Não é necessário comprar 1 Bitcoin inteiro. O Bitcoin pode ser subdividido em casas decimais e pode-se comprar décimas ou milésimas de Bitcoin, porque normalmente o preço de 1 Bitcoin é alto.

Trabalhar por Bitcoins

Até ao momento nunca fui remunerado em Bitcoins por um serviço prestado mas sei que essa opção está disponível. Segundo as pesquisas que fiz, existem alguns sites como:

https://www.xbtfreelancer.com/

https://www.reddit.com/r/Jobs4Bitcoins/

Estes sites fazem a interligação entre as pessoas que procuram trabalhos remunerados em Bitcoins e pessoas interessados em pagar Bitcoins por um serviço prestado. Sugiro que façam a vossa própria pesquisa para tomarem uma decisão com mais informação. Acho esta uma boa opção visto que no nosso país temos dificuldades em obter cartões VISA. Na altura em que pensei em prestar serviços por Bitcoins encontrei vários propostas para programadores, tradutores de conteúdo (de inglês para português), tradutores dos áudios de cursos online (de inglês para português), designers e etc.

Vender produtos por Bitcoins

Vender produtos por Bitcoins também é possível estando em Angola. Existem alguns sites que facilitam este processo como por exemplo:

www.paxful.com

https://openbazaar.org

Eu já usei o paxful e tive uma boa experiência. Na altura comprei um gift card da Playstation Network numa loja aqui em Luanda e depois cadastrei-me no site Paxful e vendi o gift por BTCs. Na realidade o site também só serve de mediador entre as pessoas que querem vender produtos e pessoas que querem comprar. Pareceu-me um site mais especializado em mediação de items digitais que tenham um código de activação ou algo similar. Existem vários compradores e cada um anuncia quanto está disposto a pagar por um gift card. Em média consegue-se vender o gift card a 80%-90% do seu valor total. Tendo comprado o gift card em Kwanzas e vendido por BTCs considerei uma boa troca.

O openbazaar eu nunca usei, mas já lí um pouco sobre o site e tem muito bons comentários.

Lembrando que estes sites só servem de mediadores então há sempre algumas medidas de segurança que devem ser aplicadas. Façam sempre a vossa própria pesquisa antes de tentarem comprar ou vender produtos. Tentem garantir sempre que todas as transações são feitas dentro da plataforma, porque a plataforma tem mecanismos para proteger os dois lados e em caso de falha de um dos lados, a plataforma resolve. Nada de combinar coisas pelo whatsapp ou telegram.

Minerar

Minerar criptomoedas é uma das formas de obter Bitcoins. De forma resumida, minerar é o processo de disponibilizar o nosso computador ou servidor para ajudar nas transações das criptomoedas. Por exemplo quando se faz uma transferência de uma carteira digital para outra, existem vários computadores espalhados pelo mundo que vão ajudar a fazer com que essa transferência seja feita. Se formos mineradores, seremos um desses computadores. Em troca desta ajuda, o sistema remunera-nos com criptomoedas tendo em conta a capacidade que o nosso computador ou servidor tem. Então, quanto mais potente for o computador para minerar mais criptomoedas ganhamos. Como o custo de energia em Angola é mais baixo do que em muitos países do mundo, compensa bastante porque conseguimos ter rentabilidade mesmo quando o valor das criptomoedas baixa. Uma outra vantagem da mineração é o facto de termos de fazer a configuração apenas uma vez e depois não precisamos de fazer mais nada a não ser esperar que as criptomoedas sejam enviadas para a nossa carteira digital. A grande dificuldade é a aquisição dos computadores e componentes necessários para fazer mineração. Falo destes detalhes por experiência própria e eu estou a preparar um post para partilhar com vocês sobre como começar a minerar e todos detalhes sobre a minha experiência como minerador em Angola.

Utilidade no contexto Angolano

Depois de adquirirmos criptomoedas podemos:

  • Fazer Compras Online
  • Transportar Mercadorias para Angola
  • Investir
  • Cashout (para Divisas ou para Kwanzas)

Fazer Compras Online

Com criptomoedas podemos fazer compras Online. Já existem várias opções e muitos sites já aceitam pagamentos em criptomoedas. Abaixo alguns exemplos:

Transportar mercadorias para Angola

Depois de fazer compras fora do país, a maior preocupação é fazer com que as compras cheguem até ao nosso país. Para isso pode-se usar o www.shipito.com. Eu já usei este site e sempre funcionou. Tive problemas uma vez com um dos meus pacotes mas no final ficou tudo bem e eles devolveram-me o dinheiro.

Investir

Para quem pensa em investir em projectos promissores, existe uma indústria inteira que usa criptomoedas para investir em projectos. No mercado financeiro convencional temos o que chamamos de IPO que no fundo é uma angariação de fundos para que se consiga implementar um determinado projecto. No mundo das criptomoedas existem as ICOs que servem para o mesmo fim só que o investimento em feito em criptomoedas. Por exemplo está em curso a ICO de uma casa de cambio focada no continente Africano ( www.kubitx.com ). Pode-se investir nesse projecto usando criptomoedas e em troca ganhamos as unidades utilizadas para fazer transferências nessa casa de câmbio. Existem várias ICO e aconselho a fazerem a vossa pesquisa e se investirem em algum projecto, façam-no por vossa própria conta e risco.

Cashout

No mundo dos negócios o termo “Cashout” significa tirar uma certa quantia monetária do negócio. Aqui ao utilizar este termo, refiro-me ao acto de transformar as criptomoedas em moedas convencionais como o AOA ou o EURO. Podemos facilmente transformar criptomoedas em AOA utilizando uma casa de câmbio Angolana ( www.angobit.io ) que aceita critptomoedas e deposita o equivalente em AOA numa conta bancária. Podemos também converter as criptomoedas em EUROS utilizando uma conta bancária em EUROS. No banco Atlantico Europa por exemplo é possível abrir uma conta bancária em EUROS desde que se tenha todos os documentos necessários. Basta baixar a App deles e seguir as instruções (https://www.atlantico.eu/). Tendo um conta em EUROS podemos utilizar o site www.localbitcoins.com para encontrar um comprador de criptomoedas em EUROS e fazer a transação. Eu já utilizei esta opção e nunca tive problemas. Outro site que também já utilizei foi o www.spectrocoin.com que também permite que o utilizador envie criptomoedas para o site e o site depois faz um depósito numa conta bancária à escolha do utilizador. Uma dica muito importante sobre o cashout é a altura em que se decide fazer o cashout. Depois de ter acompanhado o mercado das criptomoedas durante mais de um ano, cheguei à conclusão de que o mercado é cíclico, ou seja, ele sobe e desce. O importante é definir com clareza qual é o objectivo do cashout e cumprir este objectivo. Façam a vossa própria pesquisa no que toca ao cashout. No final, a prática leva sempre à perfeição. Não se preocupem se falharem algumas vezes, isso faz parte do processo e é normal. O mais importante é aprender com os erros.

Bom pessoal, é tudo por agora e espero ter sido útil. Batam palmas se gostaram das dicas ou não batam palmas se não gostaram, deixem-me dicas do que gostariam de ver nos próximos posts e o que mais seria útil para vocês. Adeus por agora e até ao próximo post. Enquanto isso vamos falando nos comentários. Xau xau…

More From Medium

Top on Medium

Top on Medium

Apr 5 · 6 min read

12.6K

Welcome to a place where words matter. On Medium, smart voices and original ideas take center stage - with no ads in sight. Watch
Follow all the topics you care about, and we’ll deliver the best stories for you to your homepage and inbox. Explore
Get unlimited access to the best stories on Medium — and support writers while you’re at it. Just $5/month. Upgrade