Sobre amor e relacionamentos

E o que eu consegui aprender com a vida

Ao longo desse texto, usarei como base algumas partes do filme La La Land e, se você quiser saber o que eu penso sobre sonhos, só clicar aqui. Caso você não tenha visto o filme, recomendo que veja para que fique mais fácil captar as referências. E, claro, para que você não leve spoilers que não quer levar. Caso você não se incomode com isso, venha comigo. Vamos falar sobre amor.


Em resumo, La La Land conta a história de duas pessoas que se encontram por acaso e começam a viver um relacionamento, até quando a vida os permite. De um lado, temos Mia, uma barista que tem um sonho de ser uma atriz bem-sucedida; e Sebastian, um pianista que sonha em montar o próprio clube de jazz.

Observe os destaques. Encontro por acaso e sonhos. No momento em que os dois se encontram e percebem que existe um sentimento, começam a desenvolver um relacionamento amoroso. É interessante ver como esse relacionamento se desenrola ao longo do filme, até que, em um determinado momento, Sebastian recebe uma proposta de um antigo conhecido para entrar em turnê com uma banda. Preocupado com o futuro que teria com Mia, e de forma a proporcionar uma vida melhor para o casal, ele aceita a proposta, enquanto ela abandona a cafeteria e foca em escrever suas próprias peças. Acho realmente bonito quando as pessoas começam a moldar suas vidas pensando em um futuro com outro alguém.

Em um determinado momento, após uma discussão, uma oportunidade surge também para Mia. O relacionamento começa a se aproximar, então, de um ponto de virada. Caso os dois quisessem seguir seus sonhos, não havia outra opção senão a separação. Nesse cenário, sonhos e amor não podiam coexistir. E aí temos essa cena:

“Eu sempre vou te amar.” / “Eu sempre vou te amar também.”

É aí que a gente começa a perceber que o amor verdadeiro pode até ser real, mas nem sempre vai ser possível. Depois de um corte de tempo, vemos uma Mia de 5 anos no futuro, casada e com uma pequena filha. Ela conseguiu sua fama como atriz e, em uma determinada noite, ela entra em um clube de jazz, pertencente a ninguém menos que Sebastian. Quando percebe a presença dela, o pianista assume o instrumento e toca a mesma música de quando os dois se conheceram. Mia e o marido vão embora. Porém, antes de sair, ela volta seus olhos para o palco e ocorre a troca de olhares mais significativa que eu já vi na vida.

Sente o peso dessa cena

Nesse momento, eles não falam uma palavra sequer, mas os olhares dizem tudo. Após uma passagem imaginária sobre como poderia ter sido caso os dois tivessem ficado juntos, eles se olham desse jeito e o filme termina assim.

Mas o que essa troca de olhares quer dizer?

Quer dizer que o amor deles ainda existe e é tão forte quanto fora, mesmo que os dois não estejam juntos. Mia vê que Sebastian realizou seu sonho e fica feliz por ele. Ele sabe que ela atingiu a fama que tanto sonhava, e também fica feliz. E é isso que faz a vida valer a pena.

Em algum momento, a sociedade deturpou o amor a tal ponto que situações como essa são cada vez mais raras. As pessoas buscam relacionamentos muito mais efêmeros, contentando-se apenas com um pouco de prazer momentâneo. Não é minha intenção fazer uma crítica a isso, no entanto. Mas é estranho ver como as pessoas dizem que se sentem frustradas com o amor quando, na verdade, não se dão sequer uma chance de tentar viver algo do tipo. Esse relacionamento forte, pautado em parcerias e compartilhamento de felicidades. É aí que o amor se esconde.

Se você encontrar alguém com quem pode se permitir ser você mesmo, viver as suas alegrias e correr atrás dos seus sonhos, você teve sorte no amor. Mas nem sempre isso vai acontecer, e aqui vai a grande ideia desse texto: está tudo bem. Pode ser que você ache outra pessoa tão boa quanto, talvez até melhor. Pode ser que você não encontre e seja ainda mais feliz vivendo sozinho (amor próprio também é amor). Mas o amor não precisa necessariamente morrer. Porque em torno dele, existe uma história. Uma história que merece ser contada, independente das circunstâncias. E o mais importante de tudo, que fica como minha mensagem final para você:

Viva o amor enquanto ele existir.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.