A Planilha das Agências

Semana passada, para ser mais exato na quinta-feira, começou a rolar uma planilha onde as pessoas poderiam colocar de forma anônima como é trabalhar nas agências. Infelizmente, a planilha saiu do ar e não é mais possível ver o que o pessoal falou, mas, boa parte, era metendo o pau nas agências e nos chefes.

Três coisas chamam atenção. Primeiro que trabalhar em agência não tem agradado muita gente. Segundo que um monte de agências que pagam de moderna, cabeça aberta e “antenadas” com o comportamento do consumidor, na verdade, não faz nada de diferente das outras. Terceiro é que ninguém vai fazer nada para mudar as coisas.

Publicidade era A profissão a se seguir no início dos anos 2000. Pagava bem, era descolado, incentivava a criatividade e era o mais próximo que pessoas criativas conseguiam se imaginar fazendo para pagar as contas. Duvida disso? Só ver a quantidade de punks na adolescência que acabaram em agências. Ironias da vida, não?

Com o boom de profissionais no mercado, tudo que já era meio cagado, cagou de vez. Muita gente disponível = salários baixos. Marketing 101. E óbvio que as agências usaram isso ao seu favor. Hora extra? Acho que ninguém do ramo já recebeu isso (isso já existia antes dos anos 2000).

Agência é igual a qualquer outra empresa, mas trabalhando 12 horas por dia, virando noite e comendo muita pizza.

Vida de quem trabalha com publicidade não é fácil. Pressão de ter uma ideia foda, vender essa ideia pro cliente e fazer ela caber em uma verba que, em 99% das vezes, não encaixa. Some isso ao horários absurdos, chefes com ego do tamanho do universo e salários ridículos, não era de se esperar nada diferente do que uma porrada de gente infeliz.

E as agências modernas? Porra! Os caras são profissionais de Marketing. Óbvio que também iam usar isso ao seu favor. E não tenho dúvida, quando questionar alguém dessas agências do porque que o que sai não é lá essas coisas, vão dizer “o cliente é ruim”. Claro!

De uns anos para cá, poucas campanhas feitas aqui foram fodas mesmo (Cannes não vale. Todo mundo sabe que o Brasil é o país dos fantasmas). Pelo menos a maioria das agências não mentem dizendo que vão fazer algo que você nunca imaginou. Nisso elas são bem sinceras “nosso trabalho será muito parecido com o que você conseguiria na nossa vizinha, mas somos mais cools e cobramos menos”.

Agora, vamos ao que interessa. “Quais serão as consequências dessas planilha?”
Nenhuma!

Tenho certeza que um monte, se não todos, líderes de agência riram da iniciativa. Devem ter falado que era um monte de crianças mimadas que não querem ralar ou que é tudo mentira.

Você consegue ver um líder de agência admitindo que está errado?

Na cabeça deles, o mundo das agências é perfeito. Todo mundo é feliz porque tem uma sala de descompressão, os salários são baixos porque o cliente não quer gastar dinheiro e eles não são abusivos.

Machismo em propaganda? Isso aí é coisa de feminazi. Só idéias bostas na rua? Culpa do cliente! Clientes insatisfeitos com os resultados? Resultados? Que isso! Ganhamos 234789654 leões em Cannes nos últimos anos.

As agências não querem mudar. Dá muito dinheiro ser desse jeito e que se foda o resto!

Cuidado, agências, daqui a pouco vocês não acham mais ninguém querendo trabalhar para vocês e vão ficar se perguntando igual idiotas “Como isso aconteceu? Somos descolados, bebemos no escritório, viajamos para França todos os anos e nossos escritórios ficam nas melhores regiões da cidade!”

Tudo lindo para vocês, mas o que as pessoas querem são salários decentes, não se sentirem exploradas, clima legal para trabalhar, abertura para fazer diferente, colocar trabalhos legais na rua e gerar resultado para para o cliente.

Exatamente tudo o que vocês deveriam fazer, mas não querem.

Ou as agências mudam ou elas vão morrer.


♫ Post feito ao som de: Millencolin — Home From Home