A SOLIDÃO DE LAIKA UIVANDO PARA O INFINITO

a minha poesia foi escrita
para os cães sem donos
os gatos famintos da madrugada
os pássaros enjaulados

a minha poesia foi escrita
para os corações dilacerados
os corações não amados
sobretudo os não tocados

a minha poesia foi escrita
para as cantoras que morreram
e queriam cantar
para as cantoras que se suicidaram
e só queriam cantar

a minha poesia foi escrita
para os gênios que morreram
incompreendidos
loucos
de câncer
de aids

a minha poesia foi escrita
para os miseráveis
que morreram miseráveis
nas ruas das cidades mais ricas

a minha poesia foi escrita
principalmente para a cadela Laika
que morreu sozinha no espaço
sem saber por que estava lá

Bruno Latorre