O que estamos fazendo para melhorar o mundo ao nosso redor?

“Revolucionário é todo aquele que quer mudar o mundo e tem a coragem de começar por si mesmo” — Sérgio Vaz
“Unsung Hero” um comercial da Thai Life Insurance que faz refletir bastante sobre o poder das nossas pequenas ações. (Clique na imagem para ver o vídeo legendado)

A palestra “Corrente do Bem” nasceu de um questionamento parecido com o título desse texto, “o que eu estou fazendo para mudar o mundo ao meu redor?” e descobrir a resposta foi no mínimo interessante e me fez refletir sobre a realidade do mundo de hoje.

Atualmente, as redes de informação e a inclusão digital tornaram mais fácil para que uma ideologia chegue até as pessoas, graças a elas agora é possível que nossas ideias cheguem cada vez mais longe com cada vez menos esforço e o debate ideológico está mais forte do que nunca. Esse debate ideológico fortalecido nos gerou diversos resultados positivos, as pessoas agora têm mais noção dos problemas do mundo ao seu redor, desconstroem mais e mais facilmente conceitos nocivos como racismo, machismo, homofobia e etc… Tudo isso teve seu ponto positivo muito grande e é vital para construirmos uma sociedade melhor.

Hoje as empresas estão tendo que se adaptar, as propagandas estão se adaptando e pouco a pouco a sociedade vai percebendo que certos pensamentos de antigamente não funcionam mais na nossa sociedade atual e eles vão caindo por terra pouco a pouco e tudo isso se deve à essa facilidade de propagar ideologias pelos meios de comunicação (mas em especial a internet e as redes sociais).

Mesmo assim, apesar dessa ser uma parte importante na construção de um mundo melhor para todos, este é apenas um dos alicerces. Há também a necessidade de trazermos tudo aquilo para a prática e além de trabalhar ideologicamente nas redes sociais, podermos fazer parte da mudança prática na “vida fora do computador”.

As redes sociais nos dão a impressão de que estamos fazendo mais do que estamos realmente fazendo.

Apesar de todos os pontos legais que as redes sociais nos apresentaram, elas criaram um efeito interessante. Elas nos dão a impressão de que estamos fazendo muito mais do que realmente estamos para mudar o mundo, parece que estamos fazendo muitas coisas práticas quando as vezes nossas ações naquele espaço se prendem muito ao campo ideológico (não-prático). Isso quer dizer que se prender ao campo ideológico é ruim? Claro que não, como eu já disse antes, ele é MUITO importante! Mas na maioria das vezes tem muito mais que podemos fazer.

Existe hoje um monte de projetos sociais de diversos tipos, com diversos focos para ajudar diferentes grupos de pessoas; moradores de rua, refugiados, comunidades carentes, crianças… E na maioria das vezes esses projetos caminham com dificuldade ou acabam morrendo por falta de recursos financeiros e (principalmente) voluntariado.

Em muitos casos tudo que é preciso é dispor de algumas horas apenas algumas vezes na semana ou no mês e ajudar bastante a melhorar a vida de outras pessoas. Mas mesmo assim esses projetos muitas vezes não vão pra frente por falta de voluntários.

Em comparação, a coisa mais fácil do mundo na era da informação é lançar uma campanha nas redes sociais e fazer ela alcançar mais e mais pessoas e criar com isso nas pessoas um sentimento que elas estão fazendo parte de uma grande ação prática. Essa facilidade se explica porque o esforço envolvido em compartilhar uma hashtag, colocar um filtro no perfil e compartilhar campanhas é muito pequeno e é algo simples de fazer.

Mas a beleza de ajudar as outras pessoas e melhorar o mundo na maioria das vezes não está em fazer coisas grandes que alcançam muitas pessoas a longo prazo (como funcionam as importantes campanhas ideológicas) e sim em poder diminuir a dor e o sofrimento daqueles que estão ao nosso lado a curto prazo e muitas vezes não é preciso muito para poder fazer isso.

As vezes, as coisas simples carregam uma importância de um significado muito maior do que podemos pensar e atribuir à elas, o que parece pouco para você pode ser muito para aquele que necessita e a maior riqueza do mundo para aquele que não tem nada! (Clicando na imagem tem uma música muito bonita pra ler o resto do texto ;D )

Cada um de nós tem a capacidade de fazer o mundo ao nosso redor um pouquinho mais bonito e alegre.

Por isso o meu convite com esse texto é que, mesmo que seja pouco, mesmo que seja algumas horas do nosso mês, da nossa semana, do nosso dia e nem que seja apenas com ajuda financeira mas vamos ajudar esses projetos, vamos ajudar as pessoas que estão ao nosso redor e que precisam a terem uma vida melhor. Vamos doar mais nosso tempo, nosso esforço, nossos objetos materiais, vamos doar nossa atenção e ajudar assim a sustentar todos esses projetos.

Não deixemos que as coisas boas fiquem apenas no campo ideológico, enquanto não pudermos mudar o mundo como um todo, que possamos fazer nossa parte para mudar o que está ao nosso redor e ajudar aquelas pessoas que precisam e estão próximas de nós. Vamos dar ao mundo aquilo que temos de melhor e receber com isso a satisfação de saber que nossas ações estão ajudando a vida de alguém a ser um pouquinho mais feliz.

Mesmo que seja pouco, mesmo que pareça pequeno, tudo aquilo que fizermos para ajudar alguém que precisa tem seu valor. As vezes, o que parece pouco ou quase nada para nós pode ser tudo na vida de quem não tem nada.

E vamos sim continuar compartilhando campanhas em redes sociais, hashtags, textões e o tudo que puder ajudar o campo ideológico a melhorar cada vez mais, mas vamos dar atenção também ao campo prática e nos atentarmos ao que podemos fazer já agora para que os dois consigam andar lado a lado e se tornem completos.

Um segundo pedido meu com esse texto é que compartilhem e ajudem todas as iniciativas boas (mesmo as que vocês não podem ajudar) a chegar mais longe, convidem seus amigos e familiares para estarem unidos com vocês no ideal de criar um mundo melhor, criem uma verdadeira Corrente do Bem e vamos fazer com que cada vez mais o mundo seja mais brilhante para todos.

“ As pessoas têm medo de mudar, de pensar que as coisas podem mudar, o mundo não é feito somente de merda!, mas é difícil para quem se acostumou com as coisas como elas são, mesmo que sejam ruins elas não mudam, então as pessoas desistem, quando isso acontece todo mundo sai perdendo.” — Filme “A Corrente do Bem”.

Obrigado à todos que leram até aqui, esse texto faz parte de uma série de quatro textos relacionados aos assuntos tratados na palestra “Corrente do Bem” do Projeto Encanto Musical, os textos são postados semanalmente na página do projeto todas as segundas-feiras. Se o texto te tocou e/ou te acrescentou em algo, peço gentilmente que compartilhem com outras pessoas, quem sabe não as toca também?

Obrigado novamente a todos que leram até aqui e a todos aqueles que pelo menos pararam para pensar no assunto e refletir sobre o seu papel!

Atenciosamente,

Mend.

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Bruno Mend’s story.