Questionamento, Reflexões e uma Carta

Para todos os homens da minha vida. — Pratima Sutar

Esse texto é uma tradução na íntegra do texto “Rantings, Reflections and a Letter” da Pratima Sutar, o texto original pode ser lido clicando aqui, os pontos do texto onde eu adicionei notas pessoais serão marcados com um * e as notas estarão disponíveis no final em português e inglês, Boa Leitura!. / This text is a full lenght translation from the original “Rantings, Reflections and a Letter” wrote by Pratima Sutar, the original text can be read here, I will mark some passages with * and take notes on them in both english and portuguese in the end of the text. Good Reading!

Apenas mais um dia no escritório quando de repente eu sinto uma pontada no estômago.

Droga, de novo não, não agora. Estou naqueles dias.

Meu coração acelera com o prospecto do encontro semanal que eu tenho que comparecer nos próximos dez minutos, que provavelmente vai durar algumas horas. Eu me puno mentalmente por deixar isso me pegar desprevenida e resolvo, talvez pela enésima vez, finalmente começar a anotar meu ciclo menstrual.

Para esclarecer para o leitor não-iniciado, vou tentar dar uma percepção honesta do que é a menstruação. Imagine que você está sentado dentro de um carrinho de montanha-russa e ele chega no ponto mais alto e de repente mergulha pra baixo. Essa sensação no seu estômago nesse momento é semelhante à pontada no estômago.*Agora, imagine estar sentada no carrinho com uma venda nos olhos. Então basicamente, você não tem a menor ideia de qual ponto da corrida o mergulho vai acontecer o que resulta em um enorme nível de ansiedade. Lembra da “Brincadeira do Tapa” onde Barney escolhe levar cinco tapas ao longo de toda a eternidade? As mulheres têm que encarar esse desafio todo mês, quando você nem sequer sabe quantas pontadas vai ter que aguentar. Essa é a principal razão das mulheres ficarem bastante irritadas ao final disso e basicamente ficarem prontas para descontar suas frustrações em qualquer alma inocente que ousar irrita-las mais.

Enquanto eu tento decidir qual é a melhor maneira de lidar com a situação e decidir se eu deveria ir mais tarde ao encontro ou simplesmente não ir, Eu sinto uma dor de novo e murmuro um pouco alto demais, “Eu não estou me sentindo bem.” Um dos meus colegas homens ouve isso e naturalmente, cavaleiro galanteador com a armadura branca brilhante que é, vem até mim para me resgatar com qualquer ajuda que puder me oferecer. Ele me pergunta preocupado, “O que aconteceu?”

Bom, eu gostaria de confessar aqui que eu minto descaradamente nessa situação. Sempre menti e sempre vou mentir. De alguma forma, a resposta “Eu estou naqueles dias” se forma na minha mente mas se perde na transição onde eu tenho que falar ela. Muito provavelmente, eu vou dar a ele uma resposta genérica envolvendo alguma doença mundana como febre, dor de cabeça ou a mais metafórica de todas: “dor de estômago”. O conceito da dor de estômago é a minha tentativa de discretamente faze-lo entender, e ao mesmo tempo, uma forma legítima de dizer isso que pode ser mencionada publicamente, no caso dele não entender.

Eu posso imaginar todas as feministas começando a olhar pra mim e se perguntando porque eu faço isso. Bom, vamos tentar adivinhar qual seria a reação dele se eu tivesse de fato dito a verdade à ele…

Pelas minhas experiências passadas e conversas com homens, onde o assunto era qualquer coisa relacionada com menstruação, Eu encontrei basicamente dois tipos de pessoas. O primeiro tipo é o que se cala quando a conversa desvia para o tópico da menstruação. Ele vai mexer os pés, tentar não fazer contato visual, acenar com a cabeça quando você terminar de falar e basicamente se comportar como se essa conversa nunca tivesse acontecido. Mesmo assim esse tipo de comportamento não me ofende mais, porque não é culpa dele. Infelizmente, esse é apenas um efeito colateral, que afeta meninos e meninas, de crescer em uma sociedade patriarcal.** Como eu poderia julgar seu desconforto se eu também estou sendo hesitante? Com o passar dos anos esse padrão de comportamento enraíza nas nossas mentes. Eu sinto que a única maneira de superar essa situação é se nós discutirmos sobre menstruação, ensinando os meninos e meninas desde pequenos.

O segundo tipo tem uma reação mais feroz para esse assunto, ou ele pensa que é só mais uma desculpa usada por mulheres para sair do trabalho ou pena que é só uma vitimização desnecessária para chamar atenção. Vamos assumir que uma dessas afirmações é verdadeira ou as duas. Nesse caso, Eu fico mais intrigada para saber pra onde exatamente a raiva deles está direcionada. Ele está irritado porque eu estou usando uma “desculpa” para sair do trabalho ou porque eu estou usando uma “desculpa” específica do meu gênero que ele nunca vai poder usar ou contestar? Obviamente ele não vai dizer essas coisas para eu ouvir, mas de toda forma o dano já foi feito e eu praticamente consigo sentir ele me julgando silenciosamente.

Recentemente, a China ofereceu folgas remuneradas do trabalho para mulheres que sofrem de dor menstrual extrema. E logo depois, numerosos artigos começaram a aparecer no meu feed de notícias questionando: Quando a Índia vai seguir esse exemplo? Minha primeira reação foi: Elas estão falando sério? Quero dizer, essa noção é mesmo realisticamente executável?*** Baseado em minha experiência de trabalho em um espaço dominado por homens, o conceito de receber folgas pagas todos os meses por 2~3 dias por conta do meu ciclo menstrual é impensável para mim. Não só porque eu vou perder e atrasar um monte de serviços e responsabilidades, mas também porque isso é completamente alheio ao conceito de igualdade entre empregados homens e mulheres no meio corporativo, podendo escalonar ao ponto de mulheres não serem contratadas e entrarem na lista de indesejados para serem envolvidas em projetos críticos e fadadas a serem consideradas não-profissionais e assim vai…

Sério, o segundo tipo de cara não consegue ir muito além desse nível de compreensão, não alimente sua raiva contra mim.

Só para esclarecer, a “dor menstrual” sendo discutida aqui é de uma natureza altamente incapacitante, que, definindo grosseiramente, provavelmente uma em cada dez mulheres precisam aguentar. Por sorte, eu não sofro com isso. Então, obrigada, mas não.

Em relação às lutas vividas durante esses períodos, eu só gostaria de dizer uma coisa para cada homem na minha vida, cujo qual está tentando ser sensibilizado por essa questão…

“Eu não quero as folgas, eu não quero que você me coloque em um travesseiro de penas e me busque uma sopa de frango quentinha (Se bem que isso seria super reconfortante, por favor faça se você quiser também!), eu não quero que a conversa morra em um silencio constrangedor quando eu mencionar a palavra proibida, eu não quero ter que me comportar como uma espiã russa todo mês cuja única missão para essa semana é a de atrair o mínimo possível de atenção para o fato de estar no meu período, eu não quero que vocês digam toda vez que eu estiver mal humorada que eu provavelmente estou na TPM e eu não quero e eu não quero entrar em discussões sobre se os homens deveriam estar agradecidos pelas mulheres fazerem uma contribuição integral ao processo da concepção de uma criança; mas eu quero começar a falar sobre isso com vocês. Esse é o primeiro passo. Eu comprei centenas de absorventes íntimos até hoje e provavelmente isso não vai parar pelos próximos 20~30 anos, então ia ser bem-vinda uma mudança para não ter que ir na farmácia e ter que COCHICHAR mais, uma mudança onde não seja mais necessário para o lojista esconder em várias sacolas e com jornal antes de entregar pra mim.”

A ideia é fazer com que isso não seja um problema.


Notas Pessoais / Personal Notes

A partir desse ponto estão as minhas notas pessoais a cerca do texto da Pratima Sutar em Inglês e Português / Starting from this point towards are my personal notes about the Pratima Sutar’s Text in both English and Portuguese:

1. * “Essa sensação no seu estômago nesse momento é semelhante à pontada no estômago.” Pelo que pude perceber das cólicas menstruais de muitas amigas minhas, eu diria que esse carrinho de montanha russa as vezes tem uma estaca acoplada nele.

  • “That feeling, which you get in the pit of your stomach at that moment, is similar to a stomach cramp.” For what I could perceive from the period cramps of my friends I would add that this roller coaster car can sometimes have a stake on it.

2. ** “Infelizmente, esse é apenas um efeito colateral, que afeta meninos e meninas, de crescer em uma sociedade patriarcal.” E acontece em diversos âmbitos da vida feminina, desde menstruação ser um tabu, até não poder falar sobre sexualidade e masturbação feminina, até o ponto de as pessoas terem “medo” de pronunciar a palavra “Vagina” em público e coisas do tipo.

  • “Unfortunately, this is just one of the side-effects, which affects boys and girls alike, of being raised in a Patriarchal Society.” And that happens in a lot of aspects from a woman life, from talking about menstruation, to talking about her own sexuality and other subjects as masturbation. It gets to the point that people even fear to pronounce the word “Vagina” loud and in public and things like that.

3. *** “Quero dizer, essa noção é mesmo realisticamente executável?” Sim, é, ou pelo menos deveria ser, é claro que não vivemos em uma sociedade ideal e da forma que a sociedade funciona provavelmente uma medida dessas realmente geraria todos os problemas citados no texto, mas a medida que lutarmos e conquistarmos uma sociedade melhor é muito importante debater e trazer essa questão a tona, é até mesmo uma forma de demonstrar empatia com as mulheres que forem com as dores menstruais.

  • “I mean, is this notion even realistically enforceable?” Yes it is, or it should be, of course we dont live on a ideal society and based on the way society actually works today a measure like that would probably cause all the problems mentioned by the text, but as we fight and conquer a better society it really important to discuss this question, it even a form to demonstrate empathy with all women who suffers from menstrual pain every month.

Então é isso, espero que tenham gostado do texto e participem da discussão sobre isso, postem suas opiniões sobre e vamos conversar sobre o que pensam a respeito desse assunto / So thats it, I hope you liked and do bring that theme into discussion, do comment your opinion about it and lets discuss what you think about this subject.

Obrigado a todos que leram até aqui e pararam um momento para refletir sobre o assunto / Thank you to everyone who read until that point and stopped a little to reflect about this subject.

Atenciosamente/Best Regards,

Mend.

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Bruno Mend’s story.