Nocturnal Animals: a busca pelo eu.

— Se há algo que Nocturnal Animals deixa claro é que não há espaço para a felicidade. Durante toda a película vemos personagens em constante sofrimento. Em um dialogo, uma personagem diz: Eu tenho tudo o que quero, e ainda sim não sou feliz. Me sinto culpada. Parte dessa tristeza, deve-se ao fato da personagem não conhecer quem ela é, e ter se tornado algo que não desejava ser. Toda as noites, seus atos do passado voltam para assombra-la, privando-a do sono. Ao receber uma cópia do livro do ex-marido, esse passado volta ainda mais forte e impiedoso. Cada página a faz lembrar, imaginar, as consequência de suas escolhas. Ex-marido este que depois dos baques da vida, vai à procura do seu eu. Se ao fim da obra ambos encontram o que queriam, e se tornam o que desejavam, fica por conta do expectador julgar. Mas, esteja pronto para 100 minutos de angústia, depressão e sofrimento. E, ao final, tente não se tornar você também um animal noturno.

Like what you read? Give Bruno Gomees a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.