Food truck, o Nespresso da comida de rua

O lego imitando a vida. Foto: Mista Carrot/Flickr.

A fome atormenta. É criador e criatura em busca de comida. Passos largos igualando-se a correria dos carros. Um exagero do autor. É um restaurante ali, um food truck acolá. É uma infestação de ramos alimentícios — reflexo do grande retorno financeiro, “apesar da crise”, um bordão do jornalismo sem aprofundamentos, ou na falta da temida. Na dúvida, a tranquilidade da rua, acompanhado de uma breja e um lanche, afaga a barriga dos mais desesperados. Comida de rua, o ponto chave da nossa conversa — alias, alguém está me ouvindo? Bom. Há tempos questiono-me acerca da apropriação no conceito de comida de rua e nos valores ofertados nos food trucks (ou trucks gourmets, seja lá como definam os caminhões moderninhos).

O que nasceu para atender a rotina desenfreada nas metrópoles — espalhando-as feito semente por todo globo — com comodidade, ou seja, rapidez e baixo custo, deu vazão ao refinamento. É a gourmetização. Uma apropriação — e por que não evolução? — do termo transformando-se em porta de entrada para divulgação de cozinheiros desconhecidos e fatigados do trabalho dos bastidores. É a era do MasterChef. Era dos empreendedores. Tornar chefe de si mesmo. Não há nada de errado nessa questão, sejamos claros, é de fundamental importância pra economia brasileira. Porém devemos observar que os preços ofertados nos cardápios são semelhantes — ou maiores — em comparação a restaurantes e lanchonetes. Os truckeiros não fazem jus à vantagem lucrativa ao, principalmente, ignorar o baixo custo dos pequenos caminhões. Seja na construção (o investimento varia entre 50 a 70 mil reais, segundo o Sebrae) ou no funcionamento/manutenção dos mesmos. Perdendo a chance de criar uma forte concorrência contra as redes tradicionais. Perdendo a chance de tornar-se um UBER contra os taxistas, ou o NETFLIX contra as operadoras de televisão. Oposto a isso, estão à procura da rápida ascensão comercial, condizente com a geração Y — sempre visando o sucesso meteórico sem buscar a experiência -, dando razão a elevação de preço. Às vezes, absurda. Uma pena.

Afinal, estamos falando de comida de rua. Ao ar livre. De comida. Do podrão ao gourmet. Food truck é o Nespresso da comida de rua. Ponto. Você compra cápsulas — de pequenas doses — para sentir o mesmo sabor do café em pó, achocolatado ou chá. Aqueles de vidro, lata que duram o mês inteiro. Uma “fortuna” contrastada com o pequeno valor, encontrado em qualquer mercadinho de esquina. A diferença está na embalagem, na forma apresentada — pronta para fotografia nas redes sociais. Cada vez mais efêmeras. Sendo assim, seguindo a média de preços e eliminando grande redes de fast food, o que vale mais? O comodismo, o barato ou o caseiro? Um hambúrguer “gourmet” — com diferentes texturas — de 20 reais? O clássico — com sabores conhecidos — hambúrguer de lanchonete, acompanhado de suco, por 14 reais? Ou, de forma caseira, preparar em casa por valores mínimos? Que escolha difícil aos poupadores, hein? Visando o futuro, os foods trucks necessitam mostrar estratégias, no jogo da concorrência, para não tornarem-se apenas tendências de mercado. Ou seja, evitando seguir o amargo do esquecimento junto com os cupcakes, brownies, frozen yogurts, cantores sertanejos de apenas um sucesso… e do destino das paletas mexicanas, que não provém do México, quem sabe? Passageiro. O mercado é cruel com quem se aproveita do efeito novidade.

Uma leitura complementar ao texto: Empresários têm prejuízo com franquias que viram moda, crescem e decaem rapidamente, da Folha de São Paulo.

Bateu uma fome…

- Opa, manda um podrão pra viagem!


Originally published at brunopresado.com.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.