20/06/2017, Cama.

Faltei no trabalho de novo, já é a segunda vez esse mês. Eu acordei cedo, mas não tive força pra levantar. Dormi. Acordei depois com o despertador, desliguei e me virei para encarar o teto, discutindo comigo mesmo porque eu tinha que levantar e me arrumar pro trabalho. “Vamos Bruno, você vai se atrasar!”, mas novamente perdi pra mim mesmo, e dormi. Acordo agora às oito em ponto, já deveria estar no barracão da empresa, mas tô aqui, embaixo das cobertas ainda. “Me arrumo correndo e chego atrasado mesmo”, penso, mas não, a preguiça e o foda-se pras consequências são mais fortes. Dormi.

Está tudo muito parecido com o fim do ano passado, onde eu joguei fora o que provavelmente foi o melhor emprego que eu já tive, por que não conseguia vencer a mim mesmo e sair da cama de manhã. Naquele tempo minha chefe me procurou, junto com a psicóloga da empresa, pra que eu explicasse o que estava acontecendo, por que estava faltando e chegando atrasado quase todo dia. E..eu não consegui. Eu só..chorei. Ali, naquela sala de reunião, na frente de duas pessoas praticamente desconhecidas, e até hoje eu não sei explicar por que, eu só desabei. Eu tava ciente que estava jogando uma puta oportunidade fora, mas não conseguia agir, mudar. Consegui soltar algumas palavras enquanto tentava me controlar, falei que realmente não estava bem, mas que não queria sair da empresa, pedi desculpas e prometi que iria melhorar. A psicóloga até me disse pra procurar ajuda, conversar com alguém, coisa que até hoje eu não fiz, por medo ou sei lá. Na quarta-feira da semana seguinte eu faltei de novo, e na quinta, e na sexta. Só fui até a empresa na segunda, pra pedir demissão.

Fiquei na cama o dia todo hoje, olhando o Facebook, o Youtube, a Netflix, a Steam. Me distraindo do fato de que eu não estou bem, de que eu estou perdendo o controle de novo. E eu já não sei mais se quero melhorar, se vale a pena lutar pra sair do buraco mais uma vez. Pra quê lutar? Eu não tenho motivos pra lutar, não consigo mais. Eu preciso de ajuda, mas não sei pedir.

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Bruno Rocha’s story.