Diário de Bordo, Data Estelar 94386.58

Como vocês podem perceber, voltei a escrever. Há, entretanto, outro retorno que fiz nas últimas semanas: voltei a fotografar. Comecei, de verdade, a trilhar os estranhos caminhos da luz há dois anos quando minha Canon T5, e pensei que seria uma oportunidade profissional que se abria. Como, quase, sempre, estava completamente enganado, não tenho um olhar assim tão apurado que possa me levar à profissionalização na área, claro que aparecendo um trampo ou outro ali, eu tô dentro, mas a minha pegada com a fotografia é outra: uma chance de me expressar através do campo imagético, o que para mim é uma grata satisfação, afinal tentei desenhar e falhei completamente, além de ter trabalhado com cinema uma época e… bom, isso é tema para outro história. Dentro da fotografia, o estilo que mais me interessa são os retratos. Há algo de incrivelmente belo em se fazer retratos, não sei explicar ao certo, apenas sinto como se estabelecesse uma ponte entre o fotografo e o fotografado, de modo muito similar, por sinal, a ponta estabelecida entre o autor e o leitor: há uma conexão de sentimentos que só ganha significado enquanto a obra está sendo construída, um retrato é construído cada vez que é observado e um texto, lido. Essa ponte é incrivelmente intensa, pois no seu momento estão ambos, autor e fotografo, leitor e fotografado, completamente desnudos em seus sentimentos. Essa força tremenda, me manda à frente pra sempre, sem ter nenhum peso. Sentir essa angústia boa, não é aquela angústia amedrontadora, e sim aquele onde a nossa essência se torna possível de existência e dai surge aquela pequena dor, aquela melancolia marota que se faz essencial, é delicioso pois me mostra uma conexão verdadeira com esses dois meios pelos quais tento me expressar.

Haja vida, haja arte.

Avante!

PS: O canal de vídeo aulas (link aqui) vai realmente voltar, preciso apenas de tempo para me reorganizar com roteiros e cronogramas

PS2: As Crônicas de Thyion (link aqui) não acabaram, apenas precisei dar um tempo para me afastar e tomar algumas decisões criativas.