Pequeno Dicionário Filosófico: Destino

O que é o destino senão uma busca insana por respostas a perguntas que não conseguimos formular ou ao menos entender? De todas as crenças místicas e dogmas religiosos, foi o conceito do destino o mais frágil de me despir, precisou apenas a leitura de meia dúzia de páginas de Kant e Hume para entender que a vida não seria nada a não ser um simulacro de si mesmo sem predeterminação alguma e executada sem qualquer interferência, positiva ou negativa, de algum sujeito, seja ele de qualquer natureza, entra aqui os seres vivos ou imaginativos. Querer atribuir algum destino à vida requer uma supressão, indesejável, de conceitos básicos de psicologia, filosofia, neurociência e, até, de física clássica, além de que quando atribuímos os eventos da nossa vida a algo que já é pré-determinado nos eximimos de qualquer responsabilidade que nossos atos possam e venham a ter, se desejamos viver qualquer tipo de maturidade intelectual é preciso que nos afastemos peremptoriamente da noção de destino.