Pós-verdade

Seja feliz para sempre.

Quando nos encontramos capturados por uma pós-verdade, a defesa parece ser procurar uma verdade, e apenas uma. Uma verdade para acabar com todas as pós-verdades, para colocarmos os pés no chão novamente e retomarmos nossa capacidade de tomar decisões com base em informações e na razão. Mas isso é impossível, porque essa verdade não existe. Verdades são muitas e variam de acordo com a moral e as culturas. Encontrar uma verdade única é como buscar um deus. Algo infalível, que não pode ser questionada e que te causa o êxtase transcendental de estar certo.

Em tempos de internet dentro de tudo e todos, estar certo se tornou uma vitória. Te faz se sentir superior, conectado a algo maior. Você nada por um mar profundo de informação e desinformação até encontrar uma verdade e vencer — causando o que deve ser a mesma sensação de iluminação e esclarecimento. Mas o universo é cheio de gente que não concorda com você e sua vitória pode ser, para muitos olhos, uma derrota, um erro, ou pior: algo irrelevante.

Então sua vitória cai por terra. E você começa uma nova busca e encontra outra verdade. Mas o ciclo sempre se repete. Até que você o quebra apelando para a pós-verdade.

E agora não importa mais se sua verdade não vale para mais ninguém. Você sempre vai conseguir provar para você mesmo que está certo, moldando a sua própria verdade única, seu deus pessoal. É outro ciclo que sempre se repete. Mas a diferença é que agora os chamados externos não te incomodam mais, pois se sentir bem às vezes é melhor do que estar certo. E você vai viver feliz para sempre. Ignorância é felicidade e pós-verdade.

Like what you read? Give Bruno Taurinho a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.