Como estragar uma boa experiência e desengajar o cliente

Facca Bar e Restaurante. Foto por Bruno Silva — 2015 Todos os direitos reservados.

Nada mais engajador que ser bem atendido, comer coisas gostosas e passar um tempo legal num restaurante, não é? Dá vontade de voltar sempre e indicar para os amigos, o que nesses tempos de redes sociais atinge muita gente. Muita mesmo. Ou seja: Cada dia mais é importante tratar bem o cliente.

Pois bem. Sábado passado, eu e minha esposa fomos a um lugar que gostamos muito. O Facca Bar, no centro de Campinas. Clima de “boteco”, bem decorado, chopp gelado, comida gostosa e estávamos sendo muito bem atendido pelos garçons que estão na casa há muitos anos. Até aí, estava sendo uma ótima experiência, como sempre foi.

Nós estávamos com câmeras, e como o lugar é bonito, fazíamos algumas fotos enquanto esperávamos a comida. Foi quando (junto com o sanduiche) chegou um senhor já com um teor sanguíneo alto no seu álcool, batendo nas minhas costas e se dirigindo a nós. Apresentou-se como “social media” do bar e achou ótimo que estávamos fotografando a casa. Perguntou se somos fotógrafos, se podia fazer uma foto com celular da gente fotografando, querendo que encenássemos pra “colocar no instagram do bar”. Uma coisa bem chata, já que estávamos num momento legal, quietos, na nossa. Ficou pedindo pra gente divulgar o bar, compartilhar no Facebook, um “bla bla bla” eterno e um tanto impertinente. No entanto fomos simpáticos, deixamos fotografar, etc.

Mas o pior estava por vir.

Quando nos dirigíamos à saída, fomos interpelados por este senhor novamente com o seguinte diálogo:

- Voltem sempre, hein! E não se esqueçam de publicar sobre a gente! Vocês são jornalistas?
- Não.
- São publicitários, de alguma agência?
- Também não.
- Então vocês não são nada que importa?

Mano! Sério isso?!?

Neste momento fiquei paralisado. Só respondi um “Puta que pariu, hein?”. Ele tentou se desculpar, falando que era brincadeira, que isso, que aquilo. Mas aquele senhor impertinente, alterado e inconveniente que disse ser “social media” quase estragou nosso momento legal. E estragou completamente a experiência do bar.

Isto é um bom exemplo do que NÃO fazer. De como NÃO tratar o cliente e de como não se faz social media, já que nossas fotos não foram para o instagram do bar, que por sinal não é atualizado há 56 semanas. O Twitter não é atualizado desde junho de 2014 e a página do Facebook é só para avisar do cardápio do dia.

Parabéns ao “amigão da galera”. Tá fazendo certinho. Só que não.

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Bruno Silva’s story.