Juventus do bem

Por Bruna Barbosa e Wiliam Almeida

O futebol amador, também conhecido como futebol de várzea, é um esporte bastante praticado no Brasil, pelos jovens que sonham em ter uma carreira profissional no mundo do esporte e pelos que o praticam apenas por diversão, a famosa “pelada”.

Para Sergio Romanelli, supervisor na Federação Mineira de Futebol, o futebol amador é mais que um esporte, trata-se de sua vida, trabalhando na FMF (Federação Mineira de Futebol) ele consegue conciliar sua profissão com seu hobby. Em um pequeno bate-bola, Romanelli falou um pouco mais sobre o futebol amador.

Você acredita que o futebol amador tem visibilidade nos meios de comunicação?
Não. A divulgação do futebol amador ainda é muito pequena pela imprensa. São poucos os meios de comunicação de massa que se interessam pela categoria. Com isso, são escassas as empresas que se interessam em patrocinar e expor suas marcas nos uniformes das equipes. Tentamos melhorar esta situação. A Rádio Itatiaia nos ajuda bastante. Mas ainda não é suficiente.

Para você, além de ser um esporte, o futebol amador tem um dever social também?
Não só o futebol amador. O esporte amador é instrumento de cidadania. O esporte educa, disciplina e amadurece quem o pratica.

O que te levou a se envolver com o futebol amador?
Um convite do Presidente Castellar Neto. Pelo meu passado como atleta e algumas experiências na organização de eventos esportivos, fui convidado a integrar a equipe dele aqui na FMF.

Já para Rayane Evelyn, formada em Educação Física, o futebol amador é uma categoria admirável do futebol, pois os custos são baixos, sendo assim melhor aceita pela maioria dos brasileiros e além de ser uma ótima atividade física, exerce também um papel social. Respondendo mais duas perguntas, a profissional expôs seu ponto de vista a respeito da falta de visibilidade da categoria e também da falta de interesse do poder público.

Com mais visibilidade, o futebol amador acrescentaria bons hábitos para sociedade?
Sim! pena não ter esse incentivo, patrocínio, pois seria uma revolução contra o sedentarismo e contra criminalidade no país. O futebol amador está em todo os lugares, e quando vamos ver, são jovens saudáveis que buscam se cuidar e que tem sonhos que vão além do campo de bairro.

A mudança social advinda do esporte já vê resultados ou acha ainda muito utópico?
Fico muito triste do governo não enxergar a força que tem o futebol amador, não ajudar, não incentivar, mais que saúde, ele mudará vidas, será a base de um programa social, mas ainda creio que demorará muito para essa visibilidade chegar a essa categoria.

Assim como Romanelli e Rayane, muitos acreditam que o futebol amador é considerado também um fenômeno cultural, e trata-se não só de uma das mais praticadas atividades esportivas e de lazer, mas tem também inúmeros outros significados para seus praticantes. Ele cria laços sociais entre os moradores de uma região, serve de instrumento educacional de formação para cidadania e de forma de expressão da cultura popular, como é o caso do time Juventus, fundado por Anderson Araújo.

Quando mais novo, sonhava em seguir uma carreira de jogador profissional, mas viu em sua situação financeira e social um grande empecilho para conquistar esse objetivo. Com isso veio a ideia de criar um time amador de futebol na sua cidade, Esmeraldas, para seguir praticando o esporte de forma informal e descontraída. Convidou alguns amigos e o Juventus nasceu, time amador que vem crescendo desde 2012.

Mas, o sonho que Anderson teve se tornou um ideal, já que sua vontade de seguir a carreira de jogador foi barrada por questão sociais. Ele desenvolveu em si a vontade de ajudar outros jovens a seguirem um bom caminho na vida através do esporte, talvez não os tornando grandes jogadores, mas conseguindo dar a esses jovens uma direção, em uma região onde a criminalidade e a falta de oportunidades reinam.

O futebol pode mudar realidades? Pelo que acredita Anderson Araújo, pode sim! Fundou o time Juventus há cinco anos, e desde de então, vem desenvolvendo com jovens da região um programa de educação através do esporte, que tem como objetivo criar uma cadeia do bem. Isso significa, fazer com que aqueles jovens que são assistidos pelo projeto, também façam o bem pelo próximo!

O time Juventus, busca através dos jogos incentivar o bem e fazer a diferença através do mundo do futebol.

Time Juventus Esporte Clube Esmeraldas. Foto por Bruna Barbosa

Anderson afirma que, para ele, além do futebol ser uma paixão em comum entre muitos brasileiros, é também uma forma de se distrair e descontrair. 
Sendo o time Juventus de uma região carente, o fundador acredita que o futebol pode sim mudar vidas, tirar pessoas de maus caminhos e trazê-las para o bem. E foi por isso que fundou o time Juventus, para reunir famílias, amigos e crianças da região para praticar esportes e também o bem!

O jogador Lucas Talibã é um desses jovens que praticam o bem com o Juventus, no time há dois anos, Lucas se sente revigorado desde que começou a fazer parte desse projeto. Com 20 anos, ele se destaca pelo sem ótimo desempenho no time e seu amadurecimento como cidadão. O jogador afirma que o esporte o desviou dos maus caminhos e também o proporcionou uma vida mais saudável, longe do sedentarismo.

Já Glaston, o veterano do time, acredita que o futebol amador seja uma possibilidade de suprir seu sonho de criança de ser um craque do futebol. Ele hoje aconselha os jovens novatos que estão integrando o time Juventus e compartilha da mesma ideologia de Anderson, que o futebol pode sim mudar realidades. Glaston também acredita que a falta de retorno financeiro do futebol amador é um dos maiores empecilhos para que o esporte tenha uma maior visibilidade nas grandes mídias.

Como a maioria dos times tem seu palco, o do Juventus é a Arena do Vale, localizada na cidade de Esmeraldas. É considerada muito importante para região, tendo que oferece partidas de futebol gratuitas todos os finais de semana, sendo assim um local de entretenimento para todos que ali vivem.

Infográfico sobre o crescimento da quantidade de jovens que saíram das ruas e fizeram parte do Juventus

De acordo com Anderson, o objetivo do time, além de conquistar títulos de campeonatos da região, é também incentivar e ajudar pessoas e instituições através do esporte. O Hospital São Francisco de Assis, de Belo Horizonte, é uma das instituições ajudadas pelo time, que recebeu doações de roupas e alguns presentes sorteados na Arena do Vale.

Em uma entrevista com Anderson, ele nos explicou melhor sua motivação e seus objetivos.

A grande motivação para fundar o time, foi o desejo de juntar o prazer do esporte com a oportunidade de mudar vidas?
Como não tive oportunidades para seguir meu sonho, eu quis juntar a vontade que tenho de jogar, com a possibilidade de ajudar jovens, que podem enveredar para caminhos tortos. Com isso, o Juventus nasce com o objetivo de ser um lugar onde o esporte muda vidas.

Qual é o trabalho realizado com os jovens que fazem parte desse projeto?
Reuniões para atividades físicas, os próprios jogos do Juventus com outras equipes, acompanhamento dos jovens, com conversas e caso necessário uma ajuda financeira para que eles possam continuar a participar.

A campanha do bem, realizada pelo Juventus, consiste em que?
O time, através dos jogos que realiza e de suas parceirias, arrecada alimentos e roupas para doar para hospitais e pessoas carentes. O time quer mostrar que o esporte pode mudar vidas, a prática dele é essencial para saúde, mudança social, lazer e solidariedade.

Você acredita que tem alcançado os objetivos que sonhava para esse time?
Sempre quis ser um jogador e vi que hoje em dia as oportunidades não são iguais para todos, minha realidade foi difícil e meu sonho foi podado, pois precisava trabalhar, estudar e eu sustentava minha família. Eu quero, mesmo que pouco, mudar algo na vidas dos jovens, que assim como eu, amam jogar futebol, e acredito que o esporte e o time são bons exemplos que a mudança, mesmo que pequena, é muito importante numa região pobre como essa.

Vídeo de agradecimento do Hospital São Francisco de Assis ao time Juventus

O time Juventus não conta com nenhum auxílio do poder público, mas estão sempre em busca de patrocínios e qualquer tipo de contribuição, para que possam continuar a ajudar a região de Esmeraldas.

Juventus x Thermas na Arena do Vale. Vídeo por Wiliam Almeida
One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.