Qual o preço do sonho Ironman?

Continuando a reflexão da ultima semana, qual é o preço que se paga para chegar a um sonho? No meu caso o sonho Ironman.

Sempre vivi baseado em rotinas que eu idealizava cuidadosamente, e quando precisava mudar, ela era envolvida por toda um planejamento e varias formas de contingência para em caso de falha. E como eu perdi boas oportunidades com o excesso de calculismo.

Mais chega um momento que você se vê dentro de um loop. Tipo aquele filme “Groundhog Day”. E começa a refletir sobre prioridades, pessoas e vontades.

Passado a meta do emagrecimento, eu queria “performar”, não lutar para não ser o último, mas para ter melhores posições. Isso é importante pilar de um desafio/sonho. Qual o resultado a esperar disso tudo. Fiz muitas coisas que minhas condições financeiras permitiam, mas os ganho eram ínfimos. Só me faltou pensar um pouco mais.

O que tornar alguém bom?

Aquelas frases clichês dizem que a repetição leva a perfeição. Será? Genética? Equipamentos? Parceiros Profissionais? Disciplina?

Lendo alguns textos sobre minha área de atuação, eu cai um texto bem legal sobre o que tornaria o cara um bom programador de computadores. E umas das referências era para uma tal regra das 10 mil horas.

O que o texto dizia é qualquer humano pode ser brilhante, e para isso você investe 10 mil horas de prática e aprendizado. Cita clássicos sobre-humanos como Mozart e Christopher Langan. E conclui que de fato, esses caras não são exceções e sim disciplinados. O ambiente e a cultura deles permitiram eles serem que foram. Pai de Mozart era músico, e Mozart só fez algo bom na vida dela com 21 anos, mas começou a tocar com apenas 5.

Incrível, a ciência mensurou como funciona o sucesso, existem artigos científicos detalhando cada parte disso tudo, inclusive o estudos do cérebro.

Dedique-se o que você pode e você chega lá! Você precisa apenas de 10 mil horas. Se você se dedicar 1 hora por dia, você leva 27 anos. Mas você pode mais, então tente se dedicar 3 horas do seu dia, e você faz isso em 10 anos, ou se você fizer isso 8 horas por dia, você mata o problema em 3,5 anos.

A vida regrada me trouxe pelo menos um bom beneficio. O tempo. Eu poderia alocar meu tempo com muito controle. Sempre preenchi com trabalho. Hoje eu preencho com desafios. Posso me dedicar ao trabalho, as pessoas queridas, a encontrar pessoas queridas e aos sonhos. Tudo se encaixa.

Mas essa ficha só caiu, quando eu parei de querer e comecei a fazer. Fui inspirado e hoje gosto de retribuir e inspirar. Eu parei de pensar na minha falta de talento para essas coisas para me dedicar a me recriar e treinar para ter o talento que eu quero. Erre muito, você só vai aprender com o erro mesmo. Então decidi, vou ser um Ironman.

Para cada dia de treino que eu mato, é um debito a mais que um dia eu terei que pagar. Eu sei calcular qual o preço que eu pago por isso.

Não são só os melhores equipamento e profissionais a minha volta que me farão ser o que eu quero e eu não for lá e correr atrás!

E repetir para chegar a perfeição, não é um clichê, é uma verdade!

Amateur Triathlete, Home Brewer, Professional Chef, Beatles and Cheese.

Love podcasts or audiobooks? Learn on the go with our new app.

Get the Medium app

A button that says 'Download on the App Store', and if clicked it will lead you to the iOS App store
A button that says 'Get it on, Google Play', and if clicked it will lead you to the Google Play store
robson júnior

robson júnior

Amateur Triathlete, Home Brewer, Professional Chef, Beatles and Cheese.

More from Medium

cs371p Blog 10 Gavin Garcia

Meet the Women On Mission, Avrati Raturi founder, Project Laal.

Does the team matter?

What are the pros and cons of the Canadian immigration system?