Sem título

Acho que antes de um título eu preciso entender e saber até onde esse breve discurso vai me levar.

Pois bem, faz tempo que não venho aqui e mais tempo ainda que não paro para fazer uma análise dos últimos acontecimentos, não só da minha vida mas das pessoas e da sociedade na qual elas estão inseridas.

Não mantive a regularidade que me empenhei para manter por uma série de fatores. O trabalho ocupava bastante tempo e no meu tempo livre eu: trabalhava. Parece irônico e um tanto cômico mas é a mais pura verdade. Quem for ler isso, irá me dar razão por que quando se faz o que se ama nada mais parece ser redundante. Ok, ok…já estou eu soltando mais um jargão resignificando o que escuto há séculos e que de repente nem acredito que seja realmente verdade. Afinal, o tempo nessa eterna fila de espera tem mexido um pouco com a minha percepção de realidade e com a teoria da relatividade fixada na minha mente que a essa altura, não parece ser tão relativa…

Essa porção de amarras soltas e sentença sem muito sentido só refletem como o meu pisque está caducando. Isso por que tenho, continuamente, exercitado minha mente a seguir o caminho dito “certo” para permanecer sã.

Porém, em primeira mão, não é fácil. A energia concentrada no ápice do meu timo calcula-se muito além dos kilotons aí pergunto a vocês; Como prosceder? Como rumar para frente se sua âncora o puxa para trás?

Está anoitecendo e minhas ideias descansam assim como eu. Eu volto. Minha verborragia é extensa…

Até

Buna.

Like what you read? Give Buna a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.