Créditos: Gabriela Domingues

sexta com sentimentos de segunda

Estar desmotivado é realmente péssimo não é? Na verdade há dias em que ter a vida de adulto é meio péssimo. Mas pelo menos para mim, assim que eu vocalizo esse meu pensamento de como a vida adulta é péssima sou atingida por uma onda de pensamentos que fazem com que eu queira retirar esse pensamento da minha cabeça.

Não gosto da ideia de reclamar de estar em uma fase de adulta, de trabalhar, de estudar, de ter mil responsabilidades e dois mil problemas para lidar. Para mim, soa errado eu reclamar do momento e da fase que eu realmente deveria estar agora. Porque se eu não tivesse aqui eu não teria metade das coisas que eu queria tanto.

Será que vale a pena parar de trabalhar para só estudar e deixar de ter todas as coisas que eu tenho agora?

Não pensem que essas coisas a que eu me refiro são grandes bens matérias, porque sinceramente as coisas que me comprei até agora desde que comecei a trabalhar foram livros e um sapato. Apenas. Essas coisas que eu me refiro são outras. Por exemplo, o meu curso de italiano, que eu pago para mim mesma sem reclamar.

Será que vale a pena deixar essa independência maior que eu tenho agora apenas para poder ficar de boa em casa com os meus estudos?

No fundo, eu sei que a minha resposta é não.

Porque eu não consigo sabe? Não consigo deixar de desejar resolver os meus problemas sozinha e não correr toda hora atrás de ajuda. Não consigo deixar de desejar que eu possa me pagar um curso que eu quis desde criança. Não consigo deixar de desejar como a pessoa que eu sempre quis ser, com as minhas responsabilidades, os meus problemas, a minha faculdade dos sonhos, o meu curso de italiano.

Eu não posso abrir mão de ser essa pessoa.

E você? Pode abrir mão de algumas responsabilidades para ficar de boa com outras coisas na sua vida? Ou prefere arriscar fazer tudo de uma vez mesmo que isso custe um pouco de si mesmo? Não há uma decisão errada nisso, somos todos grandes e donos dos nossos narizes para decidir o que fazer.

Like what you read? Give Gabriela Domingues a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.