A persistência da memória

Em sua cama, ela pensou em mim logo que tomou todos os seus calmantes, chamou meu nome mais uma vez, desta vez, com a fraca voz de quem se despede.

“B …”

E aqui estou, eu vim até você, como de costume. Sempre vim até você, minha querida. Sempre estive aqui, eu nunca, nunca, fui embora totalmente. Você nunca me deixou ir, estive aqui, aqui por 20 anos e agora, o que fazemos? Olhando para toda essa situação, eu devo confessar que, estou a segurar minha risada, olhe para você, meu amor, você está triste, desfalecida nessa cama e eu, como acha que estou? Olho pra você com pena e ao menos tempo fico feliz, eu vejo você no passado, discordando da dor e evitando amar. Eu lembro de tudo, de cada palavra e cada palavra não dita. Mas deixe que eu a lembre e sabia de tudo o que eu sei, tudo o que eu fiz durante esses anos. 20 anos, minha querida, 20 anos. Por um ano,deitei todas as noites com diferentes corpos, fumei tudo o que pude, bebi meus últimos centavos e até onde sei, você, meu amor, não fez nada sobre. Se fosse possível esquecer, eu esqueceria o que passou em minha mente quando você estava nela, eu esqueceria, eu juro, esqueceria. Mas meu anjo, as marcas que você deixou nunca curaram completamente, contudo, eu nunca te deixei um só arranhão. E com isso eu penso, que enquanto eu lutei contra o mundo por você, você seria o mundo contra mim. Eu senti cada corte e cada dor, nunca pedi que fosse eterno, só pedi que fosse bom pra mim, que não me matasse, meu amor, que não me matasse. Quando nos falamos pela última vez, você lembra, chorei por está me despedindo e até onde me recordo, você desligou. Eu sumi, como tinha prometido e como você me pediu, eu voltei, eu estou aqui. Me pergunto agora, onde está seu amigo? Ainda são amigos? Eu não vejo nenhuma foto, nenhuma memória, nada. Onde está ele agora? Onde está, meu amor, onde está?

Aposto que ele não durou muito, e digo mais, aposto que vocês foram pra cama logo quando fui embora. Minha ida tirou de você peso de me fazer mal se por acaso fosse pra cama com ele. E, vocês treparam, uma, duas, três semanas e ele conseguiu o que ele sempre quis, desde o começo, e você o deu, deu de tão bom grado que me admira não ser ele a quem você deveria chamar.

Não, não, não … não fale nada, eu sei, eu sei, ele usou você e você vai me retrucar, dizendo que também o usou. Fomos todos usados, contudo, eu nunca deixei você quando gozei, inclusive, você gozou nessas vezes? Aposto que não, o grande interesse dele nunca foi o seu prazer mas o dele e só, você foi a boneca inflável que ele gastou algumas conversas e saídas. Onde ele está agora?

Oh, você guardou a rosa …

Isso é bem interessante, eu queimei todas as coisas que você me deu, achei justo não ter nada que tocou suas mão junto a mim, já que, você me pediu que esquecesse tudo e partisse. Você não casou mas teve filhos, como posso ver. Um menino, certo? Certo. Onde está ele agora? Onde está ele agora? Oh, casado, com filhos … do outro lado do país, e até onde estou vendo, vocês não se falam há anos, muitos anos.

Eu quero saber, meu amor, por que me chamou? Sabe, devo admitir que não esperava ser chamado novamente, apesar de apenas uma alucinação dessa sua cabeça tão dura. Me responda, por que eu? Por que eu? Você me manda embora em vida e me chama logo quando está morrendo, eu sinceramente não entendo.

“eu só queria me desculpar … “

Engraçado, eu sou apenas fruto da sua cabecinha, meu amor. Meu corpo, meu corpo está longe, muito longe e você sabe, viu na televisão. Como viu, eu fiz da minha dor meu legado e você? Até aqui, nada de muito significativo, e principalmente agora, morrendo. Você vai morrer, isso é certo, vai morrer pelas próprias mãos. Agora vendo isso, não seria você covarde? Você é covarde, meu amor? Você está em dor e quer não mais sentir isso e eu entendo, entendo sim, não tenha dúvida. Não irei te julgar por isso, vou segurar sua mão até que ela esfrie, enquanto isso, deixe eu te contar uma coisa. Eu estou feliz, sabe, lá onde meu corpo está. Eu estou bem, agora, tenho tudo o que você almejava. Um bom apartamento, um carro caro e muito, muito dinheiro. Se você ao menos tivesse querido a mim como eu te quis, meu amor, não estaria aqui deitada nessa cama, sozinha, com uma alucinação como último recurso de companhia. Mas foi você quem quis assim, eu te amei, disso não tenho dúvida, só que hoje, eu tenho por você o mesmo que você teve por mim naquele passado … nada. Descane em paz, minha querida, descanse em paz.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.