Dois poemas

a day in the life I

poderia ter escolhido nada
mas escolhi demais 
mesmo morrendo de tudo que uma escolha
tem como consequência 
de todos os caminhos que jamais serão percorridos
porque houve uma escolha
de toda a falta do que nunca viverei
porque houve uma escolha
de toda a realidade que jamais será
suficiente

todo dia eu atravesso a estrada do pau ferro
fora do sinal
por opção 
e todo dia sinto que um carro vai me arremessar pelos ares
e pela minha escolha
vou tornar alguém um assassino involuntário 
e toda noite sinto que um projétil de fuzil
vai estourar minha cabeça na serra grajaú-jacarepaguá

todo dia repito estoy llena de cosas rotas
e isso não funciona em português
estou de novo no ônibus
ouço oh, sweet nuthin. she ain’t got nothing at all
olho pro avião minúsculo no céu 
e penso
que andar de avião
é um estado emocional 
é um estado em suspensão 
da realidade
e isso não pode ser nada menos
que uma benção
todas aquelas possibilidades 
pequenininhas 
em escala de maquete 
que não vão ser minhas
mas no avião, 
no avião, elas sempre são

a day in the life II

isto obviamente não é 
um poema é uma condição mental 
e meu corpo redimensionado também não é 
mais um corpo e as odisseias todas 
que inventei deixaram 
cicatrizes roxas no meu ventre 
mas sem mais
odisseias sem mais
ulisses sem mais 
odisseias porque não há 
penélope alguma

e os meus quarenta cadernos vazios 
estão cheios 
de tudo isso 
que me arrebenta sem transcrição 
eles estão todos escritos
disso

e eu 
eu faço mais uma xícara de café 
na minha prensa francesa
sem que a água ferva
para não queimar o café
você sabia?
o café queima quando você deixa a água ebulir
será que tudo na vida
é uma questão de estar a 85ºC?

não há distopia maior 
que meu corpo e meu espírito 
e é por isso que eu não me entretenho com seriados

todos os livros que leio, me identifico com a personagem principal
e mesmo que eu não queira
acabo inventando alguém em mim 
que é igualzinha a Olga
ou a Leda
ou a Lila
mas quase sempre ao Bento Santiago

as coisas feias 
são as coisas mais bonitas 
porque foram feitas
com a intenção de serem bonitas
e falharam
e a intenção é mais forte 
que a realidade

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Bianca Zampier’s story.