À deriva. 
Dou passos que me levam pro lado contrário que eu deveria ir.
Não sei pra onde vou e nem de onde vim.
Me vejo num quadro em branco sem opção de cores,
apenas uma cadeira onde eu posso me sentar e contemplar o nada ao meu redor.
Minhas decisões se tornam areia que escorrem pelos meus dedos.
Meu desejos e sonhos ar que o vento levou.
Não sei onde estou, nem o posso decifrar.
Há em minha mente o que eu deveria ser e não sou.
O que deveria ter feito,não fiz.
E o peso em minha nuca,meu ombros e costas aumenta gradativamente.
A culpa.
Culpa de ter permitido ser levada aos poucos por todo mundo.
Não me vejo mais,não me encontro no reflexo do espelho.
Nesse espelho 360° eu apenas vejo a carcaça de mim.
O corpo,a pele... mas não me vejo.
Cadê minha alma?
Cadê minha garra,minha sede,minha coragem?
Cadê meus sonhos e o meu acreditar?
Se esvaiu em questão de pouco tempo.
O que me resta?
A carcaça sentada no meio do quadro branco sem ter pra onde ir e sem opção de cores.

Show your support

Clapping shows how much you appreciated be’s story.