Eu não planejava falar sobre isso “nas redes sociais” e jurei que daria conta de guardar só pra mim ou manter tudo somente “na vida real”. Também achei que estaria mais calma e plena, mas veja só, aqui estou me identificando com esse meme:

Porque a verdade é bem simples: me mudo de país em 15 dias. Quinze dias. Duas semanas. Daqui alguns poucos dias estarei em um país totalmente diferente (e que ainda não conheço, veja bem), com uma língua e cultura totalmente desconhecidos. Não estarei sozinha, é verdade, e lembrar disso é o que tem evitado do meu coração sair galopando pra fora do corpo nos dias em que a ansiedade bate forte.

Escrever aqui também é uma tentativa de lidar com a ansiedade, por tudo pra fora e acalmar os nervos. Afinal, é mais fácil escrever do que falar sobre isso – sempre fui assim, melhor com as palavras escritas por extenso.

Aliás, perdi a conta de quantos posts e vídeos consumi esse ano sobre assuntos relacionados a mudança de país, como procurar apartamento, ou quais são as melhores formas de arrumar a mala, mas a verdade é que ninguém ensina sobre o que fazer com esse sentimento de saudade antecipada. Ninguém explica como não ficar sentimental por ter que alugar seu apartamento novinho e decorado com tanto capricho. Ou de como não encarar cada encontro e evento de amigos e familiares com um olhar de despedida.

Meu humor nunca foi tão instável quanto esses dois últimos meses. Tem dias em que a euforia e felicidade da conquista dão espaço para um sentimentalismo e ansiedade sem fim, e me pego alternando pensamentos de “vai dar tudo certo e ser do caralho” com “puta que pariu, como vamos fazer isso?”.

Aí quando lembro, inspiro e expiro quantas vezes forem necessárias, até lembrar que nada é impossível, que nada dura pra sempre – nem mesmo a euforia ou ansiedade, que é nesses momentos de maior provação que mais aprendemos e mudamos, e que passar e vencer tudo isso é que nos torna mais fortes, é o que nos dará orgulho no futuro.

Espero ler isso daqui um tempo e lembrar de como me preocupei tanto, à toa. Porque é sempre assim, só não posso esquecer.

Respira, Camila. Vai dar tudo certo!

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.